domingo, 2 de fevereiro de 2020

Família de Combinado (TO) já não sabe mais o que fazer com a BRK. Conta de água não sai dos R$ 400, mesmo arrancando encanação




Uma família da cidade de Combinado, sudeste do Tocantins, está uma "arara" com a empresa BRK, concessionária de água e esgoto do estado.

Dona Regina Dias de Moraes Evangelista, já uma senhora, já não sabe mais o que fazer e a quem recorrer para parar de dar dinheiro sem sentido à empresa.

Todo mês a conta dela chega por volta de R$ 400,00. 


Um absurdo de alta, ainda mais para uma família de baixa renda e que faz muito economia de água.

Dinomar Miranda, preciso de ajudar sua. 
Isso é um abuso dos mais horrorosos. Há quase um ano que ela paga água nesse valor de R$ 400,00. Já trocou toda encanação, já pediu revisão da conta, já pediu a troca de relógio e nada", diz um familiar de Dona Regina Dias.

A empesa sempre usa o argumento que a bronca está no registro da casa e dele para para dentro do imóvel. 

 "Já trocamos toda a encanação (veja no vídeo) e continua relógio rodando mesmo com tudo desligado", diz ela.

A situação é tão grave, que Dona Regina Dias já apresenta sinais de depressão, por está muitíssimo preocupada e não conseguir resolver uma situação que parece das mais simples, mas para ela tem se tornado um tormento sem fim e fonte de esgotamento de seus parcos recursos.

Pedimos encarecidamente à gerência da BRK em Combinado (TO) que resolva essa bronca. 

Senão começaremos a soltar algumas palavras mais forte, a começar por "incompetência".

Veja os vídeos e confirme a situação de Dona Regina Dias.






Um comentário:

  1. É simples e fácil de resolver,vai até uma promotoria mais próximo que tudo se resolve rapidinho quando o MP notifica-los à dar esclarecimentos do por que se o cliente já tomou tadas as providências e nada se resolve.

    ResponderExcluir

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.