segunda-feira, 5 de outubro de 2020

Show de bola: Brigadistas da mineradora Itafós combatem incêndios na região





No último dia 31 de Julho, foi realizado o treinamento prático dos colaboradores da ITAFOS para formação da Brigada Florestal. 

O curso teve duração de 16 horas, sendo 8 horas de aulas teóricas e 8 horas de treinamento prático, no total, 12 colaboradores da Itafós foram formados como brigadistas. 

O treinamento foi completo, os brigadistas tiveram experiência prática no manuseio de mangueiras de hidrantes, técnicas de aceiros, além dos procedimentos corretos que cada brigadista deve respeitar durante um combate a um incêndio florestal. 

Em agosto desde ano, foram identificados focos de incêndio em uma região próxima à mina Coité. 

Imediatamente a equipe da Brigada Florestal se deslocou até o local para verificar o ocorrido. Um dos riscos imediatamente identificado pela equipe da Brigada Florestal foi a proximidade do fogo às linhas da rede elétrica. 

Foi realizado o desligamento da energia de forma preventiva e após a primeira avaliação foi iniciado o combate ao fago. Foram necessários 7 brigadistas atuando para anular os focos de incêndio. 

Após 5 horas de trabalho intenso, com o uso de vários equipamentos e inclusive um caminhão pipa, os focos de incêndio floram extintos. 

Felizmente nenhuma pessoa ou animal se feriu, mas fica o alerta que mesmo queimadas autorizadas e supostamente controladas podem causar grandes danos e colocar em risco a vida das pessoas, de animais e o meio ambiente. 

Faça sua, denuncie qualquer atividade irregular que possa causar um incêndio.

O perigo das queimadas

O mês de agosto registrou o maior número de focos de incêndio no país em 2020, com registro de dois em cada três casos no ano. 

Os dados são do INPE (Instituto Nacional de Pesquisa Espacial) e foram divulgados em 1º de Setembro pelo WWF-Brasil. 

Segundo os dados, dos 44.013 focos de queimadas registrados este ano, 29.307 ocorreram entre 1º e 31 de agosto, ou seja, 66,5% do total. 

O número ficou um pouco abaixo do mesmo período de 2019, quando foram 30.900 focos. 

Anualmente, os focos de queimadas no Tocantins se concentram entre os meses de agosto e outubro, no auge do período de estiagem, com destaque especial para setembro que normalmente é o mês com o maior número de focos no ano. 

Até o momento foram 1.741 casos este ano. 

Com registro histórico de maior incidência de focos de incêndio nesta época do ano, Goiás teve crescimento de ocorrência no mês de agosto quando comparado ao ano anterior. 

Apesar disso, o acompanhamento da primeira semana de setembro aponta redução de quase 40% dos registros quando comparado ao mesmo período de 2019. 

De acordo com a Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad), há variações nas comparações feitas dentro do mesmo período entre os anos analisados. 

O ano de 2017, por exemplo, apresenta o pior resultado para o mês de agosto, com 1.109 focos. Em 2018 esse número caiu para 518 e 698 em 2019. Do ano passado para 2020 a variação é de 38%, com um aumento que chegou a 964 focos.

Com texto e fonte: Colina (publicação da Itafó)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.