segunda-feira, 30 de setembro de 2019

Em Campos Belos, centenas vãos às ruas da cidade e estradas da zona rural em passeio ciclístico




Centenas de pessoas participaram, neste domingo (29), de um passeio ciclístico em Campos Belos (GO), nordeste do estado. 

A atividade desportiva tem despertado o interesse de muita gente e a cada dia tem adquirido mais adeptos. 

Os ciclistas percorreram diversos quilômetros, inclusive pela zona rural do município. 

Muitas crianças, como Sofhia Vitória, estiveram presente no movimento pela saúde.  

E todos deram sorte, porque o clima estava bom, com muitas nuvens e calor ameno.  

Idosa moradora de rua é encontrada morta com sinais de violência em Formosa (GO)


O corpo de uma mulher de 63 anos, identificada como Leonor Fernandes dos Reis, foi encontrado na manhã de domingo (29), na Rua Visconde de Porto Seguro, em Formosa (GO).


O corpo foi encontrado enrolado em um cobertor, debaixo da sacada de uma loja, situada no centro da cidade. 

A vítima apresentava agressões no pescoço, costas e partes íntimas. Segundo a polícia, há sinais de que ela pode ter sofrido violência sexual, como estupro.

Uma equipe da Polícia Militar e do SAMU estiveram no local. No entanto já encontraram a idosa morta. 

A polícia técnico científica realizou a perícia e depois removeu o corpo para o IML da cidade.

Várias equipes da Polícia Militar realizaram diligências na região, mas até o fechamento desta matéria ninguém havia sido preso.

A vítima era moradora de rua em Formosa. Em um áudio, a irmã da idosa contesta informação de estupro.  Para ela, a irmã morreu de morte natural. 

A polícia segue investigando o caso.

Urgente: Governo Caiado contrata 2.524 Vigilantes Penitenciários Temporários com salário de R$ 1,9 mil


O Governo de Goiás, na gestão de Ronaldo Caiado (DEM), por meio da Secretaria de Estado da Administração – Sead, informa a abertura do Processo Seletivo Simplificado, em caráter excepcional, que visa a contratação de 2.524 (dois mil, quinhentos e vinte e quatro) Vigilantes Penitenciários Temporários – VPT’s para a Diretoria-Geral de Administração Penitenciária – DGAP.

O edital 005/2019 foi publicado nesta segunda-feira, 30/09

As inscrições estarão abertas a partir do dia 04/10/2019 e terminam até as 18h do dia 21/10. 

As provas estão programadas para dezembro e será exigido segundo grau completo.

O Processo Seletivo Simplificado justifica-se pela necessidade temporária de excepcional interesse público. 

A remuneração é de R$ 1.950,46 (mil, novecentos e cinquenta reais e quarenta e seis centavos), composto de vencimento e Gratificação de Risco de Vida e de Auxílio-Alimentação, nos termos da Lei nº 19.951, de 29 de dezembro de 2017, podendo ainda o contratado ser remunerado por prestação de serviços extraordinários.

A jornada de trabalho é de 40 (quarenta) horas semanais, preferencialmente em regime de plantão, compreendendo dias úteis, sábados, domingos e feriados, fixada de acordo com a necessidade da DGAP/GO, resguardando o repouso semanal remunerado.

As inscrições estarão abertas a partir do dia 04/10/2019 e serão encerradas no dia 21/10/2019, exclusivamente via internet, no site www.escoladegoverno.go.gov.br. 

O último dia para o pagamento da taxa de inscrição será dia 22/10/2019. A taxa de inscrição é de R$ 40,00 (quarenta reais).

O Processo Seletivo Simplificado será realizado em uma única etapa. A prova objetiva, com data especificada no Cronograma. 

As demais informações de interesse dos candidatos constarão da íntegra do Edital 005/2019 divulgado no site oficial do certame.

Um duro ataque ao livro "Nada menos que tudo"


Segundo o jornalista Jailton de Carvalho, amigo nosso e autor do livro "Nada menos que tudo", que fala sobre a bomba do Janor, diz que a obra dele vem sofrendo, desde o início a manhã desta segunda-feira, um duro ataque. 

Uma cópia do livro foi hackeada e está sendo distribuída massivamente em grupos de Whatsapp. 

"Já fui alertado sobre fraude por procuradores, delegados, peritos, jornalistas, servidores públicos e até por um dos meus filhos. Ele, estudante da UnB, recebeu dois arquivos. Um repassado por amigos estudantes. Outro por colegas de peladas. Nunca vi nada parecido."

Segundo o autor, ao que tudo indica é um ataque mais agressivo e mais abrangente que aqueles que vimos nas últimas eleições presidenciais. 

"E o pior de tudo é que algumas pessoas estão compartilhando o PDF roubado como se estivesse fazendo uma ação humanitária. Não se dão conta de que estão colaborando com um crime."

Distrito Federal terá de qualificar 118 mil trabalhadores em profissões industriais até 2023


O Distrito Federal terá de qualificar 118.688 trabalhadores em ocupações industriais nos níveis superior, técnico, qualificação e aperfeiçoamento entre os anos de 2019 e 2023. 

Os dados são do Mapa do Trabalho Industrial, elaborado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) e divulgado nesta segunda-feira (30).

Segundo o diretor do SENAI no Distrito Federal, Marcos Secco, os setores que mais vão demandar mão de obra técnica profissional, nos próximos quatro anos, são de informática; logística e transporte; energia e telecomunicações; eletroeletrônica e profissionais transversais, que exercem funções em qualquer segmento, como técnico em eletrotécnica e técnico de controle de produção.

Secco aponta que a capacitação profissional dos jovens, por meio da formação técnica, é importante não só para melhorar a produtividade e competitividade das empresas, mas também como forma de inserir novos profissionais no mercado de trabalho brasiliense.

“A qualificação é uma forma rápida de ajudar a ter uma opção de profissão. Um jovem ou trabalhador que faz um programa de qualificação, de aperfeiçoamento ou curso técnico acaba tendo possibilidade de desenvolver novas iniciativas”, explicou.

