sexta-feira, 18 de setembro de 2020

Urgente: mulher com problemas mentais é estuprada e morta em Alto Paraíso (GO)

 


A Polícia Civil de Goiás investiga um caso de violência sexual que deixou os moradores de Alto Paraíso (GO), um dos principais destinos turísticos dos brasilienses, revoltados. 

Uma mulher, identificada como Oigna Rodrigues da Silva, 43 anos, foi estuprada e, devido aos graves ferimentos provocados pela brutalidade, morreu. 

Ela chegou a ser socorrida e encaminhada ao hospital da cidade, mas não resistiu.

O caso ocorreu na quarta-feira (16/9). 

Oigna foi encontrada em casa, por uma equipe do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS), bastante machucada e o Serviço de Atendimento Móvel Urbano (Samu) foi acionado. 

A vítima recebeu o atendimento na unidade de saúde, com adoção dos procedimentos e protocolos indicados às vítimas de violência sexual, mas veio a óbito na manhã dessa quinta-feira (17/9).

A Secretaria Municipal de Saúde do município de Alto Paraíso disse que os serviços de segurança pública foram notificados das lesões que a paciente apresentava, através exame comprobatório de corpo delito preenchido pelo médico de plantão.

Com ajuda de uma vizinha, a funcionária do CRAS conseguiu entrar na casa de Oigna, onde encontrou a mulher caída, de bruços, com vários ferimentos no rosto e com muito sangue no chão. 

"Ela estava sem consciência, sangrando, porém respirando, de forma ofegante", consta no boletim.

Ao chegarem ao local, os atendentes do Samu fizeram os primeiros socorros e verificaram que o sangue na roupa da vítima já estava seco, o que indicava que os ferimentos haviam ocorrido já há algum tempo.

Os sinais de violência sexual só foram identificados no hospital, no momento em que os funcionários da unidade davam banho em Oigna. 

"Ela possuía sinais de agressão física no tórax, seio, e também laceração na vagina, em decorrência de uma violência sexual", diz o documento. Oigna aguardava pela transferência para um hospital em Goiânia, quando teve uma parada respiratória e faleceu.

Delegado da Polícia Civil de Goiás à frente do caso, Danilo Meneses diz que o crime foi cometido com requinte de crueldade. 

"Já identificamos um suspeito pretendemos dar uma resposta à sociedade o quanto antes. O crime é realmente chocante. Inadimissível", disse o delegado.
"Justiça por Oigna"

Nas redes sociais, um coletivo de mulheres de Alto Paraíso clama por segurança, uma vez que ninguém foi preso. O grupo organiza, ao menos, duas manifestações e exigem respostas das autoridades que investigam o caso.

Nesta sexta-feira, às 17h, ocorre a Marcha Justiça por Oigna, com concentração na Praça do Canãa. A orientação é que todas as mulheres compareçam ao protesto de roupas pretas, e que levem velas.

Na segunda-feira (21/9), uma nova manifestação está marcada, desta vez em frente à Prefeitura Municipal de Alto Paraíso. 

O ato "Justiça por Oigna" começa às 10h.O prefeito de Alto Paraíso, Martinho Mendes da Silva, repudiou o caso de violência e disse, por meio de nota, que acionou a PCGO, "solicitando uma atuação severa e investigação rigorosa".

Oigna era uma mulher bastante conhecida no município. Por ter sofrimentos psíquicos, era atendida pela equipe da Secretaria de Assistência Social e do CRAS havia 12 anos, segundo a prefeitura.

Segundo o boletim de ocorrência, a vítima tinha um atendimento marcado com a assistente social do CRAS para quarta-feira, mas a paciente não compareceu. Desconfiada, uma equipe compareceu a casa da mulher, que não atendeu a porta. Pela janela, uma das assistentes sociais avistou os pés de Oigna, que estava caída no chão.

Fonte: Metrópoles 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.