quarta-feira, 30 de outubro de 2019

Boa Notícia: WhatsApp vai liberar opção para impedir que usuário seja colocado em grupo sem ter autorizado




Um dos recursos mais populares do WhatsApp — e também um dos mais controversos — recebeu um incremento no gerenciamento de privacidade. 


Até então não era possível impedir que administradores de grupos adicionassem livremente outros usuários aos grupos.

Para evitar ser incomodado com adições indesejadas, o aplicativo agora disponibiliza um filtro em que o usuário pode configurar quem poderá adicioná-lo aos grupos. São três opções:

Todos: Essa opção equivale ao modelo atual, que permite que qualquer administrador de grupo inclua novos membros no grupo sem que eles tenham solicitado o convite;


Meus contatos: Essa opção requer que o administrador esteja na lista de contatos de quem será adicionado ao grupo;

Meus contatos, exceto: Essa opção limita as opções aos contatos e ainda permite a criação de uma lista de pessoas impedidos de adicionar membros sem o consentimento do contato;


Por enquanto, o novo recurso de privacidade em grupos está disponível apenas na versão beta. Para ativar, é preciso seguir os seguintes passos:

Acesse as configurações do WhatsApp;

Toque na opção "Conta";
Clique na opção "Privacidade";
Toque na opção "Grupos";
Selecione a opção de privacidade em grupos conforme a sua vontade;

Na lista de contatos impedidos, é preciso incluir um a um. 

Nesse caso, os contatos selecionados não são impedidos de enviar mensagens individuais, essa restrição só impede a adição em grupos.

Os leitores que não participam do programa de testadores, em breve, também receberão uma atualização contendo essa opção.

Fonte e texto: G1 Economia 

Governo do Tocantins democratiza acesso aos Colégios Militares e anuncia fim de processo seletivo para ingresso nas unidades


Com o intuito de democratizar o acesso aos Colégios Militares do Tocantins, o Governo do Estado definiu que, a partir de 2020, o ingresso nestas unidades escolares será realizado por meio do Sistema Informatizado de Matrículas da rede estadual de ensino. 


O anúncio aos dirigentes das unidades escolares militares ocorreu na tarde desta terça-feira, 29, em reunião entre a Secretaria de Estado da Educação, Juventude e Esportes (Seduc) e a Polícia Militar.

Para o próximo ano letivo, a matrícula dos alunos novatos será feita com cadastro on-line ou via telefone, assim como nas demais unidades escolares da rede. 

As vagas serão disponibilizadas mediante sorteio automático do sistema. Os atuais alunos dos Colégios Militares terão suas vagas garantidas pelo processo de renovação de matrícula.

Para a titular da Seduc, Adriana Aguiar, a intenção do Governo do Estado é ofertar condições de igualdade de ingresso nessas unidades de ensino. 

"A ideia é que o processo de entrada na escola seja plural e que todos tenham acesso, de modo que o desenvolvimento educacional caminhe junto ao desenvolvimento social. Com essa mudança, a entrada em todas as unidades será igualitária", destacou.

A alteração está em consonância com a Lei º 9.394/96 – Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB), no sentido de observar as diversidades de oportunidades de acesso aos ambientes escolares.

O Coronel Márcio Antônio Barbosa de Mendonça, chefe do Estado Maior, ressaltou que a nova forma de ingresso não irá mudar a metodologia da modalidade de ensino. "O novo processo de matrícula visa cumprir o que rege a LDB e tornar o processo mais democrático, sem perder a qualidade do ensino", ponderou.

Nomenclatura

Outra novidade é que as unidades de ensino passarão a ser nomeadas de forma diferente. A escola que oferta somente ensino fundamental passará a ser designada como Colégio Estadual Cívico-Militar. 

As que ofertam ensino médio passam a ser Centro Estadual de Ensino Médio Cívico-Militar.

O diferencial dessas unidades é que elas contam com direção e coordenação disciplinar da Polícia Militar e coordenação pedagógica e corpo docente da Seduc. 

Atualmente o Estado conta com 12 colégios e mais de 7.600 estudantes atendidos nesta modalidade.

No Colégio Estadual Cívico-Militar Presidente Costa e Silva, de Gurupi, o ingresso, neste ano, foi sem processo seletivo. 

O diretor da unidade, capitão Tiago Nascimento contou como a mudança beneficiou a comunidade. 

"Evitamos as grandes filas na porta da escola, pois tudo foi realizado de forma on-line, em um processo tranquilo. Além disso, foi uma forma de acesso democrática", finalizou.

Matrícula

A solicitação de matrícula deverá ser feita no site matricula.seduc.to.gov.br ou pelo telefone 0800-63-5050, conforme o calendário de matrículas da rede estadual, que será divulgado posteriormente.

Fonte: Governo

Nossa Chapada: Especialistas apontam efeitos ambientais negativos de pequenas hidrelétricas




Especialistas apontam que pequenas centrais hidrelétricas instaladas em quantidade numa só bacia podem provocar efeitos ambientais, econômicos e sociais negativos. 

A Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara, em conjunto com a Comissão de Direitos Humanos e Minorias, realizou um debate sobre o assunto nesta terça-feira (29).

Foram examinados os casos do Alto Rio Paraguai, Pantanal, Juruena e Médio Tapajós, da Chapada dos Veadeiros e da Bacia do Tocantinzinho; além de um projeto de lei que cria um procedimento simplificado, em uma única fase, para o licenciamento ambiental de pequenas centrais hidrelétricas (PL 1962/15).

Essas usinas são vistas, de forma geral, como tendo baixo impacto sobre o meio ambiente, mas o diretor do Instituto Ecologia e Ação, Alcides Faria, discorda e cita o exemplo do Alto Paraguai, com 52 centrais desse tipo em operação e mais de 100 previstas para serem construídas.

"A atividade que mais gera trabalho e renda no Pantanal é a pesca, mas quando você constrói uma represa, qual a consequência mais imediata? 

Você impacta a produtividade de peixes. Principalmente os peixes migratórios, as espécies mais procuradas, as espécies do ponto de vista econômico mais importantes", alertou.

Especialistas ouvidos pelas comissões propõem que seja feita uma avaliação ambiental estratégica em todas as bacias. 

A água, dizem eles, não é só para a geração de energia, mas também para a pesca e o transporte, por exemplo. A alternativa proposta para regiões como o Pantanal seria a geração de energia elétrica por meio de placas fotovoltaicas, que usam a luz solar.

