sábado, 25 de maio de 2019

Ex-jogador Roni, de Aurora do Tocantins e ex-seleção brasileira, é preso em Brasília. Ação da PC/DF ocorreu no camarote do Estádio Mané Garrincha





Uma operação da Polícia Civil no Distrito Federal prendeu há pouco o ex-jogador do Fluminense e da Seleção Brasileira, Roni, durante o jogo entre Botafogo e Palmeiras, no estádio Mané Garrincha, em Brasília. 

Também foi detido o presidente da Federação de Futebol do Distrito Federal, Daniel Vasoncelos.

Roni é natural de Aurora do Tocantins, sudeste do estado.

A prisão ocorreu após investigação sobre um grupo criminoso especializado em fraudar o erário na realização de jogos. Há suspeitas de inclusão de dados falsos no borderô, que são os boletins financeiros dos jogos.

Segundo os investigadores, o grupo informava um valor de arrecadação menor para pagar menos impostos e um aluguel menor pelo estádio, em Brasília.

A prisão, feita pela Coordenação Especial de Combate ao Crime Organizado da Polícia Civil do DF, foi em um dos camarotes do estádio. 

A operação, chamada de Episkiros, é uma referência ao jogo com bola criado na Grécia antiga e que deu origem ao futebol moderno, mas também significa "jogo enganoso", disseram os agentes.

A 15ª Vara Federal Criminal de Brasília autorizou o cumprimento de 7 mandados de prisão temporária e 19 mandados de busca e apreensão neste sábado. 

Segundo a polícia, a investigação aponta indícios dos crimes de associação criminosa, falsidade ideológica, estelionato e sonegação fiscal.

Além de Brasília, as buscas ocorrem em Luziânia, no Entorno do DF e em Goiânia. 

As provas estariam sendo recolhidas nas casas dos investigados, em empresas e na Federação Brasiliense de futebol.

Fonte: G1

Um comentário:

  1. N fala que ele e se Aurora.ele sempre teve vergonha de ser de Aurora.nas entrenvista sempre fala q e de Goiania!portanto ele e de Goiania!

    ResponderExcluir

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.