quarta-feira, 5 de agosto de 2020

Pandemia preocupa especialistas no combate ao Acidente Vascular Cerebral; doença é a que mais mata no Brasil


De acordo com o Ministério da Saúde, o Acidente Vascular Cerebral (AVC) é a segunda maior causa de morte no Brasil. 100 mil pessoas morrem por ano vitimas da doença. 

Mesmo com a alta incidência de óbitos, durante a pandemia, houve um decréscimo no atendimento da patologia. Segundo estudo recente realizado pelo World Stroke Organization (WSO), houve queda de mais de 60% de números de atendimento.

“Neurologistas que tratam o Acidente Vascular Cerebral estão percebendo, no Brasil e no mundo, que os pacientes não têm vindo ao hospital durante a pandemia, pelo medo de contrair o vírus no ambiente hospitalar, ou têm chegado muito tarde, o que diminui a possibilidade de prevenir ou minimizar sequelas”, afirma a neurologista do Hospital Brasília Márcia Neiva. 

 Ela explica que uma pessoa com AVC tem que ser tratada o quanto antes: “Independentemente da pandemia, o tratamento é muito dependente de tempo. Ao menor sinal, a pessoa precisa ser levada a uma unidade de saúde capacitada para zerar ou diminuir as sequelas”.

A neurologista Márcia reforçou a importância de ir ao médico ao notar os primeiros sintomas. 

“Se perceber um sorriso torto, a boca desviada para algum dos lados, se o braço não levantar ou se estiver fraco, se a fala estiver inteligível, busque atendimento. O medo da pandemia não pode ser maior do que procurar um serviço de saúde hospitalar”, ressalta.

Com relação à influência do coronavírus como causador de doenças no sistema nervoso, a especialista explica que o tema ainda é alvo de pesquisas: 

 “Há indícios que pode ter ataque direito desse vírus aos tecidos nervosos ou ataque indireto na produção de anticorpos, inflamando os tecidos cerebrais, mas não temos certeza se os pacientes que são acometidos pelo coronavírus também podem ter outras doenças neurológicas”.

A médica também conta que o Hospital Brasília tem fluxos diferentes para os pacientes que chegam com sintomas gripais ou indicativos de Covid-19 e os pacientes que estão tendo AVC. “É um ambiente seguro, seguindo os protocolos de higienização”, conclui.



Hospital Brasília



Fundado em 1987, o Hospital Brasília está localizado no Lago Sul e é centro de referência de alta performance em saúde, com infraestrutura, tecnologia e equipes capacitadas para emergências, atendimentos eletivos e de alta complexidade. Possui selos de certificação desde 2004 e, em 2018, foi o primeiro hospital do Distrito Federal a receber a certificação Internacional Diamante Qmentum Global/ Metodologia Canadense. Possui também a certificação em ONA 3.

É referência no atendimento em Neurologia, Cardiologia, Onco-Hematologia e Pediatria, seguindo protocolos internacionais na área de AVC e Dor Torácica. Realiza transplantes de fígado, coração e rim e possui uma unidade de transplante de medula óssea, onde ocorrem transplantes autólogos e alogênicos. Conta com um Centro de Robótica, no qual são executadas cirurgias torácicas, oncológicas, urológicas, ginecológicas, do aparelho digestivo e de cabeça e pescoço.

O Hospital tem Pronto Atendimento 24h nas especialidades de Clínica Médica, Cirurgia Geral, Ortopedia, Pediatria, Cardiologia e Ginecologia e um dos Centros Cirúrgicos mais completos da cidade. Conta ainda com UTIs adulto e pediátrica e um moderno e completo Centro de Diagnóstico, com laboratórios, diagnóstico por imagem e abordagem intervencionista nas áreas de Neurologia, Cardiologia e Vascular.

O Hospital Brasília pertence à Rede Ímpar que possui 7 hospitais nos estados de São Paulo (Hospital Santa Paula e H9J), Rio de Janeiro (Hospital São Lucas Copacabana e Complexo Hospitalar de Niterói – CHN) e Distrito Federal (Hospital Brasília, Maternidade Brasília e Hospital Águas Claras) e que se uniu à DASA, líder em medicina diagnóstica no Brasil e GSC Integradora de Saúde.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.