quinta-feira, 24 de outubro de 2019

Pastor que sobreviveu após pular de carro em chamas em Arraias (TO) é internado às pressas; esposa pede orações


O pastor Edivaldo Júnior precisou ser internado às pressas no Hospital Regional de Porto Nacional após apresentar infecções nas queimaduras de 2º grau que teve pelo corpo durante um acidente na TO-050, a 50 km da cidade de Arraias.

Após o acidente, ocorrido dia 16 de outubro, o pastor foi internado no Hospital de Arraias, mas recebeu alta por não apresentar complicações. Segundo a esposa do pastor, depois de cinco dias, Edivaldo não teve melhoras nas queimaduras.

Ao ser internado novamente, o pastor passou por uma cirurgia para retirada da pele necrosada e agora está sentido fortes dores. A esposa pede orações.

“Ele precisará ser avaliado por um cirurgião plástico e talvez transferido para o HGP. Até agora não tem previsão de alta, ele tem reclamado de muitas dores. Peço que todos orem pela vida e recuperação do meu marido”, disse Lilian Pereira.

Edivaldo Júnior é pastor da Igreja Batista de Conceição do Tocantins e contou ao AF Notícias que Deus o livrou da morte, quando retornava para casa depois de acompanhar o nascimento do seu terceiro filho. Ele perdeu o controle do veículo ao cochilar na direção e sobreviviu por um milagre.

O pastor ficou desacordado em razão do impacto do acidente e acordou com uma 'voz' dizendo para ele pular do veículo que estava em chamas. 

Edivaldo sofreu várias queimaduras e foi socorrido por um morador da região.

Fonte: AF notícias

Um comentário:

  1. Verdade. Só não houve o fato dele ouvir voz, e foi, logo em seguida ao impacto, que ele despertou e ainda viu o momento que o carro pegou fogo. Estou aclarecendo pois somos amigos e ele mesmo me relatou os fatos e também escreveu no seu Facebook.

    ResponderExcluir

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.