quarta-feira, 25 de setembro de 2019

Matopiba entra na rota da inovação do agronegócio


Luís Eduardo Magalhães, no oeste baiano, que integra o Matopiba (MA, TO, PI e BA), uma das áreas agrícolas mais produtivas do país, deu a largada a um processo voltado para tornar o agronegócio brasileiro ainda mais tecnológico, eficiente e inovador. 

Com investimento de R$ 5 milhões do capital privado, principalmente de grandes produtores da região, foi inaugurada a Cyklo Agritech Aceleradora de Projetos e Startups, no último dia 21.

Em outubro, a Cyklo lançará edital para selecionar 10 startups para o processo de aceleração, que durará nove meses, de janeiro a setembro de 2020. 

Cada startup escolhida receberá até R$ 200 mil em troca de equity, ou seja, participação no capital da empresa. As agritechs se instalarão no município para desenvolver os projetos.

A Cyklo ocupa uma área de 722 metros quadrados na área central do município, onde está instalado seu centro de inovação. 

É a maior planta física do país especializada em aceleração de startups agro. 

A cidade servirá de laboratório para desenvolver tecnologias que atendam às demandas do agronegócio, disponibilizando propriedades rurais para os testes e levantamentos.

Segundo o CEO da Cyklo, Pompeo Scola, a aceleradora contribuirá para expandir ainda mais a produtividade e o desempenho da agricultura no Brasil, em sintonia com as necessidades mundiais na área de alimentos, onde o país tem oportunidade de ser líder da cadeia de fornecimento na próxima década.

“Esse é um sonho que começou lá atrás, quando víamos algumas startups chegando ao mercado, mas sem aplicabilidade [para o agro da região]”, diz o engenheiro agrônomo e consultor agronômico Luís Henrique Kasuya, paranaense radicado no município. 

“Queremos ter aqui as melhores startups do agro para atender à região e também exportar tecnologia.”

Fonte: Agrolink 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.