segunda-feira, 27 de abril de 2020

Luiz Eduardo, ex-juiz de Campos Belos (GO) é promovido a desembargador

Luiz Eduardo, à esquerda
Será realizada no próximo dia 30 de abril, de forma virtual, a sessão solene de posse dos novos dirigentes do Tribunal Regional Eleitoral, às 10 horas, com transmissão pelo canal do TRE-GO no YouTube. 

No cargo de presidente assumirá o desembargador Leandro Crispim e, como vice-presidente e corregedor regional eleitoral, o desembargador Luiz Eduardo de Sousa. 

A solenidade de posse será eletrônica, considerando as medidas preventivas aplicadas pelas autoridades públicas de saúde para evitar a propagação da pandemia do coronavírus.

Os desembargadores Leandro Crispim e Luiz Eduardo de Sousa foram eleitos, respectivamente, à presidência e vice-presidência (cumulado com o cargo de corregedor regional eleitoral) do TRE-GO para o biênio 2020/2022 após serem escolhidos pelo Órgão Especial do TJGO como os novos dirigentes daquela Corte Eleitoral. 

As definições aconteceram em sessões realizadas em fevereiro.

Perfil

Leandro Crispim é natural de Goiatuba-GO. Formou-se pela Universidade Católica do Estado de Goiás e é pós-graduado em Direito Penal e Processual Penal e em Direito Público. 

Trabalhou como serventuário da Justiça. Ingressou na magistratura em 1988, atuando nas comarcas de Uruana, Crixás, Anápolis e Goiânia. Foi juiz eleitoral em todas as comarcas nas quais passou. Assumiu o cargo de desembargador do TJGO em 2007.

Luiz Eduardo de Sousa nasceu em Araguari-MG e é formado em Direito pela Faculdade Anhanguera de Ciências Humanas. Entrou para a magistratura em 1981, atuando nas comarcas de Campos Belos de Goiás, Crixás, Cidade de Goiás e Goiânia. 

Foi juiz corregedor substituto. 

Assumiu o cargo de desembargador em 2005 e já atuou como Ouvidor do Poder Judiciário.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.