sexta-feira, 14 de fevereiro de 2020

Cachoeira Santa Bárbara: a mais bonita da Chapada dos Veadeiros






Por Emerson Cesar, 

Cachoeira Santa Bárbara, localizada no município de Cavalcante/GO, na comunidade quilombola Kalunga, é o cartão-postal da Chapada dos Veadeiros.

Com águas cristalinas, em tons de azul e verde, essa é, sem dúvida, a mais bonita da região.

São 28 metros de queda d’água e uma incrível piscina natural de 3 metros de profundidade.

Para quem não sabe, os Kalungas (ou Calungas) são os descendentes de escravos fugidos ou libertos das minas de ouro que se fixaram na Chapada dos Veadeiros.

Eles formaram comunidades autossuficientes nos municípios de Cavalcante, Teresina de Goiás, Monte Alegre de Goiás, Arraias e Paranã.

Toda essa área foi reconhecida oficialmente pelo governo de Goiás como Sítio Histórico e Patrimônio Cultural Kalunga.

A Cachoeira é administrada pela Associação Kalunga Comunitária Engenho II, no povoado Engenho II, onde atualmente residem 120 famílias, cuja principal fonte de renda é a exploração do ecoturismo.

Neste artigo, falamos tudo o que você precisa saber para visitar a Cachoeira Santa Bárbara: como chegar, como comprar os ingressos, quais são os preços, o roteiro do passeio, os pontos positivos e negativos e as dicas essenciais para uma visitação tranquila e proveitosa. Confira!


Comprando os Ingressos

Os ingressos para visitar a Cachoeira Santa Bárbara são limitados a 300 por dia, sendo 200 para compra no local e 100 para compra pela internet. 

Para comprar no local, você deve chegar à Comunidade Quilombola, no máximo, às 7hs da manhã (o local é longe Alto Paraíso de Goiás).

Mesmo assim, você corre o risco de não conseguir a sua vaga. De fato, os ingressos esgotam-se rapidamente.

Conta-se que um grupo de aventureiros chegou a acampar ao lado da Cachoeira para conseguir chegar cedo ao local. Dormiram além da conta e, quando chegaram à sede da comunidade, já não havia mais vagas para o dia.

É essencial, portanto, que você faça as suas reservas pela Internet. Você pode utilizar o site www.ecobooking.com.br. No formulário à direita da página, selecione o Estado de Goiás e o município de Cavalcante e clique em “Pressione Aqui para Encontrar”.

Vão aparecer várias opções de Cachoeira, sendo a primeira a Cachoeira Santa Bárbara, clique nessa opção e vai aparecer uma tela com várias informações a respeito da atração: como chegar, regras de cancelamento e a obrigatoriedade de contratar um guia Kalunga. 

A partir daí, você pode verificar a disponibilidade de vaga nos dias desejados.

Para obter seu voucher, preencha um formulário com seus dados pessoais e, caso tenha algum guia Kalunga preferido, selecione-o na lista própria. Caso contrário, você poderá contratar um na hora.

O ingresso custa R$ 25,00 por pessoa e você pode pagar com cartões de crédito de várias bandeiras.

Neste mesmo site, você pode comprar os ingressos para as cachoeiras Candaru e Capivara, que custam R$ 15,00 cada.




Como chegar à Cachoeira Santa Bárbara?

Partindo de Alto Paraíso de Goiás/GO, você deve pegar a estrada GO-118/BR-110, sentido Teresina de Goiás/GO. Não tem erro! Se você chegou de Brasília em Alto Paraíso, é só continuar na mesma estrada por 68 km.

Ao chegar em Teresina de Goiás, você vai virar à esquerda e pegar a GO-241 sentido Cavalcante/GO. Também é difícil se perder. Chegando nesse povoado, passando uma rotatória, pegue a primeira a esquerda e continue por 22 km.

Em Cavalcante, você irá atravessar a cidade e continuar na GO-241. Entre em Cavalcante pela Rua Um; vire à direita na Av. Tiradentes (a principal da cidade); à esquerda na Rua Elias Jorge (4ª. rua à esquerda); e, por fim, à direita na Rua Dezoito (segunda à direita).

A partir daí, você pegará um trecho não pavimentado por 21 km. No caminho, não deixe de fazer uma parada no Mirante da Nova Aurora para apreciar a belíssima paisagem da Chapada.

Numa bifurcação, pegue à direita e continue por 6km até o Povoado Kalunga do Engenho II.

Fica a dica: se você for utilizar o Waze ou o Google Maps, lembre-se de “carregar” o trajeto, antecipadamente no aplicativo. Em vários pontos do percurso, você não consegue pegar a internet 3G/4G.

Como foi nossa experiência?Chegando ao povoado Kalunga, estacionamos o carro e procuramos o Centro de Atendimento ao Turismo (CAT). 

Por lá, apresentamos nosso voucher no guiché e contratamos uma guia, que nos acompanhou durante todo a nossa estadia na Comunidade Quilombola. Era hora de seguir para a famosa Cachoeira.

De início, ela perguntou se nós gostaríamos de almoçar na volta. Caso quiséssemos, deveríamos fazer uma reserva com antecedência. Como pensamos em voltar logo para Alto Paraíso de Goiás, decidimos não almoçar na comunidade. 

 A propósito, muitos visitantes elogiam a qualidade da comida local.

Do CAT, seguimos para um barracão, onde aguardamos em torno de um hora. Aparentemente, apenas 50 visitantes podem ir para a trilha por hora.

Há duas opções para chegar ao início da trilha: a pé, caminhando por 5 km, ou de veículo, chamado de “pau-de-arara”. 

Para ir de veículo, cada um deve pagar R$ 5 por trecho.Começamos, então, uma trilha de aprox. 2km de nível moderado. 

