terça-feira, 29 de outubro de 2019

De Cavalcante (GO): Morre Carlos França, professor de história do Sigma, em Brasília


O professor Carlos França, do Centro Educacional Sigma, morreu na última quinta-feira (24/10/2019), aos 67 anos. 


Figura conhecida pela irreverência e capacidade de chamar a atenção apenas pela força do olhar penetrante, o docente não só ensinou, fez história nas quase três décadas em que atuou na instituição.

Ele era formado em história e direito, e abraçou a profissão, atuando por quase 40 anos na transmissão dos conhecimentos a diferentes gerações de alunos do DF.

França enfrentava um câncer, descoberto em agosto de 2018. Alunos chegaram a realizar uma campanha de doação de sangue, já que, após seis sessões de quimioterapia, o professor precisava fazer um autotransplante de células-tronco.


Ele deixa filhos, irmão e netos. 

Nascido em 18 de março de 1952, em Cavalcante (GO), militou em prol da educação e foi um dos fundadores do Sindicato dos Professores em Estabelecimentos Particulares de Ensino do Distrito Federal (Sinproep), onde exercia, atualmente, o cargo de vice-presidente. França também era membro do Conselho de Educação do DF.

“É uma perda irreparável para o Sinproep-DF, que, por certo, sentirá a sua falta. Rendemos as nossas homenagens a esse bravo companheiro que nos deixa precocemente”, publicou a instituição nas redes sociais.

Em nota publicada nas redes sociais, o Sigma também lamentou a perda. 

“Suas marcas afetivas, bem como seus ensinamentos, estão em todos que puderam conviver com ele: família, amigos e colegas de profissão. 

E os alunos?! Esses tiveram o grande privilégio de ver o mestre em ação. E mais, de conviver com um gigante que ensinou muito mais do que os livros são capazes de contar.”

Fonte: Metrópoles 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.