segunda-feira, 23 de novembro de 2020

Olhos arrancados e 7 facadas: assédio sexual teria provocado homicídio brutal entre compadres em Bonfinópolis (GO)

Vítima


Mensagens



Um jovem de 25 anos foi preso suspeito de matar um compadre, na cidade de Bonfinópolis. 

Segundo a Polícia Civil, o homem agrediu Ademostero Batista da Silva, de 48 anos, com pauladas, causando múltiplas lesões. 

O crime ocorreu em fevereiro e teria sido motivado por suposto assédio sexual em mensagens enviadas pela vítima à esposa do suspeito. 

As investigações duraram cerca de 7 meses.

Conforme relata a corporação, o suspeito tomou conhecimento de que a vítima teria enviado mensagens de cunho sexual para a esposa do autor, oferecendo, inclusive, dinheiro em troca de relação sexual.

Crime brutal


Nervoso com o conteúdo das mensagens, o jovem, cuja identidade permanece em sigilo, surpreendeu a vítima durante a noite e desferiu diversos golpes com um pedaço de madeira. 

Depois disso, o suspeito teria arrancado olhos e dentes da vítima, causando o óbito de Ademostero com sete golpes de faca. 

Segundo as investigações, o crime foi premeditado.

Em seguida, o corpo de Ademostero foi colocado no porta malas de um carro e jogado do alto da ponte do Rio das Caldas, em Leopoldo de Bulhões. 

Após o crime, o suspeito, na intenção de simular que a vítima estaria viva, pegou o celular de Ademostero e escreveu mensagens a
Prisão

Depois de cerca de sete meses de investigação da Polícia Civil com apoio do Instituto de Identificação da corporação e Polícia Técnico-Científica, realizou a prisão cautelar do jovem na última quinta-feira (19). 

Ele é considerado de altíssima periculosidade e possui passagens por roubo majorado, receptação, porte de arma e adulteração de veículo. 

O homem vai responder por homicídio qualificado por meio cruel.

Fonte: Mais Goiás 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.