quarta-feira, 24 de março de 2021

Arraias (TO): Homem que estuprou duas crianças, por vários anos, é condenado a mais de 108 anos de reclusão


O juiz criminal de Arraias (TO), Márcio Ricardo Ferreira Machado, condenou, nesta semana, um homem de 30 anos, pastor de uma igreja evangélica, a mais de 108 anos de reclusão.

Ele foi acusado de estupro, por diversas vezes, de duas crianças enteadas dele e moradoras da cidade. 

O estuprador casou-se com a mãe das crianças e viveram sob o mesmo teto por nove longo anos. 

A mãe já tinha as duas meninas, que viraram enteadas do homem.

O casal ainda teve dois filhos, gêmeos, e que por diversas vezes presenciaram os atos de estupros praticados por ele e serviram como testemunhas e prova em juízo.

Segundo o Ministério Público, no período entre os anos de 2015 e novembro de 2019, a família morava numa residência do setor Buritizinho, quando o padrasto abusou das crianças, que na época da violência tinham 7 e 9 anos de idade, praticando diversos terríveis atos, inclusive conjunção carnal e sob grave ameaça. 

A violência sexual contra as crianças ocorreram por diversas vezes e em vários locais, em casa, em áreas remotas da zona rural, dentro de veículos, dia e noite, e sempre se aproveitando da ausência da mãe.

Ao descobrir os gravíssimos crimes, a mãe das crianças denunciou o caso à Polícia Civil  de Arraias (TO). Ao descobrir que tinha sido denunciado, o acusado fugiu e só foi preso em fevereiro deste ano. 

O caso foi apurado pela 11ª Delegacia de Atendimento à Mulher e Vulneráveis. 

A delegada responsável, Vanusa Regina de Carvalho Nunes, explicou que o inquérito foi concluído em 2020 e a prisão preventiva do homem estava decretada desde então. Ele ainda não tinha sido localizado, mas foi encontrado em uma casa, ainda na cidade de Arraias.

O acusado foi levado para a Cadeia Pública de Arraias, onde aguardou preso pelo julgamento. 

O juiz Márcio Ricardo Ferreira Machado fixou a pena em 45 anos e 9 meses, referente aos crimes cometidos a uma das crianças; e 63 anos de reclusão pelos crimes, em série, cometidos contra a segunda vítima criança. 

Ao fundamentar sua decisão, o magistrado disse que as crianças viveram um verdadeiro terror nas mãos do algoz. 

"Durante vários anos, de forma egoística, silenciosa e com muita astúcia, submeteu duas crianças a satisfazer sua própria lascívia de variadas maneiras, isto mediante violência e grave ameaça, inclusive chegou até mesmo a utilizar uma arma branca para intimidar as vítimas, circunstâncias que, quando somadas abalava profundamente o estado psíquico das vítimas e impedia que elas tivessem coragem de relatar os ocorridos que sofriam caladas". 

A pena final foi fixada em 108 anos e 9 meses de reclusão, em regime fechado, pelo crime hediondo, sem direito a apelar em liberdade e ainda pagamento de 30 salários mínimos para cada vitima.

Um comentário:

  1. Um monstro, fazer um abusos destes, casou com a mulher com segundas intenção, um homem deste merece nunca mais sair da cadeia.

    ResponderExcluir

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.