terça-feira, 3 de setembro de 2019

Deu ruim: presos rejeitam assassino de professor, que deve ser levado a Valparaíso


Anderson da Silva Leite Monteiro, 18 anos, responsável pela morte do professor Bruno Pires de Oliveira, 41, pode ser transferido para o presídio de Valparaíso.

De acordo com o delegado Cléber Junio, do Grupo de Investigação de Homicídios (GIH), de Águas Lindas, os detentos da Cadeia Pública de Águas Lindas rejeitaram o estudante.

O acusado foi preso na tarde de sábado (31/8), em Nova Roma (GO), município distante 360 km de Brasília e a 90k de Posse, para onde foi levado, interrogado e passou pelo exame de corpo de delito.

À polícia, Anderson confessou o crime e alegou que a intenção era dar um susto no professor, cortando a barriga dele, no entanto, a faca acabou perfurando o abdômen de Bruno, que acabou morrendo momentos depois. 


No depoimento, Anderson contou que foi conversar com professor para pedir uma chance de ser reintegrado ao programa Mais Educação, porém, segundo ele, Bruno teria dito que o aluno era "um vacilão". 

No momento, o rapaz sacou a faca, que estava escondida na cintura, e deu um golpe contra a vítima.

A faca usada no crime foi emprestada por um amigo do acusado, também aluno do Colégio Estadual Machado de Assis (Cema). 

Segundo a polícia, o colega não sabia as intenções de Anderson. A arma foi abandonada próximo ao local do crime e logo localizada e apreendida pelos policiais.

Anderson será indiciado por homicídio doloso consumado qualificado, em virtude da motivação fútil e recurso que impossibilitou a defesa da vítima. Ele pode pegar pena de até 30 anos de prisão. 

De acordo com a polícia, o acusado não apresentou advogado.

O caso foi comunicado à Assistência Jurídica da Comarca de Águas Lindas. O estudante não tem passagens pela polícia

Informações, Polícia Civil e Correio Braziliense

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.