quinta-feira, 28 de maio de 2020

Venho dizendo isso desde janeiro: Risco de morrer por Covid-19 é maior em cidades pobres


A chance de morrer por Covid-19 em um município com baixo ou médio Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), indicador de longevidade, educação e renda dos brasileiros, é quase o dobro do que em uma cidade com o IDH alto, como é o nordeste de Goiás e o sudeste do Tocantins.  

Esta é uma das conclusões de uma nota técnica divulgada nesta quarta-feira (27) pelo Núcleo de Operações e Inteligência em Saúde (NOIS), que envolve pesquisadores da PUC-Rio, Laboratório de Medicina Intensiva da Fiocruz e Instituto D'or de Pesquisa e Ensino.

Cá para nós, nem precisa de pesquisa.

Nos municípios de IDH baixo, 61,69% dos registros de Covid-19 foram de óbito. 

Nos de nível médio, 51,49%. Já nos municípios mais ricos, os óbitos por esta doença representam 32,9% do total do universo da pesquisa."A taxa de letalidade do Brasil é muito elevada, influenciada pelas desigualdades no acesso ao tratamento", aponta a pesquisa.

Dados do painel do Ministério da Saúde atualizados nesta quarta-feira apontam que a mortalidade por 100 mil habitantes do coronavírus é mais alta nas regiões norte (27,3) do país, com destaque para o estado do Pará (29,6), um dos que têm o menor IDH no Brasil.

A análise considerou 157.268 notificações de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) de 2020, dos quais 43.906 são casos confirmados de Covid-19. 

Destes, foram considerados somente os casos encerrados, ou seja, que já tiveram desfecho: 

óbito ou recuperação (alta), resultando em uma amostra de 29.933 casos. 

O documento também aponta que a porcentagem de pretos e pardos que morreram por Covid-19 (54,78%) foi maior do que de brancos (37,93%). Segundo os pesquisadores, essa divisão por raça se mantém mesmo quando analisas as diferentes faixas etárias. 

Somente na faixa dos 90 anos é que os valores se aproximam.

Já em relação à escolaridade do paciente, pessoas com nível superior apresentaram menor proporção de óbitos por Covid-19 (22,55%) do que os sem escolaridade (71,3%). 

"Este efeito pode ser resultado de diferenças de renda, que geram disparidades no acesso aos serviços básicos sanitários e de saúde", apontam os pesquisadores.

Outro achado é que pretos e pardos sem escolaridade mostraram uma proporção 4 vezes maior de morte por Covid-19 do que brancos com nível superior (80,35% contra 19,65%). 

Os pesquisadores admitem que o estudo tem limitações, já que as notificações de SRAG confirmadas para Covid-19 não representam o total de casos confirmados do país. 

Também apontam que nem todos os registros da doença possuem informações sobre raça e escolaridade. 

"Estes resultados levantam uma série de indagações que podem vir a explicar essas diferenças, tais como diferenças de pirâmide etária, distribuição geográfica e desigualdades sociais, que afetam diretamente o acesso aos serviços de saúde e, consequentemente, os desfechos das internações."

Para não esquecer: 

Só hoje, quinta-feira (28), foram mais 347 mortos; 

25.975 mortos desde março; 

São mais 419 mil casos confirmados em todo o país, de forma oficial; 

A expectativa,porque o governo não consegue fazer exames, é que i Brasil tem 7 x mais o números de casos. Ou seja, mais de 2 milhões de contaminados seria o número exato.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.