Pesca e Turismo

Representando a Frente Parlamentar Ambientalista, o deputado Nilto Tatto (PT-SP) reforça a ideia de que essas hidrelétricas, apesar de serem de pequeno porte, podem ter um impacto negativo sobre o meio ambiente e consequentemente sobre a comunidade local.

"Se diminui drasticamente o volume de peixe dos rios, há consequência disso aí para os pescadores, para o turismo, porque muitas dessas bacias hidrográficas têm uma atividade econômica muito forte do turismo de pesca", destacou.

Por outro lado, o presidente da diretoria-executiva da Associação Brasileira de Pequenas Centrais Hidrelétricas, Paulo Arbex, reclamou que o governo brasileiro dispensa tratamento prejudicial às centrais hidrelétricas. 

Segundo ele, para se conseguir uma licença para o setor, levam-se até dez anos; enquanto a liberação para uma central térmica fóssil, de maior impacto sobre o meio ambiente, não passa de 180 dias. 

"Acho que é o único país do mundo que penaliza a renovável e subsidia a fóssil, penaliza o micro e pequeno empresário e favorece os barões do petróleo. Não tem cabimento."

Para Arbex, os verdadeiros problemas das bacias hidrográficas brasileiras não são as centrais hidrelétricas, mas sim o excesso de lixo, as mudanças climáticas e o desmatamento às margens dos rios e em áreas de drenagem.

Agência Câmara 

Música: "Le Tour Du Monde" lança single inspirado no Centro-Oeste brasileiro





Inspirada no Vale da Lua, um dos principais pontos turísticos da Chapada dos Veadeiros, em Goiás, o duo Le Tour Du Monde lançou a canção Onde a gente nunca foi. 

O single integra o álbum O som das estrelas, projeto que, a convite da marca Firestone, apresenta composições inspiradas em viagens da dupla pelas cinco regiões brasileiras. 

A letra do single retrata a urbanidade de Brasília e a tranquilidade da natureza goiana em uma melodia que traz o som característico da viola sertaneja. 

A mistura dos gêneros pop, folk e viola compõe a trilha sonora do vídeo produzido de maneira orgânica, capturando momentos reais da experiência.

No clipe, é possível reconhecer pontos turísticos brasilienses como o Museu da República, a Catedral Metropolitana de Brasília e a Ponte JK, todos intercalados com cenas gravadas na Chapada dos Veadeiros.

Le Tour Du Monde é composto pela videomaker Iris Fuzaro e pelo produtor musical Lucas Mayer. Na nova produção, o casal é acompanhado pelos cantores David Murad, Letícia Fialho e Renato Segredo.

Confira acima o clipe da canção

Fonte e texto: CorreioWeb

Família de Taguatinga (TO) aumenta produção de frango após assistência técnica do Ruraltins



O convênio Oportunidade, fruto de uma parceria entre Governo do Estado, por meio do Instituto de Desenvolvimento Rural do Tocantins (Ruraltins) e Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa), proporciona cada vez mais o fortalecimento das cadeias produtivas na agricultura familiar do Estado. 

Em Taguatinga, município localizado na região sudeste do Tocantins, a produtora Artenisa Araújo Oliveira vem recebendo visitas técnicas do Ruraltins, e com isso já produz e comercializa aves de corte, suínos, hortaliças, rapaduras e mandioca.

Com foco na produção de aves e, principalmente com o apoio técnico oferecido pelo convênio Oportunidade, a família, proprietária da Fazenda Conto do Rio, produz anualmente mil frangos. 

Antes do convênio, a produção girava em torno de 600 aves por ano, a família trabalhava sem orientação técnica e práticas de manejo adequadas, “Após os atendimentos e a parceria com a Secretaria de Agricultura do município começamos a incentivar a produtora a implantar o selo de inspeção municipal na propriedade por meio de um abatedouro construído com recursos próprios, este foi um marco crucial para o aumento de abate anual, era o momento onde os comerciantes exigiam produtos com origem (inspecionada)”, explicou o técnico Agropecuário, Lindomar Pereira, da regional do Ruraltins de Taguatinga.

Os produtos são comercializados na feira da cidade, e também fornecidos ao Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), mais conhecido como Compra Direta, e também ao Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae).

Para a produtora Artenisa, casada e mãe de duas crianças, esse apoio do Ruraltins tem sido essencial para as conquistas alcançadas. 

“Essa assistência técnica está sendo um fator a mais e soma cada dia que passa. Lindomar Pereira vem fazendo um esforço imenso, ele não põe dificuldades em ajudar quando preciso de orientação, ele sempre vem verificar, orientar, ajudar”, frisou.

A produtora lembrou ainda o quanto à renda familiar melhorou. “Essa conquista tem sido maravilhosa, não foi fácil chegar até aqui, mas Deus tem nos abençoado, e estamos aí, vamos chegar mais longe, nosso foco é chegar cada vez mais longe”, declarou.

O técnico Agropecuário, Lindomar Pereira, reforçou sobre os avanços do convênio obtidos nos últimos dois anos de trabalho. 

“A partir do momento em que a gente teve a oportunidade de acompanhar de perto a produtora, de orientar os seus trabalhos, indo até a propriedade, ver o que está sendo feito, discutir o que será implementado para os próximos dias, meses e até mesmo os próximos anos, a gente pode observar que a produtora avançou muito na parte de avicultura”, afirmou, acrescentando ainda a satisfação em ver as conquistas da família, que, além da estrutura de abatedouro e o selo de inspeção municipal, conta com mercado para comercializar os produtos.

Convênio Oportunidade


A proposta do Oportunidade, que finda em dezembro deste ano, é prestar assistência técnica a 800 produtores rurais do Tocantins enquadrados nas Classes D e E, ou seja, que recebem de zero a quatro salários mínimos.

A intenção do Ruraltins é fazer um aditivo para prorrogar por mais três anos o convenio que propicia a execução das ações com recursos voltados para a manutenção e abastecimento dos veículos e diárias dos técnicos responsáveis pelas visitas.

O convênio Oportunidade proporciona, tanto ao instituto, que oferece, quanto ao produtor, que recebe, oficinas técnicas, visitas de campo, bem como a aplicação de instrumentos e coleta de informações sobre as atividades produtivas que estão sendo acompanhadas, possibilitando assim, a identificação das cadeias produtivas prioritárias na propriedade.

