quinta-feira, 17 de dezembro de 2020

Eleições de Arraias (TO) sob suspeita. MP pede investigação contra graves denúncias de chapa eleita, por compra de voto e abuso de poder



O promotor de Arraias (TO), sudeste do estado, João Neumann Marinho da Nóbrega, na condição de promotor eleitoral, pediu ao Poder Judiciário investigação contra a chapa do prefeito eleito Herman Gomes, um policial federal e produtor rural e sua vice-prefeita eleita, Ana Antônio de Lima.

A investigação foi aberta após pedido de ação de investigação judicial eleitoral oferecida pelos órgãos de direção municipal em Arraias dos partidos PCdoB e PSD,  alegando prática de ilícitos eleitorais de captação ilícita de votos, abuso do poder político e abuso do poder econômico.

A ação também pede investigação contra o vereador de Arraias Geraldo Martins de Souza, pelos mesmos motivos. 

Nesta semana, os dois partidos impetram uma petição junto à Justiça Eleitoral de Arraias (TO) apresentando uma série de denúncias, com áudios, vídeos fotos e testemunhas.

Entre as denúncias, estão a doação de combustível, o uso de uma suposta ambulância falsa, compra de votos em troca de material de construção, cimentos, gás de cozinhas e de outros produtos e ainda arrecadação de dinheiro de produtores rurais e de uso de máquinas agrárias.

Na petição, o advogado dos dois partidos lembrou da história da política eleitoral de Arraias-TO, que foi "marcada por tempos sobrinhos. Aqui era mesmo um curral eleitoral de domínio das elites.

O povo além de escravizado (origem da cidade) era submetido ao constrangimento de ter que ser obrigado a não ter a liberdade do próprio ato de votar, com a retenção do título eleitoral".

Segundo a peça jurídica,  graças à atuação e empenho das autoridades (Juízes, Servidores e ministério Público) locais esse processo de curral eleitoral foi eliminado. 

"Mas as elites descontentes, vem nas últimas eleições retomando em outras feições esta prática, porque ainda existe candidatos e grupos políticos que persistem em usar a metodologia da compra de voto como arma para ter mandato eleitoral e como nesta eleição surgiu por toda a cidade notícia de que o prefeito eleito, candidato desta mesma elite Hemam praticou a compra de voto. 

Neste sentido, é preciso ir na linha do Ministério Público e de todo o cidadão e partido políticos que não comungam com esta prática de compra de votos indignados levam ao conhecimento das autoridades para ser investigados, apurar e punir essa prática perniciosa da compra de votos que tolhe o direito de cidadania e constrange a nossa democracia", fundamentou o advogado dos partidos no pedido à Justiça Eleitoral.

Por fim, pediram, além da cassação do diploma, que tenha novas eleições.

O caso agora está nas mãos do Poder Judiciário. 





3 comentários:

  1. É o seguinte Herman ganhou porque o povo quis ele, estavam cansado da gestão do prefeito Wagner Gentil que não fez nada pela cidade se Herman elegeu foi democraticamente deste modo, vamos deixar o prefeito Herman juntamente com Ana Lima trabalhar por Arraias. Foi o povo que escolheu agora é ele. Se caso ele não trabalhar não votamos mas nele.

    ResponderExcluir
  2. Engraçado que pra tomar providência no que é realmente importante na comunidade esse Ministerio público é uma lesma mas pra se envolver em caso de politicagem é bem rápido!

    ResponderExcluir
  3. Isso é tentar justificar a derrota ! Esse tipo de gente Arraias não merece, querem tumultuar, a democracia da nossa cidade!!

    ResponderExcluir

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.