quarta-feira, 29 de julho de 2020

Reflexão do padre Joacir d’Abadia: "O silêncio que se escuta"



O silêncio é um barulho que os místicos e os ascetas conseguem escutar. 

É o som que brota do interior do ser humano que busca elevar seu espírito sem, segundo Mansur Challita, “medo de curvar-se diante do desconhecido e do sobrenatural e de conhecer a força e a beleza das aspirações elevadas que resistem às seduções da terra” .

Os Mestres da lei e os Fariseus ficaram em silêncio diante da cura que Jesus Cristo operou na vida de um hidrópico (que tem acúmulo de líquido em tecidos e cavidades do corpo): “Mas eles ficaram em silêncio... E eles não foram capazes de responder a isso” (cf. Lc 14,1-6).

Foi um silêncio que superou o preconceito da norma que escravizava um povo, por isso que “não podemos impedir a nossa mente de olhar, maravilhada, para um cego que recuperou a visão ou um paralítico que ainda, sem que nossa razão ou nosso saber possam explicar esses acontecimentos” (Mansur Challita ), necessita de uma cura. 

O silêncio espiritual serve, todavia, como purificação. “Por conseguinte, para o homem que pretende libertar-se do seu próprio "eu" é esperada uma árdua luta. 

Esta luta é entre o "eu" que pertence ao mundo com o "Eu" superior e ideal que possibilitará ao homem apresentar-se diante de Deus. 

Neste esforço, tal como declarou Jesus Cristo, o homem deverá submeter-se a si mesmo como também seus atos a um rigoroso exame. 

É necessário abandonar muitos bens mundanos para obter o tesouro celestial e submeter-se à prova do sofrimento para purificar sua vontade” (Panayiotis Christou) .

Nesta luta contra todos os ditames deste mundo barulhento, caminha o sacerdote no silêncio que se perde na superação do preconceito: “Perdia-se em Deus como um rio se perde no mar”, nos ensina o admirador do monástico São Charbel (1828-1898), Paul Daher . 

O silêncio, portanto, permite ao homem voltar-se a si mesmo descobrindo sua grandeza frente ao mistério de sua purificação. 

Padre Joacir d’Abadia é pároco em Formosa (GO)


Bibliografia

Challita, Mansur. São Charbel (1828-1898). Brasília-DF: Gráfica Charbel, p. 2.

Id. p. 01.

Christou, Panayiotis. A vida monástica na Igreja Ortodoxa. Tradução: Pe. Paulo Augusto Tamanini. https://www.ecclesia.com.br/biblioteca/monaquismo/a_vida_monastica_na_igreja_ortodoxa_oriental.html acessado dia 29 de julho de 2020 às 10h42.

Challita, Mansur. São Charbel (1828-1898). Brasília-DF: Gráfica Charbel, p. 8.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.