terça-feira, 23 de junho de 2020

Vai vendo: Advogado e ex-vereador de Dianópolis (TO), Hagahus Netto recebe auxílio emergencial e nega irregularidade: “Preencho os requisitos”


Ex-vereador de Dianópolis (TO), o advogado Hagahus Araújo e Silva Netto viu seu nome se envolver em uma polêmica na semana passada por estar na lista de beneficiários do auxílio-emergencial criado como forma de amenizar os impactos financeiros da pandemia de Covid-19. 

Em áudio divulgado nas redes, o político confirma ter recebido o benefício e se coloca dentro dos critérios estabelecidos pelo governo federal para receber os R$ 600,00 de benefício.

Preencho todos os requisitos


Em um áudio de quase 5 minutos, Hagahus Netto expõe o que seria sua condição financeira e esclarece estar dentro dos critérios para receber a bolsa. 

“Já que foi meu nome foi exposto desta forma, agora a verdade tem que ser dita. […] Eu sou profissional liberal, advogado, trabalho por conta própria, não tenho uma renda fixa. Inclusive, tem mês que recebo, que não recebo, que tenho que ir atrás do cliente para receber meus honorários. 

Tanto é verdade que preencho todos os requisitos exigidos pelo governo federal para que eu receba o auxílio emergencial”, garante.

Os critérios

Os requisitos citados pelo ex-vereador que o permite receber o auxílio emergencial está: o fato de ser um profissional liberal, não ter renda fixa, renda familiar mensal abaixo dos três salários mínimos e isento do imposto de renda. “A minha vida é um livro aberto. 

As pessoas podem falar o que quiserem, mas não tenho nada a temer. Basta ir atrás das informações que vão bater com que estou dizendo. Não tenho vergonha de dizer que utilizei deste auxílio para pagar uma conta de água, de energia”, admite.

A reportagem tentou contato com o ex-vereador e enviou mensagem, mas não obteve retorno.

Fonte e Texto: Coluna CT 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.