Para os trabalhos a equipe realiza todo um levantamento, tanto da família que vai ser beneficiada, quanto da propriedade, como as condições de uso da terra, a estruturas existentes na propriedade e o estado de conservação, as atividades produtivas, entre outros.

Os investimentos do Mapa para os trabalhos de assistência técnica somam mais de R$ R$ 3 milhões.

Fonte: Ruraltins

Prefeitura de São Domingos(GO) emite nota sobre retenção de mais de meio milhão de reais do FPM por decisão judicial



A Prefeitura Municipal de São Domingos, Estado de Goiás, por seu Prefeito Municipal Cleiton Gonçalves Martins, traz os devidos esclarecimentos acerca da retenção do (Fundo de Participação dos Municípios - F. P. M.), no mês de outubro de 2019.

Temos a informar aos munícipes de São Domingos (GO) que conforme decisão do Tribunal e Justiça de Goiás (TJGO), os recursos oriundos do F. P. M, está sendo retidos na ordem total de aproximadamente R$ 674.318,40 (seiscentos e setenta e quatro mil, trezentos e dezoito reais, quarenta centavos) para o pagamento de precatórios (Precatórios são formalizações de requisições de pagamento de determinada quantia, devida pela Fazenda Pública assim como pelas suas autarquias e fundações, em razão de uma condenação judicial definitiva), resultante de demandas judiciais de fatos gerados em gestões anteriores. 


Nenhum centavo retido será para pagamento de dívidas da Gestão Um novo rumo, uma nova história (2017 – 2020).

OS DÉBITOS ESTÃO OCORRENDO NESSA ORDEM:

04/09/2019 – 786,85
10/10/2019 - R$ 191.001,57
20/10/2019 – R$ 54.139,54
29/10/2019 – 170.319,37
10/11/2019 – (os valores repassados serão retidos)
20/11/2019 – (os valores repassados serão retidos)

Como consequência, dessa retenção, não teve como honrar os compromissos com os fornecedores e prestadores de serviços a contento, MEIs, Fornecedores de gêneros alimentícios, limpeza, medicamentos, materiais de construção, materiais elétricos, entre outros e, ainda é previsto o atraso do pagamento da folha dos efetivos (concursados) do mês de outubro.

Apesar dessa dificuldade, estamos trabalhando com empenho para evitar a interrupção de atendimentos aos serviços básicos e essenciais à população deste município.

Ressalta-se informar que essa retenção se dará no transcorrer do mês de novembro, quando a partir daí, abre-se a perspectiva de aos poucos buscar a normalidade.

Não tem como não pedir a todos, a compreensão pelos transtornos em ocorrência, e dizer que a situação chegou para a atual gestão e, a ela cabe o planejamento para melhor sobressair da crise instaurada.

As dificuldades são enormes, porém, no comando da gestão pública deste município, estamos a encará-los com determinação para minimizar os problemas e, então oferecer o melhor ao nosso povo conforme as possibilidades.

Mesmo diante da crise nacional, afetando os municípios com as quedas drásticas de repasses nos recursos, São Domingos com um agravante, os valores altíssimos de precatórios, recorrentes de gestões anteriores, o prefeito Cleiton Martins, garante a toda a sociedade e visitantes que os serviços públicos prestados, não pararam de serem ofertados aos munícipes e usuários.

Até a presente data, foram retidos R$ 415.247,33 de um total de R$ 674.318,40, faltando ainda R$ 259.071,07.

A seguir, a comprovação da situação narrada acima.

Prefeitura Municipal de São Domingos - Goiás



Já publicamos sobre o assunto 

Arraias (TO): Estudantes classificados em memórias literárias estão em São Paulo participando da Olimpíada de Língua Portuguesa



Mais uma equipe de professores e estudantes está participando do Encontro de Semifinalistas da 6ª edição da Olimpíada de Língua Portuguesa, categoria memórias literárias, que está sendo realizado em São Paulo. 

Do Tocantins, estão participando o aluno Luiz Eduardo Pereira da Silva e o professor Átila Miller Fernandes, da Escola Estadual Joaquim Francisco de Azevedo, de Taipas do Tocantins; 

o estudante Gabriel Antônio de Moura, com a professora Samara Gonçalves Lima, do Colégio Militar de Arraias; e a estudante Ana Clara Luz e a professora Marilda Belizário da Silva Ribeiro, da Escola Municipal Beatriz Rodrigues da Silva, de Palmas.

O estudante Luiz Eduardo está participando com o texto "O pequi nosso de cada dia", o aluno Gabriel está na semifinal de Memórias Literárias com o tema "Uma fênix em minha vida" e a aluna Ana Clara, com o texto "Saudades do Canela".

Esse encontro presencial da Olimpíada começou na segunda-feira, 28, e vai até o dia 30, com o anúncio da classificação dos trabalhos dos alunos e entrega de medalhas. Participam do encontro 125 estudantes brasileiros, que compartilham ideias, sonhos e sentimentos nos textos apresentados e seus respectivos professores.

A professora Samara contou que esta é a sua segunda participação na olimpíada. 

“Participei em 2012, chegamos à etapa final, e estou aprendendo muito. A minha prática pedagógica está sendo redirecionada mais uma vez, graças à troca de experiências e vivências com outros professores do país inteiro, graças também à formação oferecida pela olimpíada, que está sendo realizada em São Paulo e à formação, que é feita no site da OLP. 

Retornarei para a sala de aula mais revigorada, mais fortalecida para oferecer um ensino de qualidade para nossos alunos. Sinto-me lisonjeada em participar de um concurso desse nível, porque o nível da olimpíada é elevadíssimo”, frisou.

Gênero crônica

Na semana passada, foi realizado o encontro presencial do gênero crônica, na qual os estudantes Allanis Stephani Carvalho, do Colégio Militar de Arraias, e a estudante Ana Beatriz Rodrigues Paes, da Escola Municipal Beatriz Rodrigues, tiveram seus trabalhos classificados para a etapa final da olimpíada. 

O resultado final será divulgado na primeira semana do mês de dezembro.

A estudante Ana Beatriz concorre com o texto Sempre em busca de luz e Allanis está na final com a crônica Operação Cinderela.

