quinta-feira, 27 de fevereiro de 2020

Inimizade mortal: advogado é preso suspeito de mandar matar colega de profissão em Aruanã (GO)


O advogado Adelúcio Lima Melo foi apresentado nesta quinta-feira (27/2) na Delegacia Estadual de Investigação de Homicídios (DIH) como principal suspeito de mandar matar o também advogado Hans Brasiel Chaves, de 31 anos, em Aruanã (GO).


Conforme as investigações sobre a morte de Hans, a polícia constatou que os dois advogados tinham uma rixa antiga, pela disputa de clientes na cidade onde o crime ocorreu. 

Dessa briga entre o mandante e a vítima, já tinha sido registrada uma tentativa de homicídio contra o mesmo Hans Brasie, em 2018, e Adelúcio Lima foi indiciado na época pelo crime. Em depoimento, o suspeito negou ter encomendado o assassinato de Hans.

Conforme o delegado titular da DIH, Rilmo Brago, as informações levantadas dão conta de que vítima e o mandante seriam advogados inimigos no município. 

O delegado afirmou durante a coletiva na manhã de hoje, que os depoimentos colhidos no curo das investigações mostram rixas de contas passadas, intrigas e desavenças entre Adelúcio e Hans.

O advogado Hans Brasiel, de 31 anos, foi morto no último dia 6 de fevereiro, dentro de seu escritório em Aruanã. Dois homens invadiram o local no dia do crime e efetuaram três disparos que atingiram Hans, que chegou a ser socorrido, mas não resistiu aos ferimentos.

Os suspeitos fugiram logo após o crime, mas um dia depois do assassinato,  um homem foi preso e um menor apreendido suspeitos de terem cometido o assassinato. 

Em depoimento à polícia, o homem afirmou que a morte foi encomendada e que iria receber R$ 7 mil pelo trabalho e chamou o menor para participar do ilícito.

Durante as investigações a polícia conseguiu identificar o suspeito de ser o mandante do crime, e efetuar a prisão de Adelúcio na última quarta-feira (26).

Com informações do G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.