sexta-feira, 17 de maio de 2019

Vitória: após forte mobilização, governo de Goiás não vai mais fechar a UEG de Campos Belos, num projeto chamado de "reestruturação da Universidade"



Enfim, uma boa notícia da área da educação, notadamente para os milhares de moradores do nordeste de Goiás e do sudeste do Tocantins. 

A Universidade Estadual de Goiás, Campus Campos Belos (GO), não vai mais fechar as portas.

Essa tinha sido a decisão do Conselho Universitário, dentro do projeto chamado de "Reestruturação da Instituição". 

Após a forte mobilização da comunidade acadêmica, professores, estudantes, sociedade em geral, políticos e deste Blog, o Conselho voltou atrás e reviu a decisão, que assossega a todos nós.

Seria uma decisão tão grave e série, que poderia ser considerada o pior desastre educacional da região nos últimos 30 anos. 

Abaixo, segue uma nota de Esclarecimento do Diretor da UEG em Campos Belos, Adelino Machado, que também lutou, como um leão, em prol da manutenção dessa instituição na cidade e contra a "reestruturação", cá para nós, uma decisão desequilibrada e uma demonstração, de quem decide, da total falta de sintonia com os anseios e desejos dos cidadãos e das famílias deste Brasil mais carente.  

Esclarecimento à Comunidade Acadêmica sobre a Reestruturação da Universidade


"À comunidade acadêmica da UEG de Campos Belos e toda a sociedade

Venho esclarecer que após realização da 111ª Sessão Plenária do CsU - Conselho Universitário da UEG, realizado no dia 16 de maio de 2019, e envidados esforços de conselheiros dos vários segmentos do referido colegiado ficou assim encaminhado o formato de reestruturação da Instituição:

a) a proposta de “redesenho” pautada no Relatório da Comissão Especial de Redesenho, Processo nº 201900020007681, que previa a rediscussão para possível fechamento de 15 Câmpus, inclusive o de Campos Belos e de 57 cursos, foi retirada de pauta.

b) a proposta alternativa inserida pelos conselheiros de Campos Belos e assinada por vários outros diretores da UEG foi acatada e encaminhada, com o estabelecimento de prazos para realização de uma reestruturação que abarque os aspectos quantitativos e qualitativos e a relevância social da Universidade, dessa forma contemplando outros critérios como:

i) visitas in loco em cada câmpus para conhecer sua realidade;

ii) análise de projetos de extensão, pesquisa e outros; e

iii) audiências públicas nas regiões de Goiás a fim de prover a escuta da população de forma democrática e participativa, conforme Processo nº 201900020008239.

Dito isto, informo a todos que a UEG de Campos Belos venceu uma batalha e conquistou uma nova chance de provar a necessidade de um Câmpus nesta parte do Nordeste Goiano.

Para além disso, nosso Câmpus conseguiu sensibilizar a todos os conselheiros da importância de um redesenho da Universidade ocorrer de forma planejada e estruturada.

Continuamos a contar com o apoio de toda a sociedade a das autoridades, não somente para a permanência de nossa UEG na região, contudo também para o fortalecimento e ampliação do Câmpus e seus projetos."

Campos Belos, Goiás, 17 de maio de 2019.
Adelino Soares Santos Machado
Diretor

2 comentários:

  1. Na verdade não está decidido ainda. Essa foi apenas uma batalha vencida. A reestruturação vai acontecer sim, porém de forma democracia e justa. Mas ainda temos muitas batalhas pela frente para que não fechemos as portas.

    ResponderExcluir
  2. Sr. Dinomar . A notícia acima postada pelo senhor não procede . Acredito que houve um equivoco na sua interpretação do esclarecimento feito pelo então diretor Adelino Machado . Por favor peço que reveja o título e a matéria produzida pelo senhor ... A decisão definitiva do campus permanecer ainda não foi tomada , precisamos manter a comunidade bem informada pois precisamos dela para apoiar os alunos e professores do campus .

    ResponderExcluir

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.