Olimpíada

A Olimpíada tem o objetivo de melhorar o ensino e a aprendizagem da leitura e da escrita, e promover formação para professores que lecionam língua portuguesa. 

É uma realização do Itaú Social, com a coordenação do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cenpec), Programa Escrevendo o Futuro, com a parceria do Ministério da Educação.

Esta é a 6ª edição e representa um reforço para a valorização e a interação dos alunos com o seu território e propõe o tema "O lugar onde vivo". 

A intenção é que os estudantes observem o lugar onde residem, aprofundem o conhecimento sobre sua realidade e estreitem laços com a comunidade.

Fonte: Governo 

Pequi, natural do Cerrado, é indicado para praticantes de corrida



Pesquisas têm relatado o aumento da busca pela qualidade de vida por parte da população nos últimos anos. 

Um dos fatores relacionados é a prática de exercício físico, que, segundo a pesquisa Vigitel 2018 (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônica), o percentual de pessoas que praticam atividades físicas durante o tempo livre passou de 33,8% para 38,1%, no período de 2013 a 2018.

A corrida no Brasil teve um crescimento de 20%. 

Em 2018, de acordo com pesquisa realizada pela Associação Internacional de Federações de Atletismo, o número de mulheres participantes da modalidade de corrida amadora saltou em 50,2%, considerando uma avaliação de 193 países, no período de 1986 a 2018. 

A neurociência confirma que a prática traz bem-estar e relaxamento graças à sua intensidade e longa duração, promovendo uma expressiva liberação de componentes responsáveis pela estimulação do sistema nervoso, como a endorfina. 

Os motivos que comprovam o aumento da procura pela corrida vão desde a promoção de saúde e da estética até a integração social e a fuga do estresse da vida moderna.

A corrida é uma modalidade esportiva que induz a adaptações favoráveis do corpo, mas, devido à intensidade e duração dos treinamentos e provas, pode comprometer o equilíbrio do metabolismo e aumentar a produção de radicais livres e danos oxidativos aos tecidos. Sendo assim, o aporte adequado de antioxidantes pode beneficiar o atleta ou praticante amador de corrida.

Nutrição e corrida

Estudos na literatura científica apontam a eficácia do óleo de pequi como complemento na alimentação de atletas, principalmente por conta da sua alta densidade nutritiva. 

O pequi é um fruto típico do Cerrado brasileiro, rico em compostos ativos que desempenham um importante papel na redução do estresse oxidativo, com destaque ao elevado teor de lipídios, compostos fenólicos e carotenoides.

Um produto natural que pode ser uma boa alternativa, o óleo de pequi é obtido a partir da polpa desse fruto, por um processo de extração à frio, seguido de ultrafiltração, que mantém suas propriedades nutricionais.

Os carotenoides, antioxidantes presentes em sua composição, atuam em equilíbrio para auxiliar na prevenção de lesões oxidativas em atletas com frequência de treinamento elevada e prática de exercício intenso.

Sugestão 

O Óleo de Pequi da Naiak é 100% natural e passa pelo processo de extração à frio, onde há uma redução significativa de seu odor característico. Com corante natural, apresenta alta concentração de antioxidantes, ácidos graxos e vitaminas, favorecendo a complementação alimentar de atletas e pessoas adeptas a um estilo de vida saudável. 

Por Karla Maciel, nutricionista e consultora da Naiak


Inscrições do vestibular da Unitins vão até de 7 de novembro


Cavalcante (GO): construção de hidrelétrica é ameaça para comunidade kalunga que vive há 300 anos no maior quilombo do Brasil






Há muitas lendas e versões sobre o nome do Rio das Almas, que corta o nordeste de Goiás. Todas elas, porém, envolvem mortes ou algum relato trágico. 

É por isso que, quando esse curso de água passa em uma parte do território kalunga, um território quilombola, os locais o chamam de Rio Branco.

Além das lendas, o rio é alvo de outro temor dos kalungas: o projeto de construção da Pequena Central Hidrelétrica (PCH) Santa Mônica. 

Há 20 anos, a empresa Rialma, de Emival Caiado, propõe instalar no território Kalunga a hidrelétrica. Emival é primo do político local e hoje governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM).

O projeto sofre resistência dos moradores quilombolas e até uma Ação Civil Pública foi aberta pelo Ministério Público Federal (MPF). Seja como Rio das Almas ou Rio Branco, é deste rio que parte dos kalungas tiram água para beber, tomar banho e cozinhar.

A água encanada e o saneamento ainda não chegaram para a comunidade Vão de Almas, que seria afetada diretamente pelo empreendimento. 

Ao todo, os kalungas estão dividido em 39 comunidades pelo território. São cerca de 8 mil quilombolas, sendo que 300 famílias vivem no Vão de Almas.

Se mantido o projeto e a PCH Santa Mônica for instalada rio acima do território kalunga, na cidade de Cavalcante (GO), ela terá 30 megawatts de potência instalada. Para comparação, somente uma das 14 unidades de geração em Belo Monte tem capacidade para gerar 600 MW.

“Essa Pequena Central Hidrelétrica, ela pode ser pequena para eles, mas para nós é muito grande. A comunidade não quer” - Vilmar Souza, presidente da Associação Quilombo Kalunga (AQK)

O projeto traz preocupação de impactos ambientais e sociais para os quilombolas. “Quatrocentos homens trabalhando aqui, a gente sabe que vai trazer muita coisa errada aqui para dentro”, disse Vilmar.

Segundo um laudo pericial produzido pelo MP de Goiás, que também era autor do processo, o Rio das Almas sequer tem vazão de água suficiente para nutrir uma hidrelétrica. Os dados apontados nos estudos estariam exagerados.

O laudo também critica a falta de indicação de programas de recuperação de áreas que seriam degradadas pelos canteiros de obras. Também não foram apresentados os planos de construção das estradas de acesso ao empreendimento. O impacto dessas vias, portanto, também permanece desconhecido.

Há ainda o questionamento sobre a falta de realização de consulta pública, como prevê a lei. 

A convenção 169 da OIT (Organização Internacional do Trabalho), tornada lei por decreto presidencial em 2004, prevê a necessidade de consultar os povos indígenas e comunidades tradicionais sobre medidas que os afetem, como grandes obras.

Segundo a Ação Civil Pública, “vê-se claramente que o empreendimento da Pequena Central Hidrelétrica Santa Mônica causará irremediáveis prejuízos às populações kalungas”.

