quarta-feira, 25 de novembro de 2020

Almas (TO): Um dos vereadores mais votados em cidade no sudeste tem prisão preventiva decretada



O segundo vereador mais bem votado de Almas, região sudeste do Tocantins, Narcizo Marcos Alves Borges, o Marcão da Caçamba (MDB) teve a prisão preventiva decretada pelo Tribunal de Justiça do Tocantins (TJ-TO).

Ele e um suposto aliado teriam agredido fisicamente, extorquido e ameaçado de morte um outro homem.

Marcão foi eleito com 238 votos e ainda não foi localizado.

A decisão é do juiz plantonista da comarca de Taguatinga, Jean Fernandes Barbosa de Castro e foi dada durante o final de semana.

Conforme o delegado responsável pelas investigações, Joadelson Rodrigues de Albuquerque, toda a confusão teve início depois de uma aposta entre amigos.

“Ocorre que supostamente vítima e autor fizeram uma aposta, sendo que cada um escolheu um candidato a vereador e então apostaram qual dos candidatos receberia mais votos no pleito de 15 de novembro”, disse.

Ainda conforme o delegado, a vítima contou em depoimento que não imaginava que teria que pagar aposta.

“A vítima afirmou em depoimento que, como estava entre amigos, não levou o compromisso a sério, e mesmo tendo perdido a aposta pensou que não teria que pagar o valor combinado”, afirmou Joadelson

Com medo, a vítima teria pago o valor R$ 4 mil ao suposto aliado de Marcão, preso no último dia 18 em flagrante.

Por fim, o delegado afirmou que o suspeito preso confessou o crime e disse que o valor seria divido entre ele e o vereador.

O Gazeta do Cerrado tenta contato com a defesa do vereador Narcizo Marcos citado na reportagem e ressalta que o espaço está aberto caso haja interesse em se posicionar sobre o assunto.

Nossa equipe entrou em contato com o Tribunal de Justiça do Tocantins solicitando os detalhes da decisão e aguarda uma resposta.

Fonte: Gazeta do Cerrado

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.