domingo, 25 de outubro de 2020

Novo trecho da BR-010, proposto pelo governo federal, é uma ameaça severa às comunidades calungas e ao cerrado





Por mais de 200 anos, seres humanos escravizados, em virtude de sua cor, se refugiaram numa área muito remota e de dificílimo acesso, após fugirem dos trabalhos forçados nas minas de diamantes e de ouro, na região sertaneja do estado de Goiás, no Brasil central.

Nessa região, ficaram escondidos, isolados do mundo e conseguiram sobreviver.

Ali mantiveram suas culturas, sua religião, a forma de construir suas casas, a maneira de produzir seus alimentos, enfim, um mundo perdido intacto em relação à civilização moderna, até serem "descobertos".

Por tabela, mantiveram conservada a imensa biodiversidade do cerrado, sua vegetação, seus rios e riachos, mananciais, além da rica fauna composta por animais silvestre, que também alimentavam aqueles "índios" negros.

São três as comunidades calungas: nos municípios de Cavalcante, Teresina de Goiás e Monte Alegre de Goiás.

A mais populosa comunidade está situada no município de Cavalcante, com pouco mais de duas mil pessoas, distribuídas nas localidades do Engenho II, Prata, Vão do Moleque e Vão das Almas, sendo esta última a mais recente a se integrar no seio do município (cerca de trinta anos).

Mais recentemente, alguns estudos têm indicado a presença de calungas também em regiões do estado do Tocantins, nos arredores de Natividade e regiões isoladas do Jalapão. Durante todo este período, houve miscigenação com índios, posseiros e fazendeiros brancos.

Um estudo de Universidade de Brasília, dissertação de mestrado da pesquisadora Cecília Ricardo Fernandes, traz um belíssimo e denso trabalho antropológico desse povo.

Acesse e leia a íntegra dessa Pesquisa

Mas tudo isso está seriamente ameaçado por uma obra "boba", sem noção, tocada pelo governo federal, sem levar em consideração a visão sistêmica e o que a envolve.

Com o único propósito de diminuir a distância, em pouco mais de 126 km entre a capital do Tocantins, Palmas, e a capital federal, o DINIT já está licitando a construção de uma nova rodovia federal, a BR-010. 

Boa parte dessa BR é pelo curso da rodovia estadual GO-118, entre Brasília e Campos Belos (GO), trecho com cerca de 400 km.

Depois, a BR seguiria pela TO-050 e BR 242 entre Arraias e Paranã (TO).

Mas a governo federal pretende encurtar a distância, evitando que o tráfego passe por Campos Belos e Arraias, para economizar tempo dos transeuntes e das cargas, em míseros 100 km.

Para isso, inventou um novo trajeto, ligando o "nada" ao "lugar nenhum".

Na GO-118, após a cidade Teresina de Goiás (sentido DF/Campos Belos), poucos quilômetros depois da ponte sobre o Rio Paranã, máquinas pesadas serão colocadas em ação para abrir o sertão dos calungas para dá espaço a esse novo trecho da BR-010.

Um absurdo sem tamanho.

O único benefício será o encurtamento da viagem em pouquíssimas horas e que nada afetará os preços dos fretes e das passagens de ônibus.

Em contrapartida, os prejuízos dessa insana obra, serão enormes e terríveis.

Quem conhece a região, sabe da existência dos paredões rochosos gigantescos e da imensidão das serras, morros e vales intermináveis da região, que outrora serviram para proteger os calungas dos algozes homens brancos e hoje guarda o tesouro da biodiversidade do cerrado.

O governo federal, por meio de engenheiros e operários, vai ter que usar muita dinamite e máquinas pesadíssimas para o intento. Pense agora no valor de dinheiro público envolvido nessa insanidade.

Para além do desperdício de verba pública, a ameaça é direta e será impactante para o cerrado, ainda virgem naquele espaço, refúgio agora de animais silvestres como onças, antas, pacas, tamanduás.

E ainda terá o enorme poder de levar mais pressão especulatória pecuarista e mineradora sobre terras de povos tradicionais.

E por último e não menos importante, jogará uma pá de cal sobre a economia ainda muito cambaleante do nordeste de Goiás e do sudeste do Tocantins, que até hoje ainda se ressente do esquecimento estatal.

A região ainda é conhecida como "corredor da Miséria", muitíssimo diferente da pujança do sul de Goiás.

Arraias, Campos Belos, Combinado, Natividade, Conceição do Tocantins só começaram a ver sinal de progresso após a criação da capital do Tocantins, com trajeto quase que obrigatório para Brasília, pela GO-118.

Desde então, essa região esquecida por uma sequência de governantes do estado de Goiás foi arrefecida e ganhou um lampejo de civilização.

Mesmo assim, o nordeste de Goiás e o sudeste do Tocantins ainda possuem um dos piores IDHs do país, comparando-se a países da África Subsaariana.

Foi preciso haver a divisão do estado de Goiás para poder dá um pouco de fôlego à parte norte estadual, esquecida e abandonada.

A estratégia até que deu certo.

Mas com esse desvio, a cerca de 70 km de Campos Belos, o ostracismo vai voltar, com quase absoluta certeza e a escuridão da falta de giro da economia e suas consequências vai tornar a mostrar sua cara a essas comunidades, ainda renegadas pelos governos estaduais.

Ainda há tempo. É preciso ação política, eficiente e rápida, sem politicagem. 



Nós não aceitamos Campos Belos e Monte Alegre (GO) fora da BR-010. Políticos devem explicações
 (2015)


Governo concorda em federalizar quatro rodovias goianas. Entre elas a GO-118
 
(2015)


Publicada de Lei Goiás que doa GO-118 ao governo federal. Rodovia vai se tornar federal, em BR-010
   (2017)

2 comentários:

  1. Olá sou morador de Cavalcante e o verdadeiro traçado era para passar aqui por Cavalcante,e sair no Paraná TO, mudaram o traçado original!

    ResponderExcluir
  2. Tá na hora da população de Campos Belos, Arraias e cidade vizinhas, manifestarem e não deixar que mude a rota de Brasilia à Palmas, porque essa rodovia já existe há mais de 20 (vinte) anos. Vai ser um prejuízo muito grande para essa região. Vamos ficar a margem da rodovia. O correto é transformar a GO 118 e TO 050 na BR 010, porque está rota pronta, vai ser uma economia muito grande para a União. Nossos representantes eleitos precisamos do seu apoio.

    ResponderExcluir

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.