A advogada Vercilene Francisco Dias, da comunidade kalunga Vão do Moleque, vê ainda um motivo histórico para a preservação do local. A serra onde pode ser construída a hidrelétrica serviu de rota de fuga e proteção para os escravos que formaram o quilombo.

Mas há quem acredite que a hidrelétrica pode trazer melhores condições para a comunidade, como Alvino Cesário de Torres. O kalunga acha que o importante é a empresa conversar com os moradores e não prejudicar a comunidade.

“Se fizer uma aqui e deixar futuro pra população, pode. Eu não tenho muito o que aproveitar que eu já tenho 57 anos, posso morrer daqui até amanhã. Mas meu neto, meu bisneto, a geração daqui para frente, vai deixar uma boa vida para aqueles que vão permanecer”.

Em novembro de 2018, foi realizada uma audiência de conciliação, mas não se chegou a um acordo entre o MPF, representantes kalungas e a empresa Rialma.

Procurada, a secretaria do Meio Ambiente de Goiás não respondeu às perguntas do G1 sobre o processo de licenciamento.

‘Eu desisto!’

Membro de uma família tradicional entre os políticos e ruralistas de Goiás, Emival Caiado respondeu à reportagem com uma carta de três páginas com o título “Eu desisto!”.

Nela, Emival afirmou que desistiu do projeto da PCH após 20 anos de tentativas. Ele admite, porém, que está em fase final de assinatura de contrato para transferir a titularidade da hidrelétrica para outra empresa, a Triton Energia.

Por esse motivo, Emival alega não ter “desistido oficialmente” do processo do MPF que pede a suspensão do licenciamento da hidrelétrica.

O empresário nega que a hidrelétrica não tenha passado por audiência pública. Segundo ele, ela foi a primeira do estado a passar por esse processo no Estado, ainda na década de 90. “Elaboramos três EIAs-RIMAS [estudos de impacto ambiental], realizamos cerca de seis audiências públicas e inúmeras reuniões com a população local”.

Emival diz ainda estimar que a cidade de Cavalcante poderia ter arrecadado R$ 106 milhões em impostos nos últimos 20 anos, caso a hidrelétrica estivesse funcionando. 

Ele contabiliza ainda entre os prejuízos a não criação de cerca de dois mil empregos durante a construção e a falta de energia elétrica para a região.

Sobre a vazão do Rio, o presidente afirma que em vez de prejudicá-la, a hidrelétrica irá regularizá-la. “As grandes enchentes que lá ocorrem seriam retidas e seriam liberadas ao longo do ano, facultando inclusive à população kalunga a possibilidade de efetuar irrigação no período seco do ano”.

O empresário informou que levou seus investimentos para o Nordeste, onde está construindo linhas de transmissão, subestações e um projeto de energia eólica no Rio Grande do Norte e na Paraíba.

“Aqui as pessoas não sabem se meu sobrenome se escreve com ‘K’ ou com ‘C’. Não há a mim perseguições políticas, e um licenciamento não demora mais que alguns meses” - Emival Caiado

Trajetória e luta dos kalungas

O quilombo kalunga se formou no início do século XVIII, por pessoas que fugiram do trabalho escravo em minas de ouro da região dos afluentes dos rios Tocantins e Paranã.

O acesso difícil, com serras altas e rios no caminho, os protegeu, e, mesmo após o fim da escravidão, foi também o que os deixou isolados por muitos anos.

Na primeira metade do século XX, a “Marcha para o Oeste”, promovida pelo governo Getúlio Vargas para incentivar a ocupação do Centro-Oeste expandiu as fronteiras agrícolas e agropecuárias para o Norte do estado de Goiás, pressionando a comunidade kalunga.A mudança da capital para Brasília, em 1961, expandiu o sistema viário e aumentou a demanda por terras na região, causando conflitos com posseiros que já duram décadas.

Em 1991, o estado de Goiás sancionou a lei que constituiu o Sítio Histórico e Patrimônio Cultural Kalunga. 

O texto da lei diz que o estado deve garantir aos habitantes “a propriedade exclusiva, a posse e a integridade territorial da área delimitada e protegê-la contra esbulhos possessórios”.

O território kalunga teve 261 mil hectares reconhecidos pela Fundação Cultural Palmares, autarquia federal vinculada ao Ministério da Cidadania, e pelo Incra. 

No entanto, nem todo o território já foi titulado, ou seja, não é toda essa área que teve a regularização fundiária concluída.

“Hoje nós temos 144 mil hectares titulados em nome da Associação Quilombo Kalunga”, disse Vilmar Souza, presidente da associação.

Além do questionamento sobre a Pequena Central Hidrelétrica, há outra Ação Civil Pública que contesta atividades comerciais no território. 

Também proposta pelo MPF, a ação mira a União e o Departamento Nacional de Produção Mineral por terem concedido licenças de pesquisa de mineração no território kalunga.

Enquanto processos de grandes empreendimentos correm na Justiça, os kalungas aguardam serviço básicos, como um posto de saúde. 

O médico mais próximo está na área urbana de Cavalcante, a duas horas da comunidade e com rios e serras no caminho.

No Vão de Almas, uma das localidades no território kalunga, as casas não têm banheiro, e uma cena da rotina são as mulheres com baldes na cabeça indo e voltando do rio onde lavam roupa, a louça, tomam banho, e bebem.

Algumas comunidades, como o Vão do Moleque, ainda não viram nem a luz elétrica chegar. E, por fim, a principal prioridade para os quilombolas é a construção de pontes, para que não fiquem isolados nos períodos de cheia.

Fonte e texto: G1

terça-feira, 29 de outubro de 2019

Menina de 8 anos pode ter sido sequestrada no Gama (DF). Familiares estão desesperados e buscam informações


Uma menina de 8 anos de idade pode ter sido sequestrada nesta terça-feira (29), na cidade do Gama, no Distrito Federal.

A irmã dela, que trabalha em Valparaíso de Goiás, no momento do desaparecimento, estava levando a pequena Thaissa Ayanne Borges Tavares para a escola.

Segundo irmã, o caso ocorreu por volta das 13h30 de hoje, quando a menina foi levada em um carro. “Eu estava levando ela pra escola”, disse em mensagem enviada pelo aplicativo WhatsApp.

