domingo, 7 de junho de 2020

Gravíssimo: produtores descem a Serra Geral (BA) e começam a plantar soja na cabeceira do Rio Mosquito (GO)


Ouça o áudio abaixo



Uma informação gravíssima chegou ao Blog neste domingo (7). 

Grandes plantadores de soja do Oeste da Bahia desceram a Serra Geral, que divide os estados da Bahia, Goiás e Tocantins, e agora decidiram "investir" no município de Campos Belos (GO), substituindo o cerrado por plantação de soja. 

E os plantadores de soja, na maioria gaúchos, já começaram a dar suas credenciais de apresentação. 

Segundo o advogado e também produtor rural José de Sousa Júnior, de Campos Belos, os plantadores de soja da Bahia já estão desmatando áreas do cerrado da nascente do Rio Mosquito, um dos principais rios da região. 

"Fui ontem no povoado de Pouso Alto e vi uma coisa grave. 

A cem metros da nascente do Rio Mosquito vi gaúchos, no pezinho da serra geral, desmatando para plantar soja. 

A região é bem ali do lado da comunidade de Pau Grande, onde deveria ser um parque de preservação do cerrado e das nascentes. Temos que agir rápido", diz José de Sousa Júnior. 

Esta informação é muito importante e impacta também as comunidades de Combinado (TO), Novo Alegre (TO) e Arraias (TO). O Rio Mosquito é o principal afluente do rio Palmas e credor de água doce e de qualidade para milhares de pessoas. 

É importante a ação urgente de todas as comunidades da região. Porque, senão, daqui a poucos anos aquela região vai virar uma grande área deserta da monocultura de soja, em substituição ao cerrado, à diversidade da fauna local, flora e das nascentes.  

Há necessidade de ação do Ministério Público Federal, do Tocantins e de Goias; do Ministério Público de Goiás e do Tocantins; dos órgãos ambientais dos dois estados, além das Câmaras de Vereadores e prefeitos das cidades regionais. 

As comunidades de São Domingos, Divinópolis de Goiás e Posse também devem ficar atentas a essa nova fronteira do agronegócio, que na semana passada já deu um grande prejuízo ao cerrado e à comunidade quilombola de Cavalcante (GO). 

Se os nativos dessas dezenas de cidades, que mantiveram a preservação do cerrado por anos a fio, produzindo com respeito ao meio ambiente, não agirem, será tarde demais.

E pior, a riqueza gerada não ficará nos municípios, a exemplo das mineradoras que aportaram há décadas na região. 

Há cerca de 7 anos publicamos aqui no Blog os danos causados pelos plantadores de soja da Bahia, com os canais de desvio de curso de água.

Os desvios irresponsáveis provocaram os deslizamentos de terras da Serra Geral e assoreamento de vales, rios e nascentes da Reserva Terra Ronca e do Rio Mosquito. 

Os links das matérias seguem abaixo. 

Elas são a prova do mínimo do que será aquela região daqui a poucos meses ou anos, se nada for feito imediatamente.   

Leia o que já publicamos

Tromba d'água abre cratera de 7km e põe em risco água do rio mosquito

Cinegrafista amador flagra desastre ambiental em Campos Belos (GO). Até agora nenhuma autoridade se pronunciou

Força tarefa de autoridades vai à Serra Geral verificar acidente ecológico. 

10 comentários:

  1. e muito grave esta situação,mais infelizmente nossa região e desprovida de autoridades de todas esferas.por isto vou adiantar que este rio mosquito vai ser mais um a ser condenado por falta de responsabilidade de autoridades competentes do nosso município. INFELIZMENTE

    ResponderExcluir
  2. É realmente muito triste o que está acontecendo diante dos nossos olhos, estão matando as nascentes dos nossos rios,com o desmatamento criminoso de áreas Que são vitais para os nossos rios como; o Rio Palma, o Rio Mosquito, Rio Sobrado, o Rio Ponte alta o Ribeirão é tantos outros Rios todos tem o espegiao da Serra Geral como nascentes, o mosquito é uma já das vítimas deste crime ambiental ocorrido aos 2 ou 3 anos atrás, com derramamento de lama vindo da Serra Geral, precisamos unir forças pra evitar a morte de nossos rios, porque sem eles será a morte da nossa região, parabéns O Dr.José de Souza pela denúncia e o Blog Dinomar Miranda pela divulgação da matéria que é de importância vital para todos, precisamos agir antes que seja tarde demais, precisamos unir forças pra lutar contra essas pessoas que nao tem o mínimo de consciência ambiental,procurar as nossas autoridades e cobra-los juntamente com os órgãos de fiscalização e controle, precisamos dar um basta em tudo se quisermos ter vida no futuro a curtíssimo prazo.

    ResponderExcluir
  3. Já mataram o Rio Bezerra e agora querem acabar com o rio Mosquito? Inaceitável isso, medidas precisam ser tomadas para que que embarguem isso.

    ResponderExcluir
  4. Quanto saudosismo. Moro em Luís Eduardo magalhaes. E aqui, respiro o reflexo do agronegócio. Sei o quanto benefícios trazem. Que estes heróis consigam sucesso desbravando o corredor da miséria, e que tornem uma região tão próspera quanto o Oeste Baiano. Né atoa que Posse é a cidade mais rica dessa região aí, pois lá tem o reflexo do Agro correndo nas veias da economia do municipio.

    ResponderExcluir
  5. TEM PRE-CANDIDATO LIGADO AO AGRONEGÓCIO, APANIGUADO DO PAULO TRABALHO DE POSSE-GO, ESTAMOS DE OLHO, NÃO VAMOS DEIXAR PASSAR BOIADA, COMO DESEJA O IDIOTA DO MEIO AMBIENTE.

    ATT EDIJALDO

    ResponderExcluir
  6. TODO ANÔNIMO É UM COVARDE
    "NEM SÓ DE SOJA VIVE O HOMEM"
    ATT EDIJALDO

    ResponderExcluir
  7. Quem ver essas pessoas com mimimi até pensa que são ecologicamente corretas. Maioria das pessoas quer justificar seu fracasso no sucesso de outras pessoas.

    ResponderExcluir
  8. O que faz secar as nascentes é não conservar as áreas de APP. Quem menos respeita são os pequenos pecuaristas. A mudança parte daí.

    ResponderExcluir
  9. Gostaria de falar pra esse anônimo, que nao somos contra o agronegócio, muito pelo contrário precisamos do agronegócio mais de forma sustentável sem atingir as nascentes dos nossos rios que são vitais para a manutenção da vida de nossos rios, tem milhões de hectares na Bahia em Goiás e Tocantins pra serem explorado, porque tem que ser em áreas de preservação, precisamos denunciar urgente.
    GEOVANE TAVARES

    ResponderExcluir
  10. Ex.mo Sr. Geovane Tavares,


    De acordo com a Lei Florestal 4.771/65, areas de proteção devem ser de acordo com a largura do leito do rio, portanto essa sendo uma nascente, a margem de proteção pode ser de no mínimo 50 mts.

    Pelo que li, eles preservaram 100 mts. Então estão livres para meter o correntão e abrir mais 50 mts pro lado da nascente, e dar vida a essa terra... E é só o começo, tá ok?

    Estão aptos a explorar rios da região para irrigar grandes pivots de soja, e afins! Tomara que o progresso chegue por aí. Forte abraço amigão!

    At.te, Anônimo.

    ResponderExcluir

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.