sexta-feira, 4 de setembro de 2020

Homicídio a deixa cidade de Campos Belos (GO) chocada. Por suposta desavença de terra, "Biel" mata "Tião", com dois tiros


Sebastião de Souza (Tião) foi morto com dois tiros 


Roberto Ferreira, o Biel, suposto assassino 

O crime cruel chocou a cidade de Campos Belos (GO), nordeste de Goiás, nesta quarta-feira (2). 

Um jovem rapaz, produtor rural, foi assassinado friamente dentro das divisas da fazenda da família, no Distrito de Pouso Alto, perto da divisa entre Goiás e Bahia. 

Sebastião de Souza Oliveira, conhecido por "Tião", segundo informações da Polícia, levou dois tiros a queima roupa, que atingiram a cabeça da vítima e teria sido disparado pelo também produtor rural Roberto Ferreira Tavares, conhecido como Biel.

Ambos se conheciam há muito tempo. Cresceram juntos, para ser exato. 

Mas existia uma desavença por conta de terras, que vinha num processo de acirramento há algum tempo.

Biel tinha passado canos de água de uma nascente por dentro das terras da família de Tião, que, para não ter confusão com o vinho fez "vista grossa".

Informações dizem também que Sebastião tinha um coração puro e de uns tempos para cá passou a investir na fazenda que pertencia à sua família. 

Mas Roberto Ferreira passou a ter um ódio desenfreado por Tião e por diversas vezes, segundo relatos, já tinha prometido "dar um tiro" no vizinho. 

Nesta semana, no entanto, o desavença entre ambos teve um desfecho muito trágico. 

Um dia antes do crime, cabeças de gados da vítima teria arrebentado a cerca do vizinho e invadido as terras do autor. 

No mesmo dia, à noite, Sebastião teria avisado ao vaqueiro de Biel que gado tinha quebrado a cerca e que no dia seguinte iria consertar o estrago e resgatar os animais. 

E assim fez. No dia seguinte Sebastião de Souza, junto com um ajudante, estava recuperando a cerca, de cabeça baixa cavando um buraco, quando o agressor chegou abruptamente, disse poucas palavras, começou a socar a vítima e, em seguida, sacou um revolver e deu dois tiros na cabeça de Tião.

Imediatamente após os tiros, o assassino fugiu do local sem deixar pistas, juntamente com a arma usada no crime.

O pior de tudo e fator de muita tristeza é que ambos, vítimas e autor, eram dois adultos jovens e tinham toda a vida pela frente. 

Ontem, diversos homens da polícia estiveram na busca do acusado, mas não obtiveram exito na prisão.

Quando preso e julgado pelo Poder Judiciário, o rapaz acusado de ser o autor do homicídio pode pegar até 30 anos de prisão. 

Homicídio Qualificado?

Segundo o Código Penal (Decreto-Lei 2.848/40), o homicídio qualificado é aquele cometido em circunstâncias que tornam o crime mais grave do que já é. 

O homicídio simples, por mais que o adjetivo possa parecer impróprio, é o ato de matar uma pessoa em circunstâncias que não ampliem a magnitude desse ato extremo.

Dependendo do motivo, o homicídio simples pode até resultar em pena menor. 

Por exemplo, se o agente comete o crime "impelido por motivo de relevante valor social ou moral, ou sob o domínio de violenta emoção, logo em seguida a injusta provocação da vítima", que parece não ser o caso deste crime na Fazenda Belo Horizonte.

No caso do homicídio qualificado, algumas situações são determinantes.

Por exemplo, se o crime foi cometido "mediante paga ou promessa de recompensa, ou por outro motivo torpe".

São também motivos para qualificação do homicídio o motivo fútil; o emprego de veneno, fogo, explosivo, asfixia, tortura ou outro meio insidioso ou cruel.

A traição, a emboscada, a dissimulação ou outro recurso que dificulte ou torne impossível a defesa do ofendido são igualmente qualificantes de um homicídio.

Por fim, um homicídio é qualificado se o assassino visou assegurar a execução, a ocultação, a impunidade ou vantagem de outro crime.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.