"Ela vestia colan rosa, saia azul, meia-calça branca, sandália preta e o cabelo estava de coque.  Foi um carro branco, de modelo C3 e quatro portas”, contou.

Qualquer informação pode ser passada para a Polícia no número 197 ou para a irmã de Thaissa Ayanne (61) 99580-0023.

Com informações da "Redação do Alô Valparaíso"

Deputado diz ter conseguido R$ 45 milhões de emenda para readequação do Parque Estadual de Terra Ronca


O deputado federal Lucas Vergílio (SD) diz ter conseguido articular R$ 45 milhões de emenda não impositiva de bancada para readequação do Parque Estadual de Terra Ronca, no nordeste goiano. 

O parque guarda centenas de grutas e cavernas.

O projeto do parque será feito pelo Ministério do Turismo. 

Lucas e o presidente da Goiás Turismo, Fabrício Amaral, falam sobre o tema amanhã com o governador Ronaldo Caiado (DEM). “Muda todo o nordeste goiano”, diz Lucas.

Com a readequação e investimentos, o Parque seria federalizado e se tornaria Parque Nacional de Terra Ronca.

O Parque Estadual de Terra Ronca, com área aproximada de 57 mil hectares, está localizado nos municípios de Guarani de Goiás e São Domingos. O parque abriga um dos maiores sítios de cavernas e grutas da América Latina, muitas delas ainda não mapeadas.

A formação do complexo deve-se à ação dos rios que nascem na Serra Geral, ganham volume sobre os maciços de quartzito e erodem o maciço de rochas calcárias, localizado dentro do parque. O nome Terra Ronca deriva do rugido dos rios que atravessam as cavernas e do burburinho das cachoeiras que se formam no seu interior.

A gruta mais conhecida é a que dá nome ao parque, Terra Ronca, que se caracteriza pelo seu enorme pórtico e pela grandiosidade dos salões. O vão de entrada atinge 96 metros de altura e 120 metros de largura, com salões medindo 760 metros de comprimento e 100 metros de altura, onde ocorre anualmente a cerimonia religiosa de Bom Jesus da Lapa.

Destacam-se também a gruta de São Mateus, uma das maiores do país; a gruta Angélica, que pode ser contemplada com uma travessia de sete horas por suas infindáveis galerias subterrâneas; e a gruta São Bernardo/Palmeira, com salões repletos de curiosidades e em cujo interior unem-se dois rios. A região é coberta pela vegetação do cerrado e cortada por vários rios.

Fonte: Antônio Carlos 

Manoel Gomes, dono de ‘Caneta Azul’, registra direitos autorais da música





O dono do hit “Caneta Azul”, Manoel Gomes, decidiu ir ao cartório de Balsas (MA) para dar início ao processo de direitos autorais da canção, na tarde desta segunda-feira (28). 


A música viralizou nas redes sociais e chegou ao conhecimento de diversos famosos como Rodrigo Faro, Simone (da dupla com Simaria), Léo Magalhães, Wesley Safadão, entre outros artistas.

Manoel chegou ao cartório acompanhado do advogado Arnaldo Gomes. Na ocasião, o compositor também registrou em sua autoria a música “Vou Deixar de Ser Besta”. Esta, entretanto, ainda não estourou.

O vídeo que Manoel canta “Caneta Azul” caiu no gosto dos internautas de várias redes sociais. 

Com uma letra considerada “chiclete” e a forma que o homem interpreta a canção são pontos chaves para se entender o porquê da música se tornar um sucesso.

A canção conta a história de quando Manoel perdeu a caneta azul. Ela estava marcada com suas “letras”, segundo ele. 

Após conhecimento do público, a música ganhou várias versões. Elas caminham do forró até remixado. No Youtube, a canção original já conta com mais de 3,4 milhões de visualizações.

Caneta Azul na boca do povo


No último sábado (26), Manoel foi convidado por Thiago Brava para se apresentar em Porto Nacional (TO). Após o evento, Thiago foi em uma rede social e rasgou elogios ao maranhense pela canção e pela voz.

“Eu já vi de tudo nessa vida. Como é que pode uma música tão simples estourar desse jeito? Sucesso está nas coisas simples e nós querendo dificultar”, expressou o cantor. E continuou: “Manoel tem uma lágrima na voz.”


“Eu já vi de tudo nessa vida. Como é que pode uma música tão simples estourar desse jeito? Sucesso está nas coisas simples e nós querendo dificultar”, expressou o cantor. E continuou: “Manoel tem uma lágrima na voz.”

Com informações de O Imperial





Três presos fogem da Cadeia de Natividade (TO) durante banho de sol


Três presos fugiram da Cadeia Pública de Natividade, na região sudeste do estado, no último domingo (27). 


A Secretaria de Estado da Cidadania e Justiça (Seciju), informou que a fuga foi notada durante o banho de sol, quando os agentes plantonistas observaram uma movimentação atípica no local.

Os presos que fugiram são:
Winglyston Melquiades de Souza
Ricardo Melquiades Barbosa
Zenei Ferreira de Souza

A secretaria informou que as forças de segurança estão fazendo buscas pela região para localizar e recapturar os foragidos. 

Fotos dos fugitivos foram divulgadas e a Seciju solicitou que a população possa cooperar denunciando qualquer suspeita ou informação sobre os homens no telefone 190.

A pasta ainda não informou como a fuga teria acontecido e informou que está apurando as responsabilidades do ocorrido.

Paróquia de Campos Belos (GO) realiza programação especial em comemoração ao Dia Nacional da Juventude





No último final de semana, a Paróquia Nossa Senhora da Conceição, em Campos Belos (GO), realizou uma programação especial em comemoração ao Dia Nacional da Juventude (DNJ). 

Sob a coordenação do pároco, padre Luiz Alberto da Silva, os paroquianos prepararam um circuito de atividades tais como: louvor, gincana, pregações, show e santa missa.

Com caravanas das cidades circunvizinhas e também com a presença de comunidades da zona rural, o evento iniciou na tarde de sábado com a apresentação das equipes que participaram da gincana. 

Com entrada gratuita, durante a noite todos os presentes prestigiaram o show do Ministério Adoração e Vida, cujas pregações foram conduzidas pelo cantor Walmir Alencar.

Uma noite para ficar na história não só da paróquia, mas de todas a comunidades que participaram do momento. 