Qualificação profissional

O estudo do SENAI prevê, ainda, que o Distrito Federal precisará aperfeiçoar a formação de trabalhadores que já estão empregados. Isso acontece por meio da oferta de cursos de qualificação, de carga horária superior a 200 horas, voltados para o desenvolvimento de novas competências e capacidades dos profissionais. As maiores demandas estão nas áreas de metalomecânica; alimentos; construção; eletroeletrônica; e energia e telecomunicações.

Fernando Trigueiro, de 38 anos, é gerente de logística em uma empresa de Brasília e percebeu que precisava melhorar o currículo. Ele decidiu estudar sobre energia solar fotovoltaica no SENAI e conta que os cursos acrescentaram experiência para ele na área.

“A cada curso que faz, você pode se tornar um profissional naquele segmento. Isso abre um leque de oportunidades”, contou.
Ainda de acordo com o Mapa do Trabalho Industrial, entre as ocupações que exigem cursos de qualificação técnica de carga horária inferior a 200 horas e que mais vão demandar profissionais capacitados no DF, estão as de padeiros; confeiteiros; e instaladores e reparadores de linhas, cabos elétricos, telefônicos e de comunicação de dados.

Na avaliação da deputada federal Celina Leão (PP-DF), os cursos oferecidos por instituições como SESI e SENAI são diferenciados porque preparam os jovens para atuar em áreas demandadas especificamente para cada região do país. Assim, uma vez qualificado, o aluno não precisa sair do estado de origem para conseguir um emprego.

“É um trabalho de excelência, de qualidade, eficaz. Eu entendo que esse é um trabalho de qualidade e não tem ninguém que oferece o serviço que o SESI e SENAI oferecem, com a forma e preço que chegam ao mercado”, defendeu.

Para quem tiver interesse em saber mais sobre alguma dessas áreas, basta acessar sitefibra.org.br/senai ou comparecer a uma das unidades do SENAI. Mais informações podem consultadas pelo telefone (61) 4042-6565.

Novo prédio do SAMU de Campos Belos será inaugurado nesta terça-feira (1)



O novo prédio do SAMU (Serviço Médico de Emergência) de Campos Belos (GO) será inaugurado e entregue à sociedade nesta terça-feira (1). 

A obra é uma conquista pessoal do prefeito da cidade Eduardo Terra, que cedeu o terreno e correu atrás de recursos públicos para bem amparar os profissionais do SAMU, que salvam vidas todos os dias. 

A obra será inaugurada numa data simbólica, 1º de outubro, quando o município completa 65 anos de emancipação política; deixou de ser distrito de Monte Alegre de Goiás e se tornou um município autônomo. 

Ainda no mesmo dia, será inaugurada a segunda Central de Merenda Escolar, outra importante obra municipal.  

Um maquinário de terraplanagem, chamada de PC, também foi entregue hoje à comunidade. 

O maquinário deve ajudar os pecuaristas na abertura de barragens. 

O evento está programado para começar às 9h. 




IBGE abre processo seletivo. Há vagas para Campos Belos, Posse e Planaltina


O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) está com inscrições abertas para o processo seletivo simplificado que vai contratar, em caráter temporário, uma equipe para o Censo Demográfico 2020.

Ao todo, estão sendo ofertadas 112 vagas para Goiás, sendo 63 para o cargo de agente censitário operacional (nível médio) e 49 para coordenador censitário subárea (nível superior). Os salários variam entre R$1.700 e R$3.100.

Os interessados devem se inscrever até o dia 15 de outubro, no site da FGV Projetos, banca organizadora do certame, e o valor da taxa de inscrição é de R$ 42,50 para o cargo de agente censitário e R$ 58 para coordenador.

A previsão é que o contrato tenha duração de até (doze) meses, podendo ser prorrogado conforme a necessidade para a conclusão do Censo 2020 e a disponibilidade de recursos orçamentários.

A jornada de trabalho será de 8 horas diárias, totalizando 40 semanais, e os selecionados receberão benefícios como auxílio alimentação, transporte e pré-escolar, além de férias e 13º salário proporcionais.

Incêndio na Chapada dos Veadeiros ameaça território quilombola



Um incêndio espalha-se pelo Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, destruindo parte da unidade de conservação localizada no nordeste de Goiás. 

Em comunicado divulgado nas redes sociais, a Rede Contra o Fogo, que reúne voluntários, afirma que o fogo atingiu cerca de 3 mil hectares no interior do parque e mais 3,5 mil hectares no entorno da unidade de conservação. 

A Delegacia Estadual do Meio Ambiente instaurou inquérito para investigar as causas do incêndio e apontar eventuais responsáveis.

O incêndio dura uma semana. Desde sexta-feira (27), quase uma centena de bombeiros, brigadistas do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), além de voluntários da Rede Contra Fogo atuam dia e noite, sem interrupções. 

Somente ontem (28), foram empregados quatro aviões-tanque para lançar água e retardantes de chamas, um helicóptero, veículos, drones e todos os equipamentos necessários à tentativa de conter o avanço das chamas.

Ainda de acordo com o Corpo de Bombeiros, uma das grandes dificuldades da missão decorre da extensão das áreas atingidas pelo fogo. 

Só uma das linhas de fogo, na região do Rio dos Couros, fora do parque nacional, chegava a medir cerca de oito quilômetros. 

O terreno acidentado dificulta o avanço dos bombeiros, brigadistas e voluntários. 

As chuvas isoladas dos últimos dias enfraqueceram alguns focos, mas foram insuficientes para apagarem as chamas.

Com cerca de 240 mil hectares (cada hectare corresponde aproximadamente a um campo de futebol oficial), o parque abriga espécies e formações vegetais únicas, centenas de nascentes e cursos d’água e é reconhecido pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) como Patrimônio Natural da Humanidade.

Kalunga

Além do parque nacional, as chamas também ameaçavam o maior território quilombola do país, habitado pelo povo Kalunga, sobretudo em Cavalcante (GO). 

