sexta-feira, 22 de novembro de 2019

Preço da carne sobe 35% nos açougues. Bom para os produtores rurais e ruim para os consumidores



A carne bovina começou a sumir da mesa do consumidor. O motivo foi o reajuste médio de 35% no preço do produto nos açougues, o que tem levado muita gente a reduzir o consumo e a migrar para outras proteínas, como frango, suínos ou peixe.

O preço da arroba do boi já subiu 44% desde o início do ano e o quilo da vaca casada para os açougues já aumentou quase 50% nas últimas semanas. Um dos motivos seria o aumento das exportações, que reduziu a oferta no mercado interno.

O presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Carnes Frescas no Estado de Goiás (Sindiaçougue-GO), Sílvio Carlos Yassunaga Brito, conta que os aumentos têm sido praticamente diários nos últimos 50 dias, fazendo com que o preço da vaca casada subisse de R$ 10,20 para R$ 15. 

“Foi um aumento muito grande num período muito pequeno e nem conseguimos repassar tudo para o consumidor”, destaca.

Ele dá o exemplo do acém, cujo quilo passou de R$ 16,90 para R$ 23,90, e do contrafilé, cujo preço subiu de R$ 25,90 para R$ 34,90, uma alta de 35%. Para Yassunaga, este reajuste é muito pesado diante de uma inflação praticamente estabilizada no País. 

“Os açougues, que já estão com suas margens espremidas, hoje também estão aterrorizados, com medo de que falte produto no mercado interno”, afirma o empresário.

Isso porque a informação que chega a eles é que a oferta de animais no mercado está muito baixa. 

O temor é de que esteja havendo um represamento de bois à espera de mais aumento de preços em dezembro, quando a demanda tende a crescer naturalmente, por conta das festas de fim de ano.

“Num primeiro momento, o consumidor até aceita um aumento porque migra para outras proteínas e sai em busca de promoções. Mas muita gente acaba desistindo mesmo de comprar”, ressalta o presidente do Sindiaçougue. O resultado, segundo ele, é uma forte queda nas vendas.

Quantidade

O comerciante Raimundo Coelho Pinto, da Casa de Carnes Fortaleza, diz que o consumidor está reclamando muito do reajuste e que suas vendas já caíram 20%. 

Segundo ele, o preço está subindo praticamente todos os dias e os clientes estão reduzindo muito a quantidade comprada ou até desistindo de comprar a carne bovina.

Raimundo conta que o quilo da picanha passou de R$ 27,99 para R$ 39,90. “Com isso, quem comprava dois quilos de carne, hoje só está levando um”, conta. Também já é comum ver clientes que resolvem levar frango depois de se informarem sobre o preço da carne bovina. 

Ele garante que o estabelecimento não consegue repassar todo reajuste que recebe da indústria e que está trabalhando com uma margem bem menor. “Para ter uma margem adequada, minha carne de primeira, que hoje custa R$ 27,99, teria que ser vendida por R$ 35”, garante.

Fonte: O Popular

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.