sexta-feira, 28 de fevereiro de 2020

Primeiro exame no atleta de Formosa testa negativo para o 'Corona Vírus', contraprova sairá em 48 horas


O primeiro exame realizado na noite de quinta-feira (27), no HDT (Hospital de Doenças Tropicais), em Goiânia, testou negativo para a presença do Corona Vírus, segundo o secretário de saúde de Formosa, Breno Miranda.

O atleta de 35 anos, Guilherme Braga, que foi vice-campeão de Kickboxing em sua categoria no torneio realizado na Croácia em fevereiro, foi isolado no Hospital Municipal de Formosa, com a suspeita de que poderia ter contraído o vírus. 

Ele fez uma escala na Alemanha, país que concentra mais de 27 casos da doença, sendo o segundo com maior número de contaminações pelo vírus na Europa, atrás somente da Itália que registra 453 casos.

Durante entrevista realizada nos estúdios da Terra FM de Formosa, o secretário de saúde Breno Miranda tranquilizou a população, ao afirmar que a primeira amostragem realizada no HDT em Goiânia testou negativo. 

Com isso, o atleta, apesar de ainda assintomático, recebeu alta e retornou para sua casa, em Formosa (GO).

No entanto, foi realizado uma contraprova do exame, que segundo o secretário deverá sair em 48 horas.

Somente após a contraprova, poderá ser totalmente descartado a presença do vírus no atleta. 

Ainda segundo o secretário Breno Miranda, o atleta receberá o resultado exame de forma confidencial, em seu telefone, seguindo à conduta do Ministério da Saúde.

Competição

O atleta que está sem patrocinador master, acabou sendo conhecido a nível estadual, pela suspeita do vírus, no entanto, Guilherme Braga está realizando uma 'vaquinha online', para custear sua ida até à Turquia, onde competirá em outro torneio de Kickboxing no mês de abril, para ajudá-lo com qualquer quantia entre no link.

Com informações de Elias Lopes e Terra FM

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.