É importante manter-se nas trilhas e tomar cuidado para, em determinados trechos, não escorregar.Nesse momento, a trilha fica estreita, mas já estamos próximos à Cachoeira Santa Bárbara.

Enfim, chegamos à belíssima cachoeira de águas cristalinas de tom azulado. Deixamos nossas coisas e fomos mergulhar. 

Coloquei a minha máscara e peguei a minha GoPro. Uau!ava para enxergar tudo. 

A cachoeira é funda. Após aquela caminhada, não havia algo de mais refrescante. É possível subir nas pedras e se deliciar com a cachoeira.

Infelizmente, só podíamos ficar por lá durante 1h. Um monitor ficava controlando os horários de chegada e de saída.

A volta é feita por outro caminho: por uma trilha pela parte mais alta da mata que, à frente, se une à trilha original. Pegamos novamente o pau-de-arara para voltar à sede do povoado pagando R$ 5 por pessoa.

Pagamos a nossa guia (R$ 100,00) e nos despedimos.

Sinceramente, ela não agregou muito à nossa experiência. De informação útil, ela apenas indicou onde poderia estar chovendo e que, naquele momento, não haveria risco de tromba d’água na Cachoeira Santa Bárbara. 

Nada de explicações sobre a comunidade, sobre a sua história ou sobre a natureza. Em síntese, só foi uma companhia.

Numa loja de produtos feitos pela comunidade, compramos um doce de leite e umas cascas de laranja com gengibre, mas não valeram muito à pena.

Na volta, a fome bateu e acabamos parando para almoçar no centro de Cavalcante/GO. 

Foi no Restaurante da Rosa, que fica numa esquina na Av. Tiradentes. A refeição custa R$ 30 por pessoa com opções de carne, frango e peixe. A comida é bem servida, com vários acompanhamentos, mas a qualidade é só ok.

Quanto custa visitar a Cachoeira Santa Bárbara?

Como você pode ter percebido, não é barato visitar a Cachoeira Santa Bárbara.

Além dos gastos de transporte, você deverá desembolsar:

R$ 25,00 pelo ingresso por pessoa para a Cachoeira Santa Bárbara. Caso queira visitar as cachoeiras Candaru e Capivara, deverá pagar R$ 15 por cada.

R$ 100,00 pelo guia da comunidade para até 6 pessoas por 2 atrações. Para 3 atrações, o preço é de R$ 150,00.

R$ 10,00 de transporte de pau-de-arara (ida e volta até a trilha).

O pagamento do transporte e do guia deve ser feito em dinheiro. 

O ingresso pode ser comprado com cartão de crédito no site.




Vale a pena visitar a Cachoeira Santa Bárbara?

Após contar nossa experiência, você pode se questionar se vale a pena visitar a cachoeira. A maior parte das avaliações que você vai encontrar na internet diz que sim, mas essa não é a nossa opinião. Vamos ponderar os pontos positivos e negativos.

Pontos Positivos:

A cachoeira é muito bonita e, sem dúvida, a mais bonita da Chapada dos Veadeiros

A trilha é relativamente tranquila, com apenas alguns trechos complicados

Pontos Negativos:

A distância de Alto Paraíso de Goiás: a principal cidade da Chapada dos Veadeiros fica a 2 horas de carro;

A necessidade de contratar um guia, que, como falamos, não agregou muito ao nosso passeio.

A limitação do número de visitantes e do tempo na cachoeira.
A demora para iniciar a trilha: ficamos em torno de uma hora aguardando para pegar o pau-de-arara.

Preço: o gasto total foi alto demais para aproveitar apenas 1 hora na cachoeira.
No local, não há serviço de resgate em caso de acidentes.

Diante disso, eu, sinceramente, não acho que valha a pena colocar a Cachoeira Santa Bárbara como prioridade nas suas visitas à Chapada dos Veadeiros. Há várias outras atrações na região, mais próximas e com preços/custos mais em conta. 

Apesar de toda a sua beleza, a relação custo-benefício é muito ruim.
Dicas para visitar a Cachoeira Santa Bárbara

Caso você queria, mesmo assim, incluir a Cachoeira Santa Bárbara nos seus roteiros, confira as dicas para ter uma experiência tranquila e proveitosa:
Compre seu ingresso pela Internet: como eu falei, os tickets são limitados e esgotam-se rapidamente. 

Portanto, nada garante que você vá conseguir comprar os ingressos, mesmo chegando cedo ao local.

Evite feriados: nos feriados, a fila de espera para seguir para trilha pode demorar até 2 horas.

Chegue cedo: a cachoeira pega sol das 11 às 13hs.
Leve tênis confortável (ou sapatilha de caminhar nas pedras) e mantenha-se na trilha, evitando os animais peçonhentos e o contato com carrapatos. 

Cuidado para não escorregar em determinados trechos do percurso.

Leve uma GoPro ou outra Câmera à prova d’água, bem como máscaras de mergulho.

Evite o período chuvoso (de novembro a abril): a cachoeira está sujeita a trombas d’água, que levam tudo o que está no caminho.

Siga nas normas da comunidade: evite coletar plantas, animais, fazer fogueiras, trazer bebidas alcóolicas, etc.

Tire muitas fotos!

Por fim, se você pretende conhecer outras cachoeiras por em Cavalcante/GO, pode ser interessante hospedar-se na própria cidade. 

Lembro que, de Alto Paraíso de Goiás até o centro de Cavalcante, você leva, pelo menos, 1 hora de carro.

Informações Gerais


Horário de Funcionamento: das 7hs às 17hs
Última entrada permitida: até 15:30hs.
Maiores informações: Tel (62) 99652-7236 e e-mail: akce.org@gmail.com
Com texto de Classe Turística

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.