Segundo o coordenador da Brigada Voluntária Ambiental de Cavalcante, Rafael de Souza Drumond Farias, as chuvas dos dois últimos dias ajudaram nos esforços, e o fogo, que vinha avançando muito rapidamente, agora está sob controle.

“Há quase um mês, vínhamos registrando, quase diariamente, focos de incêndio no município de Cavalcante. 

Ontem, começou a chover na região. Com as ações de combate ao fogo e as chuvas das últimas horas, podemos dizer que o fogo está sendo debelado no território Kalunga”, contou Farias a Agência Brasil.

A Brigada Voluntária Ambiental de Cavalcante foi criada em 2017, ano em que a região foi atingida por um incêndio de grandes proporções que destruiu cerca de 90 mil hectares de vegetação. 

Hoje, a brigada está formalmente constituída, sendo um departamento de prevenção ao fogo subordinado à Associação de Condutores de Ecoturismo de Cavalcante e Entorno (ACECE). 

A maioria dos brigadistas é formada por guias turísticos que atuam voluntariamente, recebendo cursos de especialização, equipamentos e seguro de vida.

Fonte: Agência Brasil

PF no nordeste de Goiás: Operação Dente de Leão reprime desvios de recursos públicos em Flores do Goiás


A Polícia Federal deflagrou na última sexta-feira (27) a operação Dente de Leão.

O objetivo foi reprimir o desvio de verbas públicas no município de Flores do Goiás/GO. Foram expedidos cinco mandados de busca e apreensão pela Justiça Federal de Luziânia/GO.

As investigações apontam que recursos públicos do município de Flores de Goiás, recebidos via transferência do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação – FNDE, foram desviados do programa Caminho da Escola e utilizados na compra de materiais de construção que posteriormente foram distribuídos em troca de votos nas eleições municipais suplementares de 2012 e 2013. 

Em apenas dois casos, os policiais identificaram valores desviados no montante aproximado de 1 milhão de reais.

Os investigados são suspeitos da prática dos crimes de responsabilidade e peculato.

Em Paranã (TO), polícia prende dupla suspeita de matar homem com golpes de machado e atear fogo em casa


A Polícia Civil do Tocantins, prendeu, nesta sexta-feira (27), dois homens suspeitos de matar Nivaldo Pereira dos Santos.


A vítima foi assassinada com golpes de machado em uma chácara na região da fazenda Lagoinha, em Paranã (TO), região sudeste do estado.

Segundo a polícia, os suspeitos também atearam fogo no local onde Nivaldo vivia e o corpo dele foi encontrado carbonizado.

A Polícia Civil informou que tomou conhecimento do caso na quinta-feira (26) e prendeu os suspeitos no dia seguinte. 

O delegado responsável pelo caso, Rafael Santos e Silva, informou que a previsão é que o inquérito seja concluído em 10 dias. 

Os motivos do crime também não foram divulgados. 

Os dois suspeitos estão na Cadeia Pública de Paranã onde permanecerão à disposição do poder judiciário.

IF Goiano Campus Campos Belos recebe o projeto FICA Itinerante


No último dia 26, o IF Goiano Campus Campos Belos recebeu  o projeto FICA Itinerante - Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental, realizado pela Secretaria Municipal de Educação e Cultura do Município de Campos Belos. 

A atividade foi realizada com a apresentação de video com o tema: Reciclagem e Sustentabilidade. 

Na oportunidade, esteve presente no evento a Secretária de Educação do Município, Reginalda Rodrigues Galvão. 

Naturatins vistoria processos do ICMS Ecológico com pontuação regular



No último trimestre, a equipe do ICMS Ecológico do Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins) realizou visitas de vistoria em 19 municípios, para compreender os motivos da pontuação regular nas avaliações. 

Esse monitoramento busca atender as recomendações do Tribunal de Contas do Estado do Tocantins (TCE). 

Nesta quinta-feira, 26, o Instituto divulga que durante a visita foram reforçadas as orientações sobre as regras do ICMS Ecológico e a importância desse recurso para a arrecadação dos municípios.

Em 2019, 136 dos 139 municípios tocantinenses deram entrada de processo do ICMS Ecológico no Naturatins, o maior volume registrado nos últimos seis anos. 


Ainda nesse ano, será realizado o Workshop ICMS Ecológico do Naturatins, que reúne os representantes dos municípios em mais um treinamento para atualização dos procedimentos. Todos os municípios serão informados do horário e local de realização.

Sebastião Albuquerque, presidente do Naturatins, afirmou que as equipes do setor de ICMS Ecológico no Instituto estão dedicadas ao esclarecimento de dúvidas dos municípios que encontraram dificuldades. 

Albuquerque destaca que mais de R$ 60 milhões já foram distribuídos aos municípios, de janeiro a agosto desse ano, conforme relatórios da Secretaria da Fazenda e Planejamento do Tocantins. 

O presidente acredita que os municípios com desempenho regular vão se esforçar, para corrigir suas carências.

O técnico do ICMS Ecológico do Naturatins, Ruy Reis de Souza informou que, em cada município visitado foi realizada uma avaliação individualizada das ações e resultados alcançados. 

Segundo Ruy de Souza, nos relatórios das vistorias, se destacaram entre as dificuldades encontradas, a carência de preparo técnico para a realização das ações e projetos ambientais, além do desconhecimento dos fatores que compõem o ICMS Ecológico.

Todo ano, o Naturatins reforça o treinamento dos responsáveis pela formalização do processo de ICMS Ecológico dos municípios e aponta qualquer mudança que tenha ocorrido nesse intervalo. 

Porém, sob o ponto de vista técnico, Ruy Souza disse que vários fatores podem colaborar com cada um dos cenários encontrados.

Ele explicou que o processo do ICMS Ecológico reúne informações de várias etapas, de diferentes ações realizadas no município, ao longo de um ano e a simples mudança de um componente da equipe, por exemplo, pode interferir no fluxo das informações.

As recomendações aos municípios incluem a atualização contínua da capacitação de servidores municipais responsáveis pela formalização do processo e das equipes executoras das ações e projetos, além do compartilhamento do cronograma de prazos, indicação do local de entrega das informações.

