quinta-feira, 23 de abril de 2015

Caso Kalungas: Juiz emite ordens para apurar abusos a menores em Cavalcante (GO). Há 31 processos sobre abuso sexual, em andamento


O juiz Lucas Mendonça Lagares, da comarca de Cavalcante, emitiu 27 ordens judiciais referentes a apuração de casos de estupros contra menores de idade na cidade. 

O município recebeu na última segunda-feira (20) membros da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados, que investigam abusos cometidos contra crianças e adolescentes kalungas, que são descendentes de quilombolas e vivem no local.

Um levantamento completo, pedido pelo magistrado Escrivania Criminal e de Fazendas Públicas, encontrou 31 processos de violência sexual contra crianças e adolescentes.

Nestes casos, Lagares emitiu despachos como designação de audiências, mandados de prisão, devolução de cartas precatórias, oficiar autoridade policial para informar sobre inquérito e captura de foragidos envolvidos nos casos.

Além disso, ocorreu ainda uma reunião com o Conselho Tutelar e os secretários municipais de Turismo, Assistência Social e Educação para traçar planos de combate a estes tipos de crime.

Entre as alternativas, foram discutidas a criação de um Conselho Municipal de Direitos Humanos, a contratação da contratação de um psicólogo para atuar na ajuda às vítimas e a criação de um cadastro de famílias para acolher temporariamente às crianças. 

Os posicionamentos serão repassados à prefeitura da cidade.

Uma nova reunião está prevista para ocorrer no próximo dia 29 para fazer um balanço das soluções tomadas.

A comunidade Kalunga que vive em Cavalcante é uma das maiores do Brasil. 

O grupo ocupa uma área de 260 mil hectares, nas proximidades da Chapada dos Veadeiros, onde moram aproximadamente 8 mil quilombolas. 

Carentes, muitas crianças e adolescentes precisam trabalhar em troca de alimentação e estudos.

Kalungas


Desde janeiro, a Polícia Civil já concluiu dez inquéritos de estupro de meninas kalunga com até 14 anos. 

Um deles indiciou o vereador Jorge Cheim (PSD), de 62 anos, em fevereiro passado, por estupro de uma criança de 12 anos.

Procurado na última segunda-feira, o vereador não foi localizado pela reportagem.

O delegado responsável pelo caso, Diogo Luiz Barreira, explicou ao G1 que o vereador Jorge Cheim começou a ser investigado em novembro de 2014, depois que uma criança de 12 anos denunciou que foi estuprada na fazenda do parlamentar. 

“Ele acordou à noite, amarrou a menina na cama e abusou dela”, disse. Após o crime, a criança procurou o Conselho Tutelar e denunciou o político.

Conforme o delegado, a menina morava com a família de Cheim na cidade e estava com eles a passeio na propriedade rural. Eles eram a família substituta da garota desde que os pais perderam a guarda. 

O delegado não soube informar o motivo e nem quando a menina se mudou do povoado Vão do Moleque, onde vivia, para a casa do suspeito.

De acordo o depoimento da vítima à polícia, houve só um episódio de abuso. Depois do crime, ela pediu para se mudar para a casa de tios, que também moram em Cavalcante. 

Além do depoimento da vítima, o delegado informou que o laudo do Instituto Médico Legal (IML) comprovaram que a menina foi vítima de abuso.

Barreira ressaltou, ainda, que os outros investigados pelos casos de abuso sexual são moradores da cidade.

Fonte: G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.