segunda-feira, 5 de agosto de 2019

MPF ajuíza ação para suspender efeitos do Decreto que extingue cargos e funções no IFG e IF


O Ministério Público Federal (MPF) em Goiás ajuizou, nesta sexta-feira (2), Ação Civil Pública (ACP) com o objetivo de suspender os efeitos do Decreto nº 9.725/2019 no Instituto Federal de Goiás (IFG) e no Instituto Federal Goiano (IF Goiano). 

A referida norma, que prevê a extinção de cargos em comissão e funções de confiança no âmbito da Administração Pública Federal, passou a gerar efeitos concretos e imediatos no IFG e no IF Goiano a partir do último dia 31 de julho. A ACP foi distribuída à 3ª Vara da Justiça Federal em Goiás.

Na prática, o resultado será a extinção de cargos e funções e a consequente exoneração e dispensa de servidores ocupantes dos cargos em comissão e das funções de confiança. 

Desde que a norma foi editada, o MPF vem apurando, por meio de Inquérito Civil (IC), os prejuízos que serão causados aos institutos de ensino e, de efeito, aos alunos e à população de forma geral. 

No IF Goiano, por exemplo, projetos de ensino, pesquisa, extensão, empreendedorismo e inovação serão afetados. Já no IFG, uma série de coordenadorias administrativas terão seu funcionamento comprometido.

De acordo com a procuradora da República que cuida do caso, Mariane Guimarães, são evidentes os profundos efeitos concretos e prejudiciais aos Institutos Federais, decorrentes do mencionado Decreto, afetando diversas atividades administrativas essenciais e atividades acadêmicas de ensino pesquisa e extensão. 

“Além disso, apuramos que diante dos impactos administrativos e efeitos concretos absolutamente deletérios à administração dos Institutos Federais, a suposta economia fica na casa dos centésimos percentuais, o que se apresenta como medida, além de ilegal e inconstitucional, também desarrazoada e desproporcional”, esclarece Mariane.

A procuradora afirma, ainda, que a ACP não visa invadir a discricionariedade administrativa do Governo Federal, mas sim evitar medidas de cunho descabido paras as quais a própria Constituição Federal prevê a necessidade de lei. 

Nessa linha de entendimento, o MPF requer a concessão de medida liminar para que a Justiça determine à União a não aplicação da norma, no âmbito do IFG e IF Goiano, bem como para obstar seus efeitos concretos, impondo-lhe a obrigação de abster-se das práticas ilegais e inconstitucionais nela previstas. 

A ACP pretende ainda, ao final da ação, o reconhecimento de inconstitucionalidade do Decreto nº 9.725/2019.

Fonte: MPF

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.