terça-feira, 1 de outubro de 2019

Preso em Campos Belos (GO) autor de latrocínio. Ele foi localizado 17 anos depois do crime


Um homem de 36 anos, que foi condenado a quase 11 anos de cadeia por um crime de latrocínio (roubo seguido de morte), ocorrido em 2002 em Goiânia, e que desde então estava foragido, foi localizado e preso na semana passada por agentes da Delegacia Estadual de Investigações Criminais (Deic) em Campos Belos, Goiás. 

Para tentar ludibriar a polícia, Cláudio Soares dos Santos se apresentava com documentos falsos, em que usava o nome de outra pessoa.

Junto com dois comparsas, que já foram presos, Cláudio Soares, segundo a Polícia Civil, invadiu, no Parque das Laranjeiras há 17 anos, a casa de um deficiente físico. 

Após espancarem a vítima e a deixarem ela amarrada com arame, os três criminosos fugiram levando uma televisão. Socorrido por vizinhos, a vítima morreu dois dias depois, em decorrência das agressões.

Dias após o crime, segundo apurou a equipe, Cláudio Soares mudou-se para o Maranhão, passou a usar documentos falsos em nome de Daniel Plácido da Silva e se apresentava como professor de Jiu-Jitsu. 

Alguns anos depois, o condenado mudou-se para a casa de parentes em Campos Belos, onde continuava se apresentando como Daniel Plácido.

Quando localizado e preso, Cláudio Soares apresentou documentos falsos aos policiais. “Nós temos informações de que no Maranhão ele cometeu crimes também graves, como roubos a instituições financeiras e a carros-fortes, o que está sendo investigado por lá, mas o fato é que, mesmo após quase duas décadas após esse covarde latrocínio que ele cometeu aqui em Goiânia, nós conseguimos capturá-lo. 

Além de cumprirmos dois mandados de prisão, também o autuamos em flagrante pelo uso de documentos falsos”, relatou a delegada Mayana Rezende.

Texto e fotos: PC Goiás 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.