sábado, 7 de novembro de 2020

Rali dos Sertões: Fabrício Bianchini/Adhemar Pereira sobem mais uma posição e estão em 4º na Open



O Sertões largou de São Paulo (31/10), cruzou Minas Gerais, Goiás, Distrito Federal, Tocantins e, nesta quinta-feira, 5, chega ao Maranhão, à Bolha 5 na cidade de Carolina. 

Fabrício Bianchini (Barueri/SP) e Adhemar Pereira (Fortaleza/CE) conquistaram mais uma posição na classificação acumulada do rali e estão em 4º na Open, uma das categorias mais disputadas, são nove “bugões”, oito com motor V8 e apenas um da dupla da Bianchini Rally com motor Amarok V6, todos são 4×2 e a briga é boa.

Na quarta etapa (4/11), entre Campos Belos, no Goiás, e Palmas, no Tocantins, a dupla enfrentou uma longa – total de 650 quilômetros – e exigente Especial (trecho cronometrado) de 329 quilômetros que mesclou trechos rápidos, 60 quilômetros de areia e vários tipos de terrenos. 

E completou em 7º na Open e 15º na geral, com 4h29m30s.

“Dia foi sensacional, muito bom, posso dizer que foi o mais divertido que já pilotei de carro na minha vida, um Especial muito rápida e legal!”, destaca Bianchini. 

 O piloto ressalta que as modificações realizadas, após a etapa Maratona, melhoraram o desempenho do Buggy V6, preparado pela MEM Motorsport. 

“O bugão estava ótimo, arrumaram a potência e ficou show, além disso a sincronia minha com Índio só melhora e a navegação também”, afirma o piloto que completa a 20ª participação no maior rali das Américas.

Para o navegador cearense, que na verdade é piloto de moto, assim como Bianchini, a estreia na categoria carros está sendo uma experiência positiva. “Fabrício e eu temos praticamente nossa história no Sertões marcada com as motos. 

Em 2018 tivemos nossa primeira experiência juntos quando andamos de UTV e foi bem divertido, mas, agora, com esse bugão não tenho palavras, a cada nova etapa saímos mais satisfeitos, é diversão e adrenalina pura, passamos por cima de tudo”, explica Índio, apelido do competidor e como é conhecido no meio off-road, que está em sua 11ª participação na prova.

Mais informações sobre a equipe: www.bianchinirally.com.br, Facebook @equipebianchinirally e Instagram @bianchinirally. E também no Instagram @memmotorsport A Bianchini Rally conta com patrocínio da ROCK e Shiro e apoio MEM Motorsport, Óculos 100%, O Mundo de Maria, Hupi, Bull Sertões e Rede Petrolam.

Sertões – Resultado acumulado, após a 4ª etapa

Categoria Open (cinco primeiros)
1) Thiago Rizzo/Leo Magalhães
2) Zé Hélio/Lauro Sobreira
3) Júlio Capua/Emerson Cavassim
4) Fabrício Bianchini/Adhemar Pereira
5) Carlos Castro/Minae Miyauti

Roteiro completo do Sertões 2020 (sujeito à alterações)

5/11/2020 – quinta-feira
5ª etapa – Bolha 4 / TO a Bolha 5 / MA
Deslocamento inicial: 99 km
Trecho especial: 227 km
Deslocamento final: 284 km
Total: 610 km

Apesar dos km iniciais travados, a especial imprime altas velocidades em um trecho de areia, ao lado de uma plantação de eucaliptos. 

O terreno arenoso fica bem mais pesado até a metade do trajeto, quando assume as características do Jalapão, no Tocantins. 

Os competidores encerram a especial em terreno de piçarra, onde poderão atingir altas velocidades e sentir o prazer da pilotagem.

6/11/2020 – sexta-feira
6ª etapa – Bolha 5 / MA a Bolha 6 / MA
Deslocamento inicial: 128 km
Trecho especial: 300 km
Deslocamento final: 313 km
Total: 741 km

A especial já começa com belas paisagens, por estradas de médias velocidades que vão ficando cada vez mais estreitas e travadas. 

A partir da metade, o trajeto fica mais rápido, com lombas e depressões. Haverá dois trechos com retas muito longas, de altíssimas velocidades, em terreno de piçarra. 

No final, será preciso mais atenção para completar a especial em trechos arenosos.

7/11/2020 – sábado
7ª etapa – Bolha 6 / MA a Barreirinhas (MA)
Deslocamento inicial: 258 km
Trecho especial: 223 km
Deslocamento final: 34 km
Total: 515 km

A organização do Sertões promete deixar a melhor especial para o final. Com prova na areia, a navegação fará toda a diferença. Após um começo travado em piçarras, o trecho fica arenoso à medida que cruza pequenos riachos, os quais estarão secos na época da prova. 

Após o abastecimento, praticamente na metade da especial, as dificuldades serão extremas por conta da areia e da parte final com navegação por GPS em dunas. Com muitos way points a serem cobertos, qualquer erro pode ser fatal. 

O final em Barreirinhas promete ser apoteótico, a imagem a ser gravada nas memórias dos participantes. Chegar ao final do Sertões 2020 já será uma grande vitória.

Fonte: Terra

Um comentário:

  1. A MAIOR DIFICULDADE QUE OS PILOTOS DO RALI DOS SERTÕES ENCONTRARAM FOI NO TRECHO DENTRO DA CIDADE DE CAMPOS BELOS
    NUNCA VIRAM TONTOS BURACOS, MAIS MESMO ASSIM ENTREGAM 1000
    CESTAS BÁSICAS COM ALIMENTOS AO PREFEITO ET QUE NATURALMENTE DEVERÃO SEREM ENTREGUES AOS CARENTES APÓS AS ELEIÇÕES,
    ESTAMOS DE OLHO! LUCINHA.

    ATT EDIJALDO

    ResponderExcluir

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.