quarta-feira, 7 de abril de 2021

Combate à fome: Goiás dá início às entregas do Programa de Aquisição de Alimentos Estadual



Produtores da agricultura familiar começaram a realizar, neste mês, as entregas às entidades sociais identificadas e cadastradas nos municípios pela Organização das Voluntárias de Goiás (OVG) e o Gabinete de Políticas Sociais (GPS), a partir das vendas realizadas por meio do Programa de Aquisição de Alimentos do Estado de Goiás (PAA/GO), do Governo de Goiás. 

A execução do programa no Estado é feita pela Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa) e pela Agência Goiana de Assistência Técnica, Extensão Rural e Pesquisa Agropecuária (Emater), com o apoio da Secretaria da Retomada, como resultado da adesão do Estado de Goiás no desenvolvimento da ação do Ministério da Cidadania.

As primeiras entregas são realizadas por 62 agricultores familiares. 

É o caso de Reneilton Pereira da Silva, de 35 anos, que possui uma propriedade rural de 29 hectares, a 45 quilômetros de Porangatu. Ele, que é filho de produtores rurais e perdeu o pai no último mês, toca a produção agora com a mãe e a esposa. 

Cultivam milho, arroz, mandioca, banana, abóbora, gergelim, quiabo, cana-de-açúcar e batata doce, além da criação de suíno e pecuária leiteira.

Segundo o produtor, por intermédio da Cooperativa dos Apicultores e Agricultores Familiares do Norte Goiano e da Emater, ele soube do PAA Estadual e visualizou no programa a oportunidade de ampliar a comercialização de seus produtos.

Reneilton foi contemplado para a venda de mandioca, banana e abóbora. “Vamos começar com as entregas agora, mas já avalio que é um dos melhores programas para a agricultura familiar que participo. Com esse apoio na comercialização, até programo investimentos na propriedade, como um poço para ajudar na irrigação”, comemora.

No total, 823 produtores da agricultura familiar, de 92 municípios, foram selecionados para a participação no PAA/GO, a partir da publicação de dois chamamentos públicos no segundo semestre de 2020, com recursos da ordem de R$ 5,36 milhões captados do Ministério da Cidadania. 

As entregas serão realizadas, conforme a demanda das entidades recebedoras, com a periodicidade semanal, durante um período de 10 meses. 

O pagamento será efetuado de acordo com a tabela de referência da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), descrito no edital, que está disponível nos sites da Seapa (www.agricultura.go.gov.br) e da Emater (www.emater.go.gov.br).

Entre os itens a serem comercializados por Regiane estão mandioca, limão, abóbora, banana e hortaliças. Além desses, ela se dedica também à produção de açafrão, acerola e graviola em sua propriedade. 

“A capacidade de produção na minha comunidade é grande, temos muita terra e água em abundância”, vislumbra. Na propriedade, a produtora ainda conta com auxílio dos filhos, que estudam agronomia e aplicam os conhecimentos para ampliar a qualidade e produtividade dos alimentos.

Conforme avalia o superintendente de Produção Rural Sustentável da Seapa, Donalvam Maia, o PAA Estadual tem essa relevância de ser uma política pública efetiva, executada pelo Governo de Goiás, especialmente no sentido de oferecer novas perspectivas aos produtores. 

“É a primeira vez em que este programa é executado pelo Governo do Estado de Goiás em 18 anos e vem para consolidar mais um dos principais pilares da gestão estadual para o setor agropecuário, junto à assistência técnica e à oferta de crédito, que é a comercialização”, complementa.

Nesta primeira etapa, serão adquiridos os produtos descritos no edital. São eles folhosos (alface, brócolis, couve, repolho verde e rúcula), frutas (abacaxi, banana, laranja, limão, melancia e tangerina), tubérculos e raízes (batata doce, beterraba, cenoura e mandioca), verduras e legumes (abóbora, chuchu, jiló, pepino, quiabo, tomate e vagem), temperos (cebolinha e cheiro verde), panificados (biscoito caseiro – peta, pão caseiro, bolo caseiro, bolo de mandioca), farináceos (farinha de mandioca, polvilho e fubá de milho), carnes (peixe tilápia em postas, carne suína e frango caipira abatido), e grãos (feijão e arroz beneficiado – tipo 1, tipo 2).

O pagamento será realizado pelo Ministério da Cidadania, por meio do Banco do Brasil (em cartão específico), em até 45 dias após a apresentação da documentação atestada pelos responsáveis da Emater e da Seapa.

Dos 100 municípios participantes, 92 tiveram propostas contempladas. 

São eles: Abadia de Goiás, Abadiânia, Acreúna, Águas Lindas de Goiás, Alexânia, Alto Paraíso, Amorinópolis, Anápolis, Anicuns, Aparecida de Goiânia, Araçu, Aragoiânia, Araguapaz, Aurilândia, Bom Jardim de Goiás, Bom Jesus de Goiás, Bonfinópolis, Brazabrantes, Caiapônia, Campestre de Goiás, Campos Belos, Carmo do Rio Verde, Cavalcante, Ceres, Cezarina, Cidade Ocidental, Cristalina, Cristianópolis, Damianópolis, Diorama, Doverlândia, Faina, Flores de Goiás, Formosa, Gameleira, Goianápolis, Goianésia, Goianira, Goiatuba, Guapó, Heitoraí, Hidrolândia, Ipameri, Iporá, Itapirapuã, Itapuranga, Itumbiara, Jaraguá, Jaupaci, Jussara, Luziânia, Mairipotaba.

Ainda nessa lista: Minaçu, Mineiros, Moiporá, Monte Alegre de Goiás, Morrinhos, Morro Agudo de Goiás, Mozarlândia, Nerópolis, Nova Veneza, Novo Gama, Orizona, Padre Bernardo, Palminópolis, Paranaiguara, Petrolina de Goiás, Perolândia, Pirenópolis, Porangatu, Portelândia, Posse, Quirinópolis, Rio Verde, Rubiataba, Santa Rita do Araguaia, Santa Rita do Novo Destino, Santo Antônio do Descoberto, São Domingos, São João da Paraúna, São João d’Aliança, São Luís de Montes Belos, São Miguel do Araguaia, Senador Canedo, Silvânia, Trindade, Uirapuru, Uruaçu, Uruana, Valparaíso de Goiás, Varjão e Vianópolis. 

Os municípios de Aragarças, Fazenda Nova, Goiandira, Ivolândia, Maurilândia, Pires do Rio, São Miguel do Passa Quatro e Vila Boa não realizaram nenhum cadastro de proposta.

Fonte: Governo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.