quinta-feira, 18 de fevereiro de 2021

Desembargador Francisco Vildon José Valente pede aposentadoria. O magistrado é natural de Nova Roma (GO)


O presidente do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJGO), desembargador Carlos Alberto França, declarou aposentado, voluntariamente, o magistrado Francisco Vildon José Valente no cargo de desembargador do Poder Judiciário do Estado de Goiás. 

O Decreto Judiciário nº 549/2021 foi assinado pelo presidente na quarta-feira (17).

Francisco Vildon José Valente tomou posse como juiz de Direito do TJGO em 28 de dezembro de 1983, tendo assumido o cargo de desembargador em 2011, pelo critério de antiguidade. 

O desembargador atuava na 5ª Câmara Cível do TJGO e também integrava a 2ª Seção Cível.

“Na prestação desse trabalho, tento agir com a maior transparência, inspirando-me na proteção do personagem de maior expressão neste contexto, o grandioso Jesus Cristo", disse na ocasião da sua posse como desembargador.

Em nome do Poder Judiciário goiano, o presidente Carlos França expressou a gratidão pela atuação do magistrado. 

“Durante seus 37 anos na magistratura, o desembargador Vildon sempre honrou a toga com seriedade, ética e compromisso. Que a nova fase seja repleta da alegria do convívio familiar”.

Como juiz de Direito, Francisco Vildon José Valente foi titular nas comarcas de Planaltina de Goiás, Abadiânia, Colinas de Goiás, Luziânia e Goiânia e, ainda, respondente das comarcas de Alexânia e Cristalina. 

Antes de entrar para a magistratura, trabalhou como escriturário, escrivão de polícia e comissário de polícia na Secretaria de Segurança Pública do Estado de Goiás. 

Na Justiça Federal, secção de Goiás, foi auxiliar judiciário.

Fez graduação em Direito na Universidade Federal de Goiás (UFG), e possui especialização em Direito Civil e Teoria Geral do Direito. 

O desembargador é natural de Nova Roma (GO).

Fonte: TJGO



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.