sábado, 27 de julho de 2019

Universitário do curso de matemática e outras quatro pessoas são presas furtando 30 galinhas em Novo Alegre (TO)


Um grupo formado por quatro homens, três maiores e um menor de idade,  invadiram, na madrugada da última quarta feira (25), por volta de 01h da madrugada, um sitio na zona rural de Novo Alegre, sudeste do Tocantins, e furtaram aproximadamente 30 galinhas e frangos.

Os prejuízos ao produtor rural foram da ordem de R$ 900,00. 

Segundo informações da polícia, um dos presos, um jovem de 33 anos, é estudante universitário, do curso de matemática.

Outros três adultos e um adolescente de 15 anos também formaram a "organização criminosa" para levarem as penosas do sítio Sr. Paulo Cesar Cardoso de Araujo, um conhecido produtor da cidade.

Do sítio, o grupo subtraiu os galináceos e os transportaram em sacos até as margens de um córrego do município. 

A Policia Militar, a partir de informações colhidas sobre o crime, conseguiu identificar os envolvidos.

Um deles foi flagrado com seu freezer lotado com oito unidades de frangos, assim como mais seis penosas soltas no quintal de sua propriedade. 

Os cinco acusados foram encaminhados à Delegacia de Polícia de Combinado (TO).

Os maiores foram autuados em flagrante pela prática do crime de furto qualificado e estão presos na Cadeia Pública de Novo Alegre.

Já para o menor, foi lavrado um Boletim de Ocorrência Circunstanciado, sendo prontamente liberado pela autoridade policial.

Segundo a polícia do Tocantins,  o grupo é suspeito de praticar vários outros furtos na zona rural do município.

Além disso, dois dos acusados praticaram o furto das galinhas quando ainda estavam cumprindo pena no regime semi-aberto na cadeia publica Novo Alegre.

Um comentário:

  1. eu acho isso um absurdo para um universitário de matemática ainda mais em um municipio tão pequeno como Novo Alegre/Tocantins.

    ResponderExcluir

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.