De junho a agosto desse ano os técnicos do Naturatins, Ruy de Souza, Karllayle Azevedo e Tiago Gomes visitaram os municípios de Araguatins, Nazaré, Ananás, Riachinho, Piraquê, São Miguel do Tocantins, Axixá, Presidente Kennedy, Darcinópolis, Ponte Alta do Bom Jesus, Taguatinga, Aurora do Tocantins, Lavandeira, Combinado, Novo Alegre, Paranã, Arraias, Conceição do Tocantins e Taipas.

ICMS Ecológico

O ICMS Ecológico é um programa instituído por Lei Estadual 2959/2015, que destina uma parte do ICMS aos municípios realizadores das ações e projetos que visam promover melhorias da qualidade ambiental. 

De acordo com o volume da arrecadação do ICMS do Estado e a pontuação municipal, o ICMS Ecológico pode oferecer importante contribuição aos beneficiados.

De acordo com o relatório da Secretaria Fazenda e Planejamento do Tocantins, no ano de 2018 foram redistribuídos mais de R$ 87,3 milhões, por meio desse mecanismo. E em 2019, a redistribuição do recurso aos municípios, já soma de janeiro a agosto, mais de R$ 60 milhões.

Fonte: Naturatins

Quilombolas de Cavalcante (GO) solicitam autorização para plantio mecanizado em roças


Membros da comunidade quilombola do Vão do Moleque e da Associação Quilombo Kalunga (AQK), moradores de Cavalcante, região Nordeste de Goiás, pediram ao governo estadual uma autorização para mecanizar o plantio de roças.

Os Kalungas querem frear as multas aplicadas pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) por utilizarem poucos equipamentos mecanizados e técnicas menos rudimentares de plantação. 

 Sem a autorização do Estado, eles são limitados a usarem as técnicas de roças de toco ou de coivara, predominantemente manual, e com uso de fogo.

De acordo com informações do Ibama local, muitos quilombolas foram multados e a comunidade se diz ameaçada de prisão e apreensão de maquinários em caso de uso de implementos agrícolas para preparo do solo. 

Segundo o presidente da AQK, Vilmar Souza Costa, a associação já realizou levantamento junto aos membros da comunidade interessados no cultivo do solo e contratou um técnico especializado para apoiar a iniciativa.

Em 26 de setembro, a associação publicou uma nota pública com alerta à comunidade sobre interesses de “poderosos empresários” em destituir a diretoria para dar continuidade na construção da represa PCH Santa Mônica. “Saibam que por trás desse ataque há um motivo político principal”, diz a nota.

A Secretaria Estadual de Meio Ambiente de Goiás (Semad) marcou um encontro com a comunidade em outubro com a proposta de informar sobre a legislação aplicável que não estabelece nenhuma restrição expressa para o uso de maquinários nas roças e propor soluções de longo prazo, como, por exemplo, o estabelecimento de acordos voluntários autorizativos.

“A Semad, desde já, deixa claro que não há previsão legal que impeça os membros da comunidade quilombola de realizar seus plantios mecanizados nas pequenas roças, de modo que se torna totalmente dispensável qualquer autorização para tanto, especialmente quando não envolver supressão de vegetação do cerrado. 

Nesse sentido, a comunidade pode dar início imediato aos plantios mecanizados em roças já abertas, recomendando-se que não sejam realizadas intervenções nas margens dos rios e córregos, nas nascentes, encostas íngremes, topos de morros, montes, montanhas, serras e veredas”, ressalta a nota do órgão enviada á imprensa.

Fonte: Mais Goiás

quinta-feira, 26 de setembro de 2019

Conquista histórica: comunidade do Vila Esperança, em Campos Belos (GO), cria Associação de Moradores. Agora é mais força e poder







Depois de muita luta, os moradores do bairro Vila Esperança, em Campos Belos, nordeste de Goiás, conseguiram criar a associação de moradores do bairro.

No último dia 15 de setembro, foi publicado o edital aqui no Blog, convocando todos os interessados para a realização da Assembleia Geral de Constituição da Associação, aprovação de estatuto e eleição da primeira diretoria.

O evento ocorreu na rua Jovelino Serafim dos Reis, Quadra 02, Lote 38B, Bairro Vila Esperança.

A convocação deliberou sobre a Constituição Associação dos Moradores do Vila Esperança; Apreciação e aprovação do Estatuto Social; Eleição dos órgão e dirigentes da Associação e Definição da sede.


Assim, foi criada a Associação dos Moradores  do Vila Esperança. 

A entidade agora terá força e legitimidade.

Qual o papel mesmo de uma Associação ?

Alguns pensam que o papel da Associação de Moradores é só reivindicar do poder público as melhorias para a comunidade. 

Outros acham que ela é uma espécie de clubinho, que cuida de organizar o lazer para uns poucos cidadãos.

Existem ainda os que entendem a associação como sendo um comitê eleitoral. Ou seja, a diretoria pede aos vereadores ou secretários da prefeitura algumas melhorias e, os “favores” recebidos, são pagos na próxima eleição através da campanha em favor do “benfeitor” ou dos candidatos indicados por ele.

Em realidade, o papel da Associação de Moradores na comunidade é um conjunto de ações em defesa dos interesses dos moradores, em qualquer área que eles se apresentarem. 

A seguir algumas maneiras de realizar a defesa destes interesses. Esta lista, porém, deve ser completada numa reunião com os moradores da sua comunidade.

• Esclarecer, Informar e Formar.

Uma das funções principais da Associação de Moradores é promover o esclarecimento, a informação e a formação da comunidade para que ela reivindique, e muito bem, os seus direitos. 

É muito importante que a Diretoria divulgue todas as informações que ela possuir. Deve também promover reuniões, debates, palestras, cursos ou outras atividades de formação abertas à participação da população local.

• Unir e Organizar os Moradores

A Diretoria da Associação de Moradores deve agir sempre de forma democrática, a partir do encontro das idéias de todos. As reivindicações e conquistas (ou derrotas) não podem ser propriedades de algumas lideranças.

