sábado, 6 de abril de 2019

Duas crianças que viajavam escondidas são descobertas após pane mecânica em ônibus da Real Maia, que saiu de Dianópolis (TO)




Duas crianças que viajavam escondidas em um ônibus com destino a Goiânia foram descobertas após o veículo estragar. 

O ônibus, que saiu de Dianápolis, no interior do Tocantins, parou em Brasília para alguns passageiros desembarcarem. 

Os dois meninos, de 10 e 12 anos, teriam aproveitado o momento de distração do motorista para embarcar.

De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), as crianças, que embarcaram por volta das 4h em Brasília, só foram descobertas quase 130 quilômetros depois do embarque, próximo de Alexânia, quando o ônibus apresentou uma pane mecânica e os passageiros precisaram sair para trocar de veículo.

Foi nesse momento, segundo a PRF, que o motorista encontrou as duas crianças desacompanhadas dormindo nos bancos nas últimas fileiras do ônibus, segundo o policial rodoviário Rafael Soares. 

“Os passageiros desembarcaram e só ficaram essas duas crianças. Só então que se verificou os dois meninos no fundo do ônibus”, explicou.

A empresa Realmaia Turismo e Cargas, proprietária do ônibus em que as crianças foram encontradas, informou, por meio de nota, que os motoristas estavam entregando as bagagens dos passageiros que iriam descer em Brasília quando as crianças entram no veículo escondidos.

De acordo com informações apuradas pela PRF, os meninos pretendiam desembarcar na rodoviária de Taguatinga, no Distrito Federal, e de lá seguir viagem a pé até Ceilândia, o que representa um percurso de cerca de 6km.

As crianças contaram à polícia que estavam em um shopping no centro de Brasília e se esqueceram de guardar o dinheiro para voltar para casa. Elas disseram que, quando perceberam o horário, não havia mais ônibus comuns circulando. 

Por isso, segundo os meninos, decidiram ir até a rodoviária e entraram no ônibus que vinha do Tocantins com destino a Goiânia.

O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) determina que toda criança ou adolescente até os 16 anos de idade precisa de autorização do Juizado da Infância e da Juventude para entrar em um ônibus interestadual precisa de uma autorização do juizado.

E mesmo se a criança ou adolescente estiver acompanhado de um adulto, é necessário apresentar um documento com foto ou a certidão de nascimento. 

De acordo com o conselheiro tutelar que está acompanhando o caso, Sudário Berto, a norma não foi verificada nessa situação.

“Se ele [motorista] tivesse feito essa contagem no ato do embarque lá em Brasília ele veria que tinha duas crianças que não tinham passagens nem autorização”, afirmou.

Os dois meninos foram encaminhados para o Conselho Tutelar de Anápolis, que conseguiu entrar em contato com os pais das crianças. A mãe do menino de 10 anos já foi buscá-lo.

De acordo com Sudário, os pais da outra criança têm até as 18h deste sábado (6) para buscá-la. 

Caso não compareçam até esse horário, o menino será encaminhado para uma Casa de Apoio e só poderá sair de lá com autorização judicial.

Fonte:  G1

Nota da Realmaia

“As crianças entraram no ônibus sem permissão ou anuência dos motoristas, pois os mesmos pararam exclusivamente para desembarque no novo terminal, os motoristas estavam entregando as bagagens dos passageiros que iriam descer em Brasília, quando as crianças entram no veículo escondidos, como o terminal tem acesso restrito as plataformas de embarque e desembarque e não teria embarque em Brasília. 

Os motoristas seguiram viagem normalmente, após verificarem que as crianças estavam no veículo de imediato chamaram as autoridades competentes para tomarem providências. 

A empresa não embarca nenhuma criança sem a documentação legal, inclusive todas as nossas agências têm informativos sobre este procedimento”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.