segunda-feira, 27 de julho de 2020

Confusão e agressão física marca entrevista do prefeito de Taguatinga (TO) a rádio local




Uma grande confusão e até agressão física marcou uma entrevista do prefeito de Taguatinga (TO), Altamirando Zequinha, à rádio comunitária Rádio Educativa FM, situada no bairro Setor Industrial, no último sábado (25). 

O prefeito parece que não gostou de algumas perguntas dos radialistas e o caldo engrossou.

O Blog foi procurado por um dos secretários do Executivo Municipal para denunciar que, durante o programa, um dos funcionários da prefeitura tinha sido agredido fisicamente e até ferido por um dos radialistas, o sargento Laerte e apresentou fotografias dos ferimentos. 

O Blog conversou com o diretor Administrativo da emissora, Bruno Urcino Oliveira, e também com o radialista sargento Laerte. 

Segundo o diretor, na entrevista com o prefeito municipal, foram feitas várias perguntas pelos ouvintes sobre a atual gestão. Mas o prefeito se irritou com algumas delas e se retirou do estúdio.

Em seguida, disse Bruno 
Urcino, o Assessor de Comunicação da prefeitura foi até o padrão de energia elétrica da rádio e desligou a energia da emissora. 

De imediato a rádio saiu do ar.

O Diretor disse também que alguns equipamentos da emissora foram danificados e que cobrará os prejuízos judicialmente.

"Na tentativa de pegar o praticante do crime, o sargento Laerte o derrubou, oportunidade em foi acionada a Polícia Militar e feito o registro da ocorrência" contou Bruno.

"A Rádio Educativa FM cumpriu seu papel de informar a população e questionar o prefeito sobre sua gestão, fazendo se vale a liberdade de imprensa prevista na constituição federal", finalizou o diretor. 

Um áudio de uma ouvinte e sua opinião sobre o episódio também foi enviado ao Blog; ouça: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.