terça-feira, 26 de maio de 2020

Áudios reveladores: parente de enfermeiro diz que ele participou de uma "peixada" em Aurora do Tocantins


Quando este Blog publicou a primeira matéria sobre o caso de Covid-19 em Aurora, também teve como fonte os áudios a seguir publicados. 

Na oportunidade, os áudios não foram a público para evitar a identificação do enfermeiro e também expor mais pessoas neste drama terrível, que abate a todos, sem classe, profissão ou faixa etária. 

Mas devido aos ataques feitos, atabalhoadamente, pelo enfermeiro, optei em publicá-los para o blog não perder credibilidade e continuar a ser ainda mais depreciado. 

No primeiro áudio, um parente do enfermeiro conta que o profissional, lotado em Campos Belos, teria participado uma confraternização em Aurora do Tocantins, não de uma "galinhada" como já rodava em algumas conversas, mas de um “peixe”. 

No segundo, o mesmo parente informa detalhadamente que, ao menos, seis pessoas da família participaram da peixada e cita também que no fim de semana o enfermeiro perambulou por toda a cidade, inclusive em bares com amigos. 

Na mesma linha, o parente dá uma “lição de moral” contra quem quebra os protocolos de isolamento e, bem informado, cita o ex-ministro Mandetta, que já tinha adiantado que dezenas de milhares de brasileiros iriam morrer por conta da pandemia. 

Por último, um áudio em que o próprio enfermeiro que atacou este jornalista em vídeo confessa sua situação de contaminado pela Covid-19 e orienta amigos, com quem tivera contato no fim de semana, a se proteger. Ainda há outros áudios. 

Ouça...



Contaminados com Covid-19 participaram de um peixada. 




Parente do enfermeiro cita os nomes de quem estava na peixada e dá lição de moral em quem quebra o isolamento 



Em áudio, enfermeiro diz que tem Covid-19 e orienta amigos a fazer os exames  


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.