Durante o show, além de iniciar com a bênção do Santíssimo, na medida em que cantava as músicas do repertório, Walmir Alencar falava do amor de Deus de forma bastante peculiar.

A manhã de domingo foi marcada pela participação do padre Lenício da Silva Nascimento, da Paróquia Mãe Rainha, cidade de Palmas – Tocantins, que de maneira jovem, alegre e despojada convidou os jovens presentes a viverem a santidade de calça jeans e tênis, a experimentarem ser a igreja em saída tão conclamada pelo Papa Francisco.

O enceramento do evento foi marcado pela celebração da Santa Missa que contou com a participação de um grande número de paroquianos. 

Ocasião na qual o padre Luiz Alberto destacou a importância da juventude na construção de um mundo mais justo, no qual todos tenham direito a viver em dignidade, no espírito litúrgico dominical, o pároco refletiu sobre a Oração humilde e constante do cristão, pois, essa nos ajuda a viver o amor de Deus em nossa vida.

Para Adele Barbosa, o DNJ 2019 “Como sempre um evento lindo e abençoado. Que abraça não somente a juventude como também toda a Família. Muito bom!”. O jovem Edson Almeida afirmou 

“O evento foi ótimo. O padre e toda equipe organizadora estão de parabéns”. Sobe o show, Renata Braga disse “Senti-me muito tocada pelo Espírito Santo”.

A sensação de dever cumprido chega com testemunhos como o do jovem Victor Rodrigues dos Santos Lima Leite “Você não tem noção do quanto é bom estar em uma festa sem bebidas, se drogas ou outra coisa assim. Uma alegria pura, sem ressaca no outro dia. Quero participar mais e mais”.

Texto e fotos: PASCOM – Pastoral da Comunicação, Paróquia Nossa Senhora da Conceição







Bom Jesus da Lapa (BA): Quatro pessoas da mesma família desaparecem em trecho do Rio São Francisco





Quatro pessoas da mesma família desapareceram após entrarem em um trecho do Rio São Francisco, na altura de Bom Jesus da Lapa, cidade do oeste da Bahia, no domingo (27).

Conforme a 38 ª Companhia Independente da Polícia Militar (CIPM), que atende na região, o caso ocorreu por volta das 16h, na região conhecida como Ilha da Mariquinha.

De acordo com a Marinha do Brasil, as vítimas são uma mulher, os dois filhos e o companheiro dela. Não há informações sobre o nomes e idade deles.

Ainda não há detalhes sobre as circunstâncias do acidente. As buscas são feitas pela Marinha do Brasil. Até a manhã desta segunda-feira (28), apenas o corpo de uma das vítimas havia sido localizado.

Fonte: G1

Há dois anos: Frei monta clínica de hemodiálise com doações de fiéis, na cidade de Goiás


Texto publicado em junho de 2017, no G1

O frei Marcos Lacerda de Camargo mobiliza fiéis para doarem e ajudarem na construção de uma clínica de hemodiálise na cidade de Goiás, no noroeste goiano. 

Ele afirma que a obra deve custar cerca de R$ 2 milhões e já começou a ser feita em um espaço da Associação de Saúde São Pedro de Alcantara (Aspag), da qual é presidente. 

A entidade aceita doações por meio do site, por onde conseguiu R$ 240.

“Esse é um espaço que a São Pedro já possuía, então aproveitamos, e vai encaixar exatamente uma clínica com 30 leitos, com 35 de reserva. 

Com isso, a gente pretende atender toda a região”, disse o padre em entrevista à TV Anhanguera.

O secretário de saúde do município, João Batista Neto, elogiou a iniciativa e afirma que a clínica será usada não só por moradores da cidade de Goiás, mas por quem vive em toda a região.

“Vai beneficiar mais de 130 pessoas que hoje têm que fazer hemodiálise três vezes por semana e têm que viajar para longe. Dessas, nove fazem o procedimento em Iporá, 19 em Goianésia e os outros em Goiânia”, contou.
Desgaste

Moradores da cidade e de municípios próximos relatam os trajetos são longos e cansativos. A dona de casa Jaci Domingas da Silva Camargos é uma das pacientes que faz o tratamento na capital e conta que a viagem torna tudo mais difícil.

“É desgastante, porque além da hemodiálise ainda tem a viagem de ida e volta. Tem dias que a gente passa mal mesmo de não dar conta nem de vir embora, de precisar ir para a casa de algum amigo ou parente para ficar lá, porque não tem como voltar”, disse.

Ela destaca que a clínica vai representar uma facilidade para todos os moradores da região que precisam passar pelo procedimento. “Já é uma esperança melhor porque deixa de ter o desgaste da viagem. Fica somente a hemodiálise, que já não é fácil”, concluiu.

O radialista Rogério do Espírito Santo também precisa passar pelo procedimento e conta que não pode abrir mão. “Vamos três vezes por semana: segunda, quarta e sexta. 

Saímos daqui às 15h. Temos que fazer essa filtragem, se não teremos problemas e podemos não continuaremos vivos”, pontuou.


texto: G1

De Cavalcante (GO): Morre Carlos França, professor de história do Sigma, em Brasília


O professor Carlos França, do Centro Educacional Sigma, morreu na última quinta-feira (24/10/2019), aos 67 anos. 


Figura conhecida pela irreverência e capacidade de chamar a atenção apenas pela força do olhar penetrante, o docente não só ensinou, fez história nas quase três décadas em que atuou na instituição.

Ele era formado em história e direito, e abraçou a profissão, atuando por quase 40 anos na transmissão dos conhecimentos a diferentes gerações de alunos do DF.

França enfrentava um câncer, descoberto em agosto de 2018. Alunos chegaram a realizar uma campanha de doação de sangue, já que, após seis sessões de quimioterapia, o professor precisava fazer um autotransplante de células-tronco.


Ele deixa filhos, irmão e netos. 

Nascido em 18 de março de 1952, em Cavalcante (GO), militou em prol da educação e foi um dos fundadores do Sindicato dos Professores em Estabelecimentos Particulares de Ensino do Distrito Federal (Sinproep), onde exercia, atualmente, o cargo de vice-presidente. França também era membro do Conselho de Educação do DF.

“É uma perda irreparável para o Sinproep-DF, que, por certo, sentirá a sua falta. Rendemos as nossas homenagens a esse bravo companheiro que nos deixa precocemente”, publicou a instituição nas redes sociais.

