quinta-feira, 25 de julho de 2019

Caiado reclama da Enel por atraso na abertura de Policlínica em Posse (GO)


O governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), reclamou do atraso na instalação de energia elétrica na Policlínica de Posse (GO). A previsão era de inaugurar a estrutura na virada de julho para agosto. 

No entanto, quando o governo solicitou a Enel Distribuição, a ligação de energia elétrica do local, a reposta foi que vai demorar, um prazo de 120 dias para que a instalação seja feita.

A questão desagradou o governador que reclamou e prometeu ir a órgãos de controle mais uma vez reclamar da Enel. 

“Vou tomar as devidas providências neste momento, vou levar isso ao conhecimento da Aneel, como forma de dizer que nós não vamos admitir algo parecido e vamos exigir uma resposta imediata”, disse.

Caidado reafirmou que a Policlínica precisa de um nível diferenciado de energia para suportar todos equipamentos e criticou o prazo de 120 dias. 

“Então você vê o acumulo de problemas que nós estamos tendo no dia a dia. Até a estrutura de Estado está sendo impedida, por uma ineficiência completa dessa empresa”, criticou.

Em nota, a Enel Goiás informou que o o projeto para a construção da rede elétrica está em desenvolvimento e aguarda a instalação do transformador que é de responsabilidade da Secretaria Estadual de Saúde.

Confira a nota na íntegra:

A Enel Distribuição Goiás informa que o projeto para a construção da rede elétrica que vai atender a Policlínica de Posse está em desenvolvimento. 

A distribuidora esclarece que para a energização do local, aguarda a instalação do transformador que vai atender o hospital, que é de responsabilidade da Secretaria Estadual de Saúde. A distribuidora ressalta que segue os prazos regulatórios definidos pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.