• Reivindicar Melhorias

Pode ser feita através de abaixo-assinados, reuniões com as autoridades responsáveis, manifestações na comunidade ou em frente aos órgãos públicos, ou de outra forma que o pessoal achar mais eficiente.

Vale lembrar que quanto maior a participação os moradores na luta por uma melhoria, mais rápida ela vai chegar. 

Quanto maior também, a divulgação sobre o pedido mais chance ele tem de ser atendido. Isso pode ser feito através de telefonemas para rádios, televisões e jornais falando sobre o problema, avisando de uma manifestação, comunicando uma ida até a prefeitura ou, simplesmente, dizendo que o bairro insiste na reivindicação e cobra uma posição das autoridades.

Outra forma de divulgar a luta, que também serve para mobilizar os moradores, é fazer um panfleto (um folheto falando sobre o assunto) e distribuir na comunidade. 

Custa caro? Nem tanto. Solicite um patrocínio de um comércio existente na comunidade.

Você pode também, dar um recado no final das missas e cultos, pode emprestar o alto-falante do verdureiro ou o carro de som de um sindicato.

Enfim, a própria Associação já é um poder danado. 

Parabéns aos moradores do Vila Esperança, em Campos Belos, por essa importante e histórica conquista. 

Diretores e coordenadores escolares da Regional de Arraias participam de reunião para análise de índices educacionais



Gestores e coordenadores pedagógicos das unidades escolares jurisdicionadas à Diretoria Regional de Educação (DRE) de Arraias participaram de uma reunião na última terça-feira, 24. 

Com vistas a deliberações sobre os processos de gestão, ensino e aprendizagem referentes ao 3º bimestre, e com foco na elevação das médias das avaliações internas e externas, o encontro reuniu mais de 60 servidores no auditório da Universidade Federal do Tocantins.

O diretor regional de Educação, Leonardo Victor, destacou os objetivos da reunião. 

“Além de discutir, avaliar e monitorar o rendimento dos estudantes, a reunião é para dar encaminhamentos voltados à elevação dos resultados para superar as nossas metas. É um trabalho contínuo, tendo em vista as várias formações que foram realizadas durante o ano”, disse.

Gerlian Bastos Corte, diretora do Colégio Estadual Professora Ranulfa, município de Aurora, falou que o olhar coletivo na análise dos resultados e a troca de experiências fortalecem e motivam os servidores. 

“Houve um fortalecimento da linha de gestão escolar, que mesmo com iniciativas simples, movidas à dedicação, compromisso e trabalho em equipe, são possíveis de se tornar particularidades um objetivo comum”, destacou.

Já Edileuza Araújo de Souza, diretora da Escola Estadual Floresta, do povoado Campo Alegre, município de Paranã, falou sobre a importância da reunião de diretores. 

“Permitiu analisar os resultados das avaliações externas, refletindo sobre as práticas pedagógicas desenvolvidas pelas escolas com foco no pedagógico para alcance das metas do IDEB, considerando que o comparativo dos resultados entre as avaliações externas com as de sala de aula é fundamental para o IDEB”.

Na ocasião, a professora aposentada, Emília Oliveira, fez o lançamento de seu livro ‘Sonhos de Emília – O Imaginário em Poesias’. A obra reúne mais de 80 poemas escritos, com versos marcantes sobre paixão e sofrimento.

De Campos Belos, jovem senadora de Goiás é uma das vencedoras do Parlamento Jovem Brasileiro





Nesta semana a Câmara dos Deputados recebe os vencedores do Parlamento Jovem Brasileiro, programa que traz 78 estudantes a Brasília, para participar de workshops e palestras, além de simular a rotina cotidiana dos deputados. 

Uma dessas estudantes é Rackel Silva Resende, de Campos Belos (GO), que também representou o seu estado como primeira colocada no programa Jovem Senador, em 2018.

“Participar e vencer estes concursos de redação é uma oportunidade única de passar adiante a mensagem da importância da educação e de melhorar a vida de outras pessoas”, afirma Rackel. 


Ela ressalta que um dos seus objetivos no Parlamento Jovem Brasileiro é propor ideias que possam ser aprovadas pelos parlamentares e desenvolver a sociedade.

Neste ano, um dos projetos apresentados pela estudante, em conjunto com outros jovens senadores de 2018, tem chances de ser aprovado pelos senadores. 

A Comissão de Direitos Humanos do Senado aceitou a Sugestão Legislativa (SUG) 40/2018, que prevê a inclusão do princípio do respeito à diversidade no ambiente escolar. 

O texto, transformado em projeto de lei, foi aprovado por várias comissões e encaminhado para o Plenário da Casa, onde aguarda abertura de prazo para emendas.

De acordo com a proposta, a diversidade compreende uma série de características humanas como os ritmos de aprendizagem, os interesses, os projetos de vida, as crenças e valores, as práticas religiosas, as diferenças étnico-raciais e de orientação sexual e identidade de gênero.

A estudante do terceiro ano do ensino médio aponta ainda, como uma das principais razões do seu ótimo desempenho, o suporte recebido pelos pais. 

Esse apoio permitiu que ela pudesse se dedicar aos estudos de maneira integral. Além disso, o estímulo recebido dos professores e da escola estiveram sempre presentes na trajetória da aluna.

Rackel acredita que iniciativas como as do Jovem Senador e do Parlamento Jovem Brasileiro podem mudar a percepção sobre política por parte da sociedade, que tem o descrédito com as instituições e atores políticos como sua pior consequência. 

Para ela, apesar dos erros, a política é um campo essencial na vida de qualquer cidadão, o que, por si só, seria motivo suficiente para que o indivíduo não se abstenha dela.

Perguntada sobre o que gostaria de dizer aos estudantes que têm dúvidas sobre se deveriam participar dos projetos da Câmara e do Senado, Rackel responde, categoricamente, que as iniciativas das duas Casas são uma “experiência surreal”. 