Em nota publicada nas redes sociais, o Sigma também lamentou a perda. 

“Suas marcas afetivas, bem como seus ensinamentos, estão em todos que puderam conviver com ele: família, amigos e colegas de profissão. 

E os alunos?! Esses tiveram o grande privilégio de ver o mestre em ação. E mais, de conviver com um gigante que ensinou muito mais do que os livros são capazes de contar.”

Fonte: Metrópoles 

Artigo jurídico: "Seus filhos estão livres de abusos sexuais dentro de casa?"


Por Thiago Costa Lima, advogado criminal,

Quando eu era estagiário em 2016, na 3ª Vara Criminal de Anápolis/GO, auxiliava a Juíza a fazer audiência. Após eu ter chamado a vítima, pedi que ela se sentasse em uma cadeira, que ficava em frente a Juíza.

A menina tinha um corpo já formado, de mulher, o cabelo era longo, o rosto delicado e aparentava no máximo 19 anos. Estudava na Universidade UniEvangélica e morava próximo dela. Por coincidência, eu estudava na mesma faculdade e morava próximo também.

O curso era noturno e naquele dia terrível, enquanto voltava para a sua casa foi abordada pelo réu, que com uma faca e sob constantes ameaças de matá-la a obrigou a entrar num terreno baldio.

Foi estuprada. O réu ainda levou o seu celular. A menina destruída foi levada para o Hospital de Urgência, que por sorte também ficava no mesmo bairro. Morava no interior do Estado de Goiás, trancou o curso e nunca mais tive notícias dela.

Essa história é apenas uma das várias que acontecem praticamente a cada hora no Brasil.

O instituto Rainn, ONG americana que atua contra crimes sexuais afirma que 93% das vítimas menores de idade eram próximas do estuprador. [1] Tais estupradores na maioria das vezes foram os pais, avós, tios ou amigos íntimos da família.

COMO PREVENIR ABUSOS SEXUAIS:

Ficou claro que os nossos filhos correm grande risco de sofrerem abusos sexuais. Apesar disso, há algumas coisas que podemos fazer para prevenir abusos:

1. Não deixe o seu filho sozinho: o ideal é nunca deixar o menor longe do pai, da mãe ou de um responsável de absoluta confiança.

No entanto, nem sempre isso é possível, pois há muitas atividades durante o dia, como trabalho, estudo, ir ao mercado, etc. Mas mesmo assim deixe o seu filho com alguém que você confie, que tenha boa índole.

2. Não toque: ensine a criança que as partes íntimas não podem ser tocadas ou mostradas a outras pessoas bem como ninguém pode mostrar para elas.

Ensine os nomes dos órgãos sexuais, fale pra ela que se alguém pegar ou tentar ver, ela deve contar para o papai e a mamãe.

É importante os pais conversarem abertamente sobre essas questões sexuais com os filhos.

COMO IDENTIFICAR ABUSOS:
Há alguns sinais que indicam que ocorreu abuso sexual contra a criança ou adolescentes:

Mudanças de comportamento: fora do padrão.

Proximidades excessivas: normalmente o abusador é bem próximo da vítima, dá presentes, a convida para dormir em circunstâncias em que ele poderá ficar sozinha com ela.

Comportamentos infantis repentinos: regressão, a criança ou o adolescente volta a ter atitudes infantis.
Silêncio predominante: abusador chantageia ou ameaça a criança para manter o silêncio.

Mudanças de hábito súbitas: sono, falta de concentração, aparência descuidada, etc.

Comportamentos sexuais: criança faz brincadeira, usa palavras ou faz desenhos com conteúdo sexual.

Traumatismos físicos: agressões, doenças sexuais e gravidez.

Enfermidades psicossomáticas: dor de cabeça, dificuldade digestiva, etc.

Negligência: é comum viverem em ambientes de negligência familiar. 

Frequência escolar: faltas e baixa rendimento escolar.

A IMPORTÂNCIA DA DENÚNCIA:

É mais que necessário o incentivo à denúncia de abusos sexuais.

Os pais, os professores e as autoridades públicas devem se empenhar para alertar as vítimas sobre a importância de denunciar os abusadores.

A educação sexual é um dos melhores caminhos para que as crianças e os jovens saibam quais são os limites saudáveis para a sexualidade. Pois, há poucas coisas tão perversas do que um abuso sexual.

Thiago Costa Lima, advogado criminal.

Email: thiagocostalima_7@hotmail.com

Site: https://thiagocostalima.webnode.com/

Facebook: Thiago Costa Lima

Instagram: @thiagocostalima.adv

1 - https://www.rainn.org/statistics/perpetrators-sexual-violence

segunda-feira, 28 de outubro de 2019

Combinado (TO) comemora os 90 anos de "Seu Joaquinzão"




Não é todo dia que se completa 90 anos de idade.

Foi por essa razão que a grande família do seu Joaquim Vieira de Aragão, um dos mais ilustres e pioneiros moradores da cidade de Combinado, sudeste do Tocantins.

O evento foi um festão e ocorreu no último dia 19 de outubro.

Nascido em Sergipe, "Seu Joaquim", fugindo da seca nordestina, decidiu abandonar o Sertão e foi morar em Combinado, no idos de 1983, ainda distrito de Arraias e quando tudo era o velho Goiás. 

O Sonho era ter sua terrinha e poder cuidar e zelar de sua honrosa família. 

E como ele foi vitorioso nessa empreitada. 

Ao longo dos anos, Seu Joaquim construiu sua linda família, composta por 14 filhos, 43 netos e 10 bisnetos.

A festança, no entanto, teve que ser realizada em outro estado. 

"Ele tinha o sonho de fazer sua festa de 90 anos e escolheu a cidade de Santo Antônio do Fontoura, no estado do Mato Grosso, pois a maioria dos filhos moram lá", disse uma de suas netas. 

As celebrações do nonagésimo aniversário de "Seu Joaquim, de Combinado"  foram realizadas na casa de Jaildo, um dos 14 filhos, onde se reuniram todos os demais filhos e a maioria dos netos.

"Foi uma grande festa e reunião da família Aragão, que contou com a presença de alguns amigos que fizeram questão de prestigiar o grande momento".  






Um verso de Cordel para os 90 anos de "Seu Joaquinzão"