sexta-feira, 5 de fevereiro de 2021

Dez mil reais: Batalhão de Polícia Militar Ambiental do Tocantins e IBAMA autuam infratores que picharam a Pedra da Baliza








A Polícia Militar do Tocantins, por meio do Batalhão de Polícia Militar Ambiental (BPMA) em ação conjunta com o IBAMA, identificou e autuou dois responsáveis pelo crime ambiental contra o monumento histórico Pedra da Baliza.

O monumento histórico está situado na Estação Ecológica Serra Geral do Tocantins, local protegido por Lei. 

Além da multa de R$ 10 mil reais cada um, eles deverão responder criminalmente pelo fato.

Os vândalos foram identificados após o o serviço de inteligência da Unidade Especializada na defesa do meio ambiente da PMTO, o BPMA, coletar informações que levaram aos dois indivíduos de 23 e 24 anos.

Após os trabalhos de identificação, os militares deslocaram até a cidade de Combinado (TO), sudeste do estado, a fim da adoção das medidas administrativas relativas ao crime ambiental cometido. 

Os dois foram autuados em R$ 10.000,00 cada um. 

Toda a documentação foi encaminhada ao Ministério Público Federal (MPF) para que este adote as medidas pertinentes ao procedimento criminal sobre o fato.

Entenda o caso

A Pedra da Baliza fica localizada na divisa entre o estado do Tocantins e Bahia, no município de Mateiros, e atrai muitos turistas que levam como lembrança fotos do monumento. 

No último fim de semana ela foi alvo de ação de vândalos que alterou, por meio de pichação, o seu aspecto natural.

A Polícia Militar ressalta que o crime ambiental sujeita os infratores à reclusão de 01 a 03 anos e multa conforme preconiza a legislação ambiental vigente e alerta aos visitantes de áreas de proteção ambiental, que tenham conduta consciente para a preservação destes locais.

Com informações da PMTO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.