segunda-feira, 15 de abril de 2019

Escola Pública de Natividade (TO) faz campanha contra a dengue, após ação pedagógica



A professora Taiana Samara, natural de Campos Belos, atualmente trabalha na cidade de Natividade (TO), na Escola Estadual Nossa Senhora de Fátima, e tem promovido diversas ações pedagógicas junto aos estudantes da rede pública local. 

Um trabalho de formiguinha, mas de extrema importância. 

A direção da escola é de Hélio Aires Ribeiro. 


Um do exemplo de ação é o trabalho de produção de panfletos, com o gênero textual "propaganda", na disciplina de redação, com as três turmas de alunos do 7° ano.

O tema é combate ao mosquito Aedes aegypti.

A ação fez com que os panfletos fossem distribuídos a toda comunidade da cidade, pelos estudantes e todos os integrantes da escola.

Para complementar a ação proposta pela diretoria de ensino de Porto Nacional-To, a equipe da escola elaborou um questionário, onde os entrevistadores foram os alunos do 3° ao 9° ano,
 em parceria e apoio financeiro da Loja Maçônica João Araújo.

A Loja Maçônica, por sua vez, é uma importante parceira da Escola Estadual Nossa Senhora de Fátima, que ajudou na produção dos panfletos.

São ações e parcerias que devem ser reconhecidas e divulgadas, para conhecimento das comunidade e, por óbvio, para a valorização de todos os envolvidos.

2 comentários:

  1. Parabéns professora Taiana Samara, pela dedicação e luta incansável em favor da saúde de Natividade TO.
    Sabemos que ações como essa, em parceria com a comunidade local é de grande importância para o combate da Dengue.
    Continue sendo essa exímia professora,que você ainda tem muito a contribuir com a nossa sociedade.
    Você tem todo meu carinho, respeito atenção e consideração.

    ResponderExcluir
  2. Esse reconhecimento é merecido por tudo que você tem feito pela educação,e pelo bem comum da sociedade.

    ResponderExcluir

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.