“Os estudantes precisam pesquisar, estudar e fazer política. Só assim poderão entender o que é participar de um processo que muda a vida de qualquer jovem por completo”, acrescenta.

Fonte: Agência Senado

Em Tempo

A jovem estudante Rackel Resende é aluna do Colégio Polivalente professora Antusa, de Campos Belos, transformado recentemente em escola de tempo integral.  

O orgulho também deste blogueiro. 

Ela também nos representa, pois o Polivalente foi também a minha escola, minha casa, como gosto de falar, por mais de dez anos, do primeiro ensino fundamental ao último do ensino médio.

Minha primeira responsabilidade de direção com a coisa pública e o relacionamento representativo foi no Grêmio Estudantil desse Colégio.  

São exemplos de que a nossa escola pública gera conhecimento, bons cidadãos, críticos e profissionais qualificados. 

Parabéns à direção do "Poli" por mais essa vitória.  




quarta-feira, 25 de setembro de 2019

Imagem do Dia: volta a chover em Brasília após mais de 100 dias




Vídeo do Dia: a creche, os bandidos, o caveirão e a PM


Fogo no quintal dá cadeia. Duas mulheres são detidas em Campos Belos (GO) pelo Corpo de Bombeiros




Atear fogo em terreno baldio ou no próprio quintal pode dar cadeia ou uma dor de cabeça danada. 

O alerta é de militares do Corpo de Bombeiros de Goiás. 

Uma ação de duas mulheres, em Campos Belos (GO), que parecia banal e corriqueira, acabou na delegacia da cidade.

Na tarde desta terça-feira (24), a Guarnição do Corpo de Bombeiros na cidade foi acionada para combater incêndio em vegetação de um lote baldio. 

Ao chegar no local, os militares encontraram as pessoas envolvidas com o início do incêndio. 

Com o apoio da Brigada Florestal, os Bombeiros conseguiram debelar as chamas e extinguir o incêndio.

As mulheres foram obrigadas, por força da Lei, a serem conduzidas até à Delegacia da Cidade.

No local, elas tiveram que assinar um TCO (Termo Circunstanciado de Ocorrência), por emissão de gases. 

A passada na delegacia vai dar uma dor de cabeça às duas. Após o TCO, elas terão que ir ao Fórum e cumprir restrições da Justiça, se condenadas por juiz. 

Fruto do jatobá vira bebida nutricional para diabéticos e anêmicos



Um estudante de técnica agropecuária de Barreiras (oeste da Bahia) desenvolveu uma bebida nutricional a partir do fruto do jatobá que equilibra os níveis de açúcar no sangue de pessoas com diabetes e tem potencial para combater a anemia. 

Na pesquisa, desenvolvida em 2018 durante um trabalho de iniciação científica, seis pessoas com diabetes apresentaram maior equilíbrio dos níveis de açúcar no sangue, após consumirem, em média, 250 mls da bebida três vezes ao dia.

Os resultados soaram muito animadores, sobretudo porque no oeste da Bahia o fruto do jatobá, árvore do Cerrado, é subutilizado – apenas comunidades tradicionais e índios o aproveitam para fazer uma farinha que substitui a farinha de trigo na produção de bolos e biscoitos.

O fruto do jatobá é rico em diversos nutrientes: Cálcio, Fósforo, Ferro, Potássio, Magnésio e Vitamina C. Em comunidades tradicionais, ele é considerado também como um energético natural para potencializar o desejo sexual dos homens.

Nas cidades, contudo, sua utilização é quase zero. A árvore, presente também em outras variedades na Mata Atlântica e na Amazônia, é conhecida por ser uma madeira de lei – que dura bastante – e é usada no reflorestamento de zonas degradadas.

Em Barreiras, o estudante do terceiro ano do curso de técnica agropecuária, Diogo de Souza Reis, 17, do Centro Territorial de Educação Profissional da Bacia do Rio Grande (Cetep), vê muitos jatobás no bairro Morada Nobre, vizinho ao Barreirinhas, onde mora. Os frutos, no Morada Nobre, apodrecem no chão, sem utilização.

Melhor: apodreciam. Agora, estão sendo coletados para dar continuidade à pesquisa do estudante, que trabalha no desenvolvimento de uma barrinha semelhante a de cereal que vemos em mercados, à base da farinha do fruto do jatobá.

“Ao invés de usarmos a farinha de trigo, usamos a farinha de jatobá e adicionamos nibs de cacau no lugar do amendoim. 

Estamos fazendo o experimento, a ideia é criar um alimento que possa servir de base nutricional para anêmicos”, disse.

O fruto do jatobá possui um cheiro forte, bem característico. Ele não pode ser colhido verde, pois não amadurece depois, e tem de esperar cair do pé. Para ser consumido mais facilmente, Diogo o misturou com soro do leite e iogurte.

O jovem pesquisador já apresentou a bebida na Feira Nacional da Agricultura (Fenagro), em Salvador, ano passado; na Bahia Farm Show, em Luís Eduardo Magalhães, também em 2018; no Workshop de Carreiras do Instituto Euvaldo Lodi (IEL), este ano em Barreiras; e será apresentada na Feira Nordestina de Ciências e Tecnologia (Fenecit), em Recife-PE, entre 8 e 12 de outubro.

Além do Cetep de Barreiras, a pesquisa tem apoio da Faculdade São Francisco de Barreiras (Fasb), mas ainda é insuficiente para evitar com que Diogo tenha de sair às ruas à noite para vender mini-pizza e complementar custos das viagens.

Orientadora da pesquisa, a engenheira agrônoma Wilka Miranda informou que a pesquisa ainda está em desenvolvimento e ainda será feito o levantamento sobre as quantidades de minerais no fruto do jatobá. Por enquanto, foram realizadas pesquisas sobre a acidez e sólidos solúveis totais, presentes na polpa do fruto.

“Tomara que essa pesquisa e a divulgação que está ocorrendo com ela possa colaborar para que as pessoas plantem mais jatobás, porque isso será muito bom, já que é uma árvore que pode durar décadas e começa a produzir com cinco anos de plantada. Ela está aí na natureza, só precisa ser melhor aproveitada”, comentou.

