quinta-feira, 6 de agosto de 2020

Bolsonaro assina MP para compra da vacina de Oxford contra Covid-19; são 100 milhões de doses


O governo assinou nesta quinta-feira uma medida provisória em que libera R$ 2 bilhões para a compra de 100 milhões de doses da vacina contra o coronavírus, que está sendo produzida pela Oxford, e conta com a parceria da farmacêutica AstraZeneca e a FioCruz no Brasil.

O presidente Jair Bolsonaro e o ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, participaram da cerimônia no Palácio do Planalto. 

Apesar das críticas, Pazuello, que não é médico, segue na pasta como gestor da crise e tem afirmado, a interlocutores, que continua enquanto o presidente quiser.

Pazuello assumiu uma estratégia de comunicação em que pretende falar mais sobre o coronavírus. Uma das razões é explicar para as pessoas sobre a importância do tratamento precoce, ir ao médico diante dos primeiros sinais de Covid-19, como febre e tosse. 

O ministro tem dito que o papel da imprensa será fundamental na conscientização da população, o que destoa do discurso antimídia de outros interlocutores de governo.

A vacina está na fase 3 de testes, a última antes do uso em escala nos seres humanos. Atualmente, no Brasil, há ao menos cinco mil voluntários que participam dos ensaios clínicos da vacina.

A expectativa do governo é de que a vacina fique pronta entre dezembro e janeiro.

Por se tratar de MP, o texto começa a valer imediatamente. 

O Congresso tem 120 dias para converter em lei. Há no parlamento propostas que levantam preocupações com a escassez da vacina caso o número de doses não seja suficiente. 

Pelo acordo, o Brasil garante a transferência de tecnologia. Mas continua a importar insumos de outros países, como a China, já que não há produção própria.

Com texto da Agência Brasil 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.