quinta-feira, 23 de julho de 2020

Petista, ex-governador Agnelo Queiroz é preso novamente


O ex-governador do Distrito Federal Agnelo Queiroz (PT) foi ontem (23) um dos alvos de operação realizada para investigar fraudes na Secretaria de Saúde durante a sua gestão. 

Além dele, o ex-secretário de Saúde Rafael Barbosa está entre os 13 mandados de busca e apreensão que estão sendo cumpridos pela Operação Alto Escalão, realizada pela Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), braço do MPDFT (Ministério Público do Distrito Federal e Territórios), e que tem o apoio da Polícia Civil do Distrito Federal.

As ações são um desdobramento da Operação Check-Out, que já levou Daniel Veras de Melo, ex-subsecretário de Atenção à Saúde do DF, à prisão no ano passado. 

As investigações apuram o pagamento de propina ligado à contratação de leitos hospitalares. 

Segundo o MPDFT, o dono da empresa Hospimetal pagou R$ 462 mil a pessoas que atuariam em nome de então ocupantes de cargos de alto escalão na gestão de Agnelo Queiroz, que durou do início de 2011 ao final de 2014.

A propina era relativa a 10% do valor do contrato e seria paga por meio de um contrato fictício de publicidade, firmado entre a empresa prestadora do serviço à Secretaria de Saúde e o Ibesp (Instituto Brasília para o Bem-Estar do Servidor Público), de acordo com a investigação. 

A contratação se deu no ano de 2014. Os novos fatos apurados pela Operação Alto Escalão foram revelados em depoimentos de delação premiada. 

Eles se somam às apurações anteriores da Operação Check-Out, que já teve três fases realizadas para combater fraudes na Saúde do Distrito Federal. 

Agnelo Queiroz chegou a ser preso por oito dias em 2017 em investigação sobre um esquema de corrupção na reforma do Estádio.

Com informações do Estadão

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.