Fonte: Canal Rural 

Regularização fundiária é a principal demanda de quilombolas no Sudeste do Tocantins



“Eu trabalhei tanto pela nossa terra que até fiquei velho cedo, mas isso pra mim não é motivo de abatimento, é motivo de orgulho. Cada ruga aqui representa o suor no arado da terra que já é cultivada pela minha família há três gerações. 

A escola que meu pai me deu foi o cabo da enxada e eu vou continuar lutando nesta terra até o último dia da minha vida”. 

O relato é do lavrador Diolin Batista dos Anjos, de 70 anos, que se enche de orgulho ao contar sobre o amor à comunidade Kalunga. “Meu avô e meu pai estão enterrados ali e é onde eu também quero morrer. Eu só não queria que esse dia chegasse antes de ter na nossa mão o papel que diz a terra que a gente tanto trabalhou é nossa.”

O desabafo de Diolin representa a realidade e o sonho de mais de 200 famílias quilombolas que atualmente residem na região Sudeste do Tocantins, município de Paranã, onde trabalham na terra há séculos, mas não conquistaram o título efetivo do território. 

A regularização fundiária, inclusive, foi a principal demanda apresentada pelos representantes das comunidades Prata, Claro, Ouro Fino e Kalunga, durante atendimento realizado pelo projeto “Defensoria Quilombola”, na última quinta-feira, 19.

Realizado pela Defensoria Pública do Estado do Tocantins (DPE-TO), em Paranã, e pelo Núcleo da Defensoria Pública Agrária (DPagra), o atendimento aconteceu na Escola Estadual Floresta, no povoado Campo Alegre, e teve o objetivo de ouvir e dar encaminhamento de providências às principais demandas das comunidades atendidas, sejam elas individuais ou coletivas.

Durante atendimento, todos os representantes das comunidades falaram sobre a urgente necessidade da regularização fundiária. 

“São inúmeras famílias amedrontadas que, frequentemente, recebem ameaças de fazendeiros que chegam destruindo os nossos bens e gritando que ou a gente sai ou a gente morre. Mas sair pra onde mesmo? 

A gente não sabe fazer outra coisa na vida, tudo que temos é a nossa terra. Quando tivermos a regularização já não vamos ter mais tanto medo de morrer de ameaça”, declarou o lavrador José CesárioTorres, de 79 anos.

Representante da Coordenação Estadual das Comunidades Quilombolas do Estado do Tocantins, Jackson Corcino Magalhães lembra que a regularização fundiária é uma demanda comum em todas as comunidades quilombolas do Tocantins. 

Ele recorda que a Fundação Cultural Palmares já certificou 44 comunidades no Estado, porém, nenhuma possui o título efetivo do território. 

“Algumas estão com o processo em andamento, mas falta a demarcação, outras já têm a demarcação e cartografia, mas aguarda relatório do antropólogo. Tudo é cercado de muita burocracia e nenhuma regularização definitiva”, lamenta.

Durante ação do projeto, foi verificado que as comunidades quilombolas enfrentam, além dos desafios pertinentes à regularização de seus territórios, uma variedade de demandas que abrangem questões como a dificuldade de acesso à água, energia e educação.Individual

Nos atendimentos individuais, a equipe do DPagra e da Defensoria de Paranã, coordenada pelo defensor público Magnus Kelly Lourenço Medeiros, atendeu casos relacionados à aposentadoria, mediação e acordo para divórcio, defesa administrativa em caso de multa ambiental, dentre outras.

Os servidores da DPE-TO de Paranã realizaram os atendimentos individuais não só para os quilombolas como também para a comunidade em geral. Morador de Campo Alegre, Cilenar Machado elogiou o projeto da Defensoria Pública. 

“Eu não sou quilombola, mas estou sempre junto das comunidades para ajudar no que for preciso. Projetos como estes mostram que as famílias que mais precisam podem contar com um auxílio de credibilidade como a Defensoria para defender os seus direitos”, disse.

Problemas

De acordo com o presidente das comunidades Claro, Prata e Ouro Fino, Dionísio Rômulo Cesário, as comunidades negras, que se autodeclaram remanescentes, buscam reconhecimento e políticas públicas que reduzam a desigualdade social. 

Segundo ele, a certificação como comunidade quilombola deveria facilitar conquistas e direitos como assistência técnica para a produção e comercialização, acesso a insumos, inclusão social, recuperação e educação ambiental, além de ter as estradas da região recuperadas, bem como os benefícios trazidos por outras obras.

“Na prática somos um povo que vive na precariedade, necessitando do básico para a sobrevivência como água, saneamento básico e energia elétrica”, relata.

O presidente da Associação Quilombo Kalunga, Vilmar Souza Costa, disse que a situação precária faz até mesmo com que as pessoas deixem suas comunidades. “A maior parte das comunidades quilombolas é formada por idosos. 

Os jovens estão saindo, desistindo de lutar pela terra em meio a tanta vulnerabilidade social. Nossos jovens estão saindo em busca de uma melhor condição de vida. 

Mas nós que ficamos temos de nos unir e garantir mais forças por um futuro melhor, buscar projetos de geração de renda, investimentos no turismo para então nos fortalecermos como povoado”, contou Vilmar Souza.

Encaminhamentos

De acordo com o defensor público Magnus Kelly Lourenço de Medeiros, coordenador do projeto em Campo Alegre e do DPagra, será realizado um relatório a partir das demandas anunciadas pelos moradores. A partir dele, serão oficiados os órgãos responsáveis para que sejam tomadas as devidas providências e medidas judiciais cabíveis. “As demandas das comunidades quilombolas são semelhantes, principalmente no que se refere à luta pela regularização fundiária e direitos básicos de saúde, educação e dignidade humana”, descreveu.

O Defensor Público ressaltou, ainda, que a Instituição já solicitou um relatório técnico antroplógico ao Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) para delimitação da terra. 

