segunda-feira, 30 de dezembro de 2019

Todos podemos: um general negro no Exército





Filho de um pedreiro e de uma empregada doméstica, André Luiz Aguiar Ribeiro atingiu o generalato.

Agora, o pequeno garoto negro, que ingressou na Academia Militar das Agulhas Negras, na década de 80, por muita luta sua e de seus pais, virou general de brigada André Luiz Aguiar Ribeiro.



Sem cotas e favorecimentos. Quem conhece o general, reconhece logo a sua competência, inteligência e apreço pelas pessoas, além claro do seu alto conhecimento da vida militar e de defesa.

Breve curriculum: fez o 
ensino-fundamental pela Escola Municipal Jaime Costa(1988) e o ensino-médio pela Escola Preparatória de Cadetes do Exército(1985). 

Graduou-se no Curso de Formação de Oficiais do Exército pela Academia Militar das Agulhas Negras(1989) e por último fez o curso de Comando e Estado - Maior do Exército, além da ampla experiência na área de Defesa.

Parabéns, General!


8 comentários:

  1. É Com muito orgulho e respeito ao General Ribeiro, onde tive o prazer de servir com o mesmo,ele como capitão e eu como soldado na terceira compania de fuzileiros(pantera) do Regimento Avaí(Dois de Ouro),onde foi realizada a minha formação de soldado do exército brasileiro com muita determinação e vibração no comando na época do saudoso Capitão Ribeiro,desde de já lhe agradeço por tudo que sou hoje,felicidades comandante o senhor merece muito! BRASIL ACIMA DE TUDO E DEUS ACIMA DE TODOS!

    ResponderExcluir
  2. Então amigo, isto no Brasil, é como na F 1. O L Hamilton. Lembro-me que em 1973, passei na Marinha; porém por ser negro, colocará um filho de braço no meu lugar. Se na época tivesse internet, ou se minha mãe não fosse analfabeta, poderia ter uma outra sorte.

    ResponderExcluir
  3. Percepção II: Em 1977 cheio de esperança ingressei no exército com planos de ser como meu tio "Zeca", que se soldado, saiu como 3o Sgt; sendo minha inspiração. No entanto; eu almejava muito mais; tinha em mente chegar a Agulhas Negra. Mas para minha decepção, fui compelido ao afastamento de minhas funções sem motivação. Não foi me dado nenhuma explicação. Me senti um cão enchotado!

    ResponderExcluir
  4. Parabéns a esse grande homem ....

    ResponderExcluir
  5. A cor não faz o homem, mas a dignidade SIM Parabéns grande GENERAL.Viva o Brasil

    ResponderExcluir
  6. O primeiro General Negro promovido no Brasil foi em 1955 e o segundo em 1999 (Governo FHC), segundo a Folha de São Paulo. Deve ter alguma coisa errada aí, pois demorou 133 anos (desde a independência) para o primeiro generalato para um negro e depois mais 44 anos para o segundo...

    ResponderExcluir
  7. É óbvio que negros tiveram dificuldade de ingressarem em escolas militares, não porque eram negros, mas porque sua pobreza não facilitava a aquisição de conhecimento. Alguns poucos, com esforço hercúleo (esforço que não era exigido dos brancos) ingressavam nessas escolas e seguiam a carreira. Parabéns ao esforço do Gen. André Ribeiro. Defendo o regime de cotas como compensação pela nossa péssima distribuição de riqueza (isto serve para qualquer raça) o capitalismo brasileiro sempre foi cruel (o dos EEUU, dizem, dá oportunidade à todos e, ainda assim, os campeões do capitalismo criaram lá o regime de cotas) Agora quando o criamos aqui, o regime de cotas, em um ambiente onde os capitalistas são primitivos e predadores da própria nação que os alberga, há os que defendem que o regime de cotas é contrário ao regime de mérito. Os negros foram libertados em 1888 e não conseguiram um palmo de terra, transfomaram-se, de um dia para o outro, a grande maioria, em assalariados pobres, extorquidos pelos patrões (acostumados à escravidão), em uma época que não existia CLT. Preferiu-se, especialmente no sul, dar terras à brancos imigrantes que aos negros...passados 132 anos da Abolição, pretos, mulatos, pardos ainda sofrem com a falta de igualdade na educação básica o que lhes fecha o caminho para o ensino técnico e superior, como não compensar isto?

    ResponderExcluir
  8. "Sem cotas..."
    Por acaso existe sistema de cotas nas ffaa?
    E se fosse realmente por mérito, só ele que teve o "mérito" de ser promovido? Quantos outros negros foram promovidos a general?
    O fato é tão relevante PELO FATO DE ELE SER NEGRO que você mesmo evidencia essa condição, embora tente negar em seu texto.
    Hipocrisia aqui é mato verde-oliva!

    ResponderExcluir

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.