terça-feira, 23 de junho de 2020

Covid-19: estariam os municípios preparados para ações adequadas visando preservação de vidas?



Por Jefferson Victor,

Quando a pandemia iniciou, o mundo conhecia muito pouco sobre a Covid-19. 

Em função disto, tudo que se utilizou até agora tem sido em caráter experimental, não existe nenhum tratamento eficaz que possa inibir seu avanço, prova disto é que o número de contaminados continua crescente e não se tem uma projeção segura de quando este cenário vai mudar.

Alguns países conseguiram um maior controle através de medidas paliativas, como isolamento social e outros métodos de controle, como foi o caso da China e parte da Europa, mas há sempre o risco de uma nova onda de disseminação da doença.

Os EUA e Brasil tiveram um comportamento diferente do resto do mundo e com isto são os dois países com maior número de casos.

O Brasil é o principal epicentro da doença, e as ações do Ministério da Saúde contribuíram para o agravamento da situação. A substituição de ministros e a interinidade de um general sem conhecimento técnico, que se tornou apenas um porta voz de ideias insanas sem nenhuma credibilidade cientifica.

Diante dessas incertezas, o STF determinou que estados e municípios pudessem tomar medidas unilaterais, as quais são muitas vezes contrárias ás recomendações do confuso Ministério da Saúde, principalmente no tocante a flexibilização de medidas de isolamento, e priorização ou não dos serviços essenciais.

Em Goiás por exemplo, o governador tomou medidas drásticas com relação ao funcionamento do comércio, foi um remédio amargo, mas manteve o estado por semanas com menores índices de contaminação.

Em função das medidas judiciais, municípios passaram a editar decretos muitas vezes divergentes das recomendações das Secretarias Estaduais de saúde, o que culminou com o crescimento demasiado de pessoas infectadas.

O que se questiona no momento é se esses municípios têm equipes médicas com conhecimento e autonomia suficientes para traçarem essas diretrizes que envolvem viver ou morrer.

Muitas dessas localidades não possuem sequer um hospital, e os administradores tomam decisões perigosas sem nenhum embasamento técnico.

Muitos prefeitos, em função do ano político, estão tomando medidas que em sua essência agradam empresários e buscam a manutenção dos postos de trabalho, sobrepondo tais aspectos à preservação da vida.

É certo e notório que o essencial seria dosar tais seguimentos pra que houvesse um equilíbrio nas decisões, mas na impossibilidade de tal fato, a vida deve ser priorizada.

Há de se levar em conta que economia tem seus altos e baixos, se morre um CNPJ mais adiante pode ser ressuscitado ou recriado, e um CPF quando morre é pra sempre.

A sobrevivência de cada um está na mão desses administradores, e decisões erradas estão custando vidas humanas, por isso as ações deveriam partir dos estados, eles são melhores aparelhados e possuem equipes afinadas com as determinações da OMS.

Os estados Têm melhor equidade , e assim todos os municípios seguiriam o mesmo princípio, sem divergências e intervenções políticas, diminuindo-se assim o risco de decisões equivocadas que coloquem vidas em risco, cada uma é única.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.