segunda-feira, 1 de julho de 2019

Dianópolis (TO): Comunidades quilombolas do Tocantins participam de oficinas de dados socioeconômicos


Quilombolas do Tocantins participaram de 28 a 30 de junho de uma oficina de análise de dados socioeconômicos na comunidade Lageado (Dianópolis - TO). 

A oficina, além de incentivar a apropriação dos quilombolas por ferramentas de análise de dados, busca incentivar um olhar mais engajado e consciente na busca por políticas públicas e ações comunitárias que possam contribuir para a melhoria da realidade de cada comunidade e suas demandas. 

A atividade deve reunir quilombolas das comunidades Lageado, São Joaquim, Laginha, Baião, Poço Dantas, Kaagado, Kalunga do Mimoso e Lagoa da Pedra.

A oficina é parte do programa Sharing Worlds (Compartilhando Mundos), fruto de uma parceria entre a ECAM, CONAQ (Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas), Google Earth Solidário, financiamento da USAID (Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional). 

O modelo trouxe resultados bem-sucedidos em comunidades do oeste do Pará, entrou em fase de ampliação iniciada no mês passado, no Mato Grosso, e agora chega a Tocantins.

Trata-se de um desdobramento de um programa de capacitação anterior, a oficina “Novas Tecnologias” que ensinou aos jovens quilombolas ferramentas de pesquisa Google sobre dados qualitativos e quantitativos (ODK-Open Data Kit) e mapeamento georreferencial e cultural (Google Earth). 

Os jovens formados nesta capacitação foram à campo em suas próprias comunidades e comunidades vizinhas para aplicar o questionário socioeconômico formulado pela CONAQ e registrarem localidades importantes de seus territórios no mapa. 

Os participantes tiveram alguns meses para realizar este levantamento, e agora irão ter a oportunidade de descobrir e analisar os dados por eles levantados.

Durante os 3 dias, os dados são apresentados e discutidos coletivamente, assim podem refletir e se reconhecerem, se apropriando de forma concreta e objetiva de seus próprios dados socioeconômicos. 

A ação envolve jovens e adultos que colaboraram nas aplicações dos questionários em suas comunidades e ainda conta com a participação de lideranças e anciãos das comunidades convidadas para auxiliarem no debate sobre a realidade local.

Para Vasco Van Roosmalen, diretor da Ecam, é muito importante empoderar os povos da florestas para que eles sejam agentes da própria transformação. “Somente eles podem afirmar com total propriedade o que é melhor para a comunidade, dentro de seus preceitos e da autopreservação cultural. 

Queremos oferecer ferramentas tecnológicas para que eles possam estruturar de forma sistematizada e metodológica suas necessidades, como, por exemplo, serviços de saneamento básico, água potável, educação, serviços de saúde, entre outros”, destaca.

Fonte: Girassol

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.