sábado, 16 de maio de 2020

Em plena pandemia da Covid-19, prefeito de Taguatinga (TO) demite duas enfermeiras por questões puramente política






Em plena crise da pandemia mundial da Covid-19, o prefeito de Taguatinga (TO), sudeste do estado, Altamirando Zequinha, resolveu demitir duas enfermeiras lotadas na rede municipal de saúde.

Lorena de Oliveira e Fabíola de Oliveira foram exoneradas justamente no dia 12 de maio, Dia do Enfermeiro.

O verdadeiro presente de grego pegou as duas servidoras de surpresa. 

Pior que a demissão não foi por qualquer tipo de ato diretamente ligado ao trabalho das profissionais.

Ambas são filhas de uma pré-candidata a prefeita de Taguatinga. 

A mãe recentemente teria deixado o grupo político do atual prefeito; tornou-se forte concorrente forte e quem "pagou o pato" foram as duas enfermeiras, e, por tabela, a própria comunidade que perde mais duas profissionais da linha de frente da prevenção e de combate à Covid-19.

O município de Taguatinga ainda não registrou nenhum caso confirma. 

Mas está próxima à cidade de Aurora do Tocantins, que registrou dois casos, de Luiz Eduardo Magalhães (BA), uma das maiores cidades do Oeste baiano.

"O prefeito me chamou para uma conversa, elogiou nosso trabalho, disse que durante o período em que trabalhamos, nunca recebeu uma pequena reclamação sobre nosso serviço, que pelo contrário, que já recebeu vários elogios, mas que esse ano é o ano da "onça beber água ", e como não fazemos parte do seu grupo político, estava recebendo muita pressão de um vereador", disse Fabíola de Oliveira.

Entra década e sai década, ainda impera a perseguição política nos rincões desse "Brasilzão de Meu Deus".

Um comentário:

  1. E por esse motivo que ele nunca mais vai ganhar nenhuma política em Taguatinga, acabou prefeito seu dia de sair da prefeitura está próximo.

    ResponderExcluir

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.