segunda-feira, 4 de novembro de 2019

Em Formosa (GO), polícia fecha distribuidora de TV a cabo pirata. Ela possuía mais de 7 mil clientes


A Polícia Civil do Estado de Goiás, por meio da Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Cibernéticos (DERCC), deflagrou na última sexta-feira (1º), da Operação 404, para cumprir mandados de busca e apreensão contra três alvos no Estado, nas cidades de Formosa, Rio Verde e Caldas Novas.

A Operação 404 foi deflagrada com o objetivo de combater a prática de crimes contra a propriedade intelectual. No território nacional, a operação integrada envolve as Polícias Civis de 12 estados.

A delegada da Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Cibernéticos (DERCC), Sabrina Lelis, que coordenou a ação em Goiás, afirma que o mantenedor do site baseado em Formosa possuía 7 mil clientes. 

Ou seja, pessoas que pagavam para ele retransmitir de forma ilegal o sinal de TVs por assinatura. Os pacotes eram pagos de forma mensal, semestral ou anual.

A operação foi coordenada nacionalmente pelo Ministério da Justiça. Ao todo a Polícia Civil cumpriu 30 mandados de busca e apreensão, bloqueio e/ou suspensão de 210 sites e 100 aplicativos de streaming ilegal de conteúdo, desindexação de conteúdo em mecanismos de busca e remoção de perfis e páginas em redes sociais.

Os dez maiores sites deste tipo receberam 1,3 bilhão de visitas em 2018, além de receberem R$ 17 milhões em publicidade, entre 2015 e 2016. Estima-se que existam cerca de 4,2 milhões de sinais de TV pirata no Brasil.

No Brasil, a pena para quem pratica esse crime é de reclusão, de 2 (dois) a 4 (quatro) anos, e multa. 

A operação denominada 404 faz referência ao código de resposta do protocolo HTTP para indicar que a página não foi encontrada ou não está disponível.

Fonte: PC GO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.