Porém, o órgão informou que não possui recurso e solicitou prazo até o mês de dezembro para que sejam tomadas as providências. Enquanto isso, há uma liminar de uma Ação Civil Pública que impede a titulação de terra enquanto o processo não for finalizado. “Isso significa que nenhum fazendeiro pode ter a titulação da terra antes da conclusão desses trabalhos”, orientou.

Defensoria Quilombola

Desde o ano de 2012, a Defensoria Pública atua na defesa dos direitos das comunidades do Tocantins. O projeto “Defensoria Quilombola” já visitou mais de 30 comunidades, levando acesso à justiça. 

De acordo com o defensor público Magnus Kelly, quando a Defensoria Pública promove a defesa territorial não está defendendo uma terra que representa apenas moradia, mas que representa também o direito à identidade cultural, à cidadania agrária e à dignidade dessas comunidades.

Fonte: DPE -TO 

Furto de capim dourado no Jalapão é denunciado por artesãs






Artesãs do povoado Mumbuca, na região do Jalapão, denunciam que parte da colheita de capim dourado foi furtada e e colhida antes da hora por pessoas não identificadas. 

Segundo as mulheres, o material levado estava verde e não é apropriado para produzir o artesanato. O caso é investigado pela Polícia Civil.

O capim só poderia começar a ser colhido a partir do dia 20 de setembro, mas quando as artesãs foram neste final de semana a um dos principais campos de colheita, tiveram a péssima surpresa.

As peças produzidas com Capim Dourado fazem sucesso em todo o Brasil e até no exterior. 

Elas são um meio de sustento para moradores de povoados e quilombos no Tocantins, que estão sem saber o que fazer. Em alguns casos, o produto representa 80% da renda das família.

As artesãs também relatam que o capim furtado foi colhido de forma incorreta, não preservando as sementes que deveriam ficar no campo. 

Segundo as mulheres, isso é sinal que muitos capins não nasceram mais, causando um prejuízo maior para o sustento delas.

O caso está sendo investigado pela Polícia Civil. 

Segundo o Naturatins, o capim não pode ser colhido antes do dia 20 de setembro, dessa forma, quem colheu antes desta data cometeu um ato ilícito e aí ele está sujeito a multa, até mesmo a um processo criminal ambiental pela delegacia do meio ambiente.

Matopiba entra na rota da inovação do agronegócio


Luís Eduardo Magalhães, no oeste baiano, que integra o Matopiba (MA, TO, PI e BA), uma das áreas agrícolas mais produtivas do país, deu a largada a um processo voltado para tornar o agronegócio brasileiro ainda mais tecnológico, eficiente e inovador. 

Com investimento de R$ 5 milhões do capital privado, principalmente de grandes produtores da região, foi inaugurada a Cyklo Agritech Aceleradora de Projetos e Startups, no último dia 21.

Em outubro, a Cyklo lançará edital para selecionar 10 startups para o processo de aceleração, que durará nove meses, de janeiro a setembro de 2020. 

Cada startup escolhida receberá até R$ 200 mil em troca de equity, ou seja, participação no capital da empresa. As agritechs se instalarão no município para desenvolver os projetos.

A Cyklo ocupa uma área de 722 metros quadrados na área central do município, onde está instalado seu centro de inovação. 

É a maior planta física do país especializada em aceleração de startups agro. 

A cidade servirá de laboratório para desenvolver tecnologias que atendam às demandas do agronegócio, disponibilizando propriedades rurais para os testes e levantamentos.

Segundo o CEO da Cyklo, Pompeo Scola, a aceleradora contribuirá para expandir ainda mais a produtividade e o desempenho da agricultura no Brasil, em sintonia com as necessidades mundiais na área de alimentos, onde o país tem oportunidade de ser líder da cadeia de fornecimento na próxima década.

“Esse é um sonho que começou lá atrás, quando víamos algumas startups chegando ao mercado, mas sem aplicabilidade [para o agro da região]”, diz o engenheiro agrônomo e consultor agronômico Luís Henrique Kasuya, paranaense radicado no município. 

“Queremos ter aqui as melhores startups do agro para atender à região e também exportar tecnologia.”

Fonte: Agrolink 

Evento discute atividade turística nas Serras Gerais


O Ministério do Turismo participou, na última sexta-feira (20.09), Natividade (TO), do Fórum “Efeitos do Turismo no Desenvolvimento Regional”. 

O evento, promovido em parceria com o Sebrae local, reuniu cerca de 200 pessoas entre pequenos empresários, instituições do trade turístico e poder público.

Dentre os temas debatidos, o turismo como fator de desenvolvimento regional, o associativismo e o cooperativismo como agentes de desenvolvimento e as oportunidades de crédito e financiamentos para o turismo.

Para a coordenadora-geral de Mapeamento e Gestão Territorial do Turismo, Ana Carla Fernandes, que participou do Fórum, o debate foi construtivo para o desenvolvimento da Política Pública de Turismo da Região Turística das Serras Gerais. 

“Foi de grande valia discutirmos, junto aos representantes do setor público e privado de toda a região, a estruturação e o ordenamento do turismo, bem como sobre a regionalização e os programas de financiamento do MTur. 

Precisamos unir forças para criar soluções eficazes e que agreguem no âmbito do turismo da região”, ressaltou a coordenadora.

Também estiveram presentes a coordenadora-geral de Sustentabilidade e Turismo Responsável, Gabrielle Nunes, e o chefe de gabinete do ministro do Turismo, Hercy Filho.

SERRAS GERAIS 

Localizada entre os municípios de Aurora do Tocantins e Taguatinga (sudeste do Estado), as Serras Gerais do Tocantins fazem parte da maior cadeia de serras do Brasil. 

Além das maravilhas naturais, guardam tradições, arquitetura colonial, história e cultura, como as Cavalhadas, as festas do Senhor do Bonfim e do Divino Espírito Santo. 

Essas festas folclóricas e religiosas foram herdadas do colonialismo e da era do ciclo do ouro, como em Natividade, quando o município era grande produtor de joias.
Fonte: MTur