quinta-feira, 8 de agosto de 2019

Não é verdade que políticos de esquerda mandaram destruir estrada entre Arraias (TO) e Natividade (TO)



Por Luiz Fernando Menezes,

Um vídeo que mostra uma correção no asfalto de uma rodovia no Tocantins, entre Arraias e Natividade, por meio de microfresagem tem sido compartilhado nas redes sociais como se políticos “de esquerda” tivessem ordenado a destruição do trecho para, depois, captar verbas de um novo recapeamento. 


Na microfresagem, uma máquina realiza cortes pontuais no asfalto para corrigir pequenas deformações no pavimento.

O vídeo com a desinformação foi enviado por leitores do Aos Fatos por e-mail e também pelo WhatsApp (inscreva-se aqui) como sugestão de checagem. 

No Facebook, posts com o conteúdo enganoso reuniam ao menos 16 mil compartilhamentos na terça-feira (6). 

Todos foram marcados com o selo FALSO na ferramenta de verificação da rede social (veja como funciona).

No vídeo, um homem que se apresenta como Conrado diz que está em uma rodovia entre os municípios Natividade e Arraias, no Tocantins, (provavelmente a TO-050) e que flagrou máquina “cavando o asfalto pra poder vir verba para esses ladrão (sic)”. 

Porém, o processo filmado nada mais é que uma microfresagem, em que são feitos cortes pontuais no asfalto para corrigir pequenas deformações no pavimento. 

É por isso que a máquina mostrada, uma fresadora de asfalto modelo S185 da Bobcat, remove apenas alguns trechos da pista.

Ainda que, no vídeo, o homem não cite nominalmente qualquer político ou partido, publicações nas redes sociais que reproduzem a gravação são taxativas ao associar a suposta irregularidade a integrantes de siglas de esquerda.

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, inclusive, desmentiu a alegação do vídeo e explicou o processo de microfresagem em seu perfil oficial no Twitter:





Fonte: Aos Fatos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.