terça-feira, 19 de novembro de 2019

De onde não se esperava: MP investiga fraudes em certificados emitidos pelos bombeiros


Nesta terça-feira (19/11), a Operação Desconformidade, combate fraudes na certificação de segurança contra incêndio e pânico emitida pelo Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Goiás (CBMGO).

A operação é realizada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público de Goiás (MPGO), com apoio da Secretaria de Segurança Pública (SSPGO).

De acordo com o MPGO, o esquema criminoso é formado por bombeiros militares, incluindo membros do alto comando da corporação, que concede Certificados de Conformidades (Cercons) para empresas e empresários que não cumpriam as normas e protocolos de segurança, colocando vida e patrimônio da coletividade em risco.

Segundo as investigações, o grupo recebia dinheiro para interesse próprio e, além disso, valores destinados a construções e reformas nas unidades militares.

Além das fraudes outros crimes são investigados.

Shoppings e centros comerciais, em várias regiões de Goiânia, tiveram seus Cercons emitidos irregularmente, tornando alguns desses locais propícios à ocorrência de tragédias semelhantes à da Boate Kiss, que matou 242 pessoas e feriu outras 680, em Santa Maria (RS), em 27 de janeiro de 2013.

Essa tragédia foi provocada pela imprudência e más condições de segurança no local, outro exemplo é o Hospital Badim, que o incêndio matou 20 pessoas e feriu 40, no Rio de Janeiro.

Outros crimes também são alvos de investigação, como a aquisição de bens utilizados para publicidade e marketing em eventos promovidos pela instituição.

Foram cumpridos,  durante a ação, cinco mandados de prisão temporária, além de 17 mandados de busca e apreensão em empresas, residências e instalações militares, incluindo no prédio do Comando-Geral do CBMGO.

Fonte: DM

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.