quinta-feira, 15 de outubro de 2020

Projeto de horta e pomar de Campos Belos (GO) recebe visita técnica da Sudeco





O Projeto Horta e Pomar Comunitários Irrigados, do Instituto Federal Goiano de Campos Belos (GO) continua em plena produção desde o início da pandemia. 

Na última quinta-feira (08), a ação recebeu a visita de técnicos da Superintendência do Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco) para acompanhar o andamento do convênio firmado pela autarquia com a instituição.

A iniciativa capacita agricultores familiares, principalmente o que vivem em situação de risco social do município. 

Eles participam de capacitações sobre o cultivo agrícola e gestão da propriedade. 

A ação tem o objetivo de fortalecer a cadeia produtiva local e gerar renda para a comunidade. A meta do projeto é capacitar 10 famílias rurais, sendo que atualmente cinco já estão sendo beneficiadas. 

Devido à pandemia, o restante das famílias deverá entrar no programa só ano que vem.

Gestão da propriedade

Na primeira etapa da ação, os agricultores selecionados receberam curso de capacitação técnica de plantio, manejo e tratamento das hortaliças, assim como o manuseio correto de defensivos. 

Agora os próprios produtores são responsáveis pela manutenção das hortas e pomares.

“No começo, tivemos muitas dificuldades. Os professores que nos incentivavam a não desistir do projeto. Mas, estamos com bons resultados, sem contar as melhorias que tivemos dentro de nossas casas. 

Comida em nossas mesas não falta e com produtos que nós mesmo plantamos, além de oferecermos para a cidade mercadorias de qualidade”, lembra o produtor João Paulo Torres Ribeiro.

Além disso, as famílias têm recebido orientações dos docentes e técnicos agrários sobre gestão administrativa. 

“Com os cursos, eles estão aprendendo sobre fluxo de caixa, a importância do capital de giro para continuar o projeto, além de receberem capacitação sobre a comercialização dos produtos”.

“Antes a gente tinha muito prejuízo com a venda dos produtos em mercados grandes, como o Ceasa, porque os custos com as perdas eram todos nossos, não do mercado. Agora entendemos que vender para pequenos comércios, como lanchonetes e restaurantes, diminui o risco de perda de produtos e melhora o lucro. 

Então, o curso nos ajudou a entender isso e a gerenciar melhor as nossas vendas”, ressalta o produtor Wanderley Aires de Oliveira.
Vendas diretas ao consumidor

Segundo os técnicos do projeto, apesar das dificuldades enfrentadas nesse período de pandemia, as atividades não pararam. As vendas estão sendo realizadas diretamente para a população e os comércios locais. 

Além disso, uma parte da produção é consumida pelos próprios agricultores do projeto. De acordo com a equipe, espera-se que cada família consiga ter uma renda entre dois a três salários mínimos, com a venda da produção.

“Foi emocionante ouvir o depoimento dos agricultores. Eles estavam muito felizes em participar da qualificação, onde aprenderam a cuidar da terra e a produzir alimentos de qualidade. Muito bom fazer parte dessa história”, disse a coordenadora de Articulação de Planos e Projetos da Sudeco, Simone Soares de Carvalho.

O projeto deveria ser concluído no final deste ano, mas devido à pandemia o prazo foi prorrogado para 2021.

A Diretoria de Planejamento e Avaliação da Sudeco, representada pelo coordenador-geral, Carlos Henrique Filho, e pela coordenadora Simone Carvalho, foi recebida pelo diretor-geral do Campus, Fabiano Arantes; pelo zootecnista e doutor em Produção Animal, João Rufino Júnior; pelo engenheiro agrônomo e doutor em Produção Vegetal, Athieris de Souza Saraiva; e pelo administrador e doutor em Educação, Wellington Machado Lucena. 

A superintendência recebeu de presente do IFGoiano duas cestas de produtos, contendo verduras e legumes produzidos pelo projeto.

